Edição online semanal
 
Domingo 25 de Agosto de 2019  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

ANTÓNIOS PELO MUNDO

02-08-2019 - Armando Alves

António era um rapaz normal, ou assim o tinham feito acreditar. Não era bonito nem feio, alto ou baixo, magro ou gordo. At é o nome, António, um nome comum usado em todas as gerações desde que o tinham inventado perdido numa imensidão de outros nomes cheios de significados e modas. António era feliz consigo pró prio, n ão se importava de ser normal, ou com quantos outros parecidos a si existiam no mundo.

A verdade é que António era uma pessoa muito especial. António nunca mentira ou concebera a ideia de mentira mas era uma pessoa tã o doce que ningu é m dera por isso.

Numa tarde de chuva aconteceu algo de extraordinário, quando um clarão assolou o mundo levando consigo toda a capacidade neurol ó gica da humanidade de conceber palavras falsas.

No princípio foi desastroso, ningu é m estava pronto para ouvir quão gordo estava, ou quão mau era a fazer algo de que realmente gostava. Mas com o passar do tempo, todos se habituaram e o mundo passou a ser um lugar mais realista.

Nos placares de fast-food podia ler-se “Mata mas é bom!”

Nos cartazes dos filmes lia-se “filme medíocre mas com clich é s simp á ticos! ”

Nos anúncios de carros: “Atrai mais a atenção de outros homens do que de mulheres.”

As equipas de futebol passaram a ser reconhecidas apenas pelas cores que é na realidade a única diferença que há entre elas.

O romance teve de ser reajustado ao novo mundo, honesto demais para metáforas e eufemismo. Alguns exemplos de expressão de amor no novo mundo:

Simpatizo contigo;

Gosto mais de ti do que de algumas coisas;

És suportável;

Não és má de todo ;

Ás vezes apetece-me bater-te até te calares mas não o faço.

O ódio tamb é m teve de sofrer alteraçõ es dr ásticas. O que tendia a ser um sentimento absolutista, tornou-se numa cuidada avaliação do quão magoados realmente estamos e quanto dessa culpa é da pessoa em que a estamos a colocar, o que quase sempre acaba por evitar uma discussão desnecessá ria.

Seguem algumas expressõ es de ó dio mais usadas:

Tu desagradas-me;

Não te vou perdoar durante algumas horas;

Espero que te aconte ça algo de mau, mas nada de grave;

Tens razão mas sou teimoso demais para assumi-lo.

Havias de bater com o mindinho num móvel.

De algum modo a humanidade ficou mais pacífica, como que se todos os habitantes da Terra sentissem que partilhavam um segredo s ó deles. Havia um novo respeito pelas opiniões alheias, eram verdadeiras e pronto, não havia nada a fazer se não amadurecer e aceitar o que os outros pensavam.

António , por é m expressava-se com todas as metáforas e eufemismos que desejava. Para si eram sinceros. E s ó quando a humanidade foi inibida de mentir, é que foi capaz de reconhecer o amor que Antónios por todo o mundo trazem no coração, e o quão especiais isso os torna.

Como os populistas da Europa perderam o jogo dos Thrones da EU

Slawomir Sierakowski

Nas negociações de liderança da União Europeia neste mês, os governos populistas falharam não apenas em agir como spoilers, mas também em garantir quaisquer concessões. Agora, têm todos os motivos para se preocuparem com a sua responsabilidade pelas violações de rotina do Estado de direito quando os fundos da UE são desembolsados.

Armando Alves

 

 

 Voltar

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome