Edição online semanal
 
Sexta-feira 18 de Outubro de 2019  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

LEGISLATIVAS

12-07-2019 - Francisco Pereira

Vem longe ainda esse dia em que de novo seremos chamados a cumprir o cívico dever de votar num qualquer palonça que concorra às eleições para ser Governo deste pardieiro, passam porém rápidos os dias, ao fim da noite desse dia, carpiremos, uns, as mágoas da derrota, outros comemorarão, as orgásmicas e ébrias encenações da vitória, outros ainda a maioria festejará o dia bem passado num sítio qualquer, glorificando desse modo a triste realidade da abstenção, ao outro dia pelo fresco da manhã, será mais do mesmo, cumprida que está mais uma e tapa deste maravilhoso conceito que não existe chamado Democracia.

Quero porém hoje falar-vos de “maioria absoluta”. A três meses das eleições, importa desmistificar isto da “maioria absoluta”. Quando tal acontece o partido a quem acontece fica rei e senhor de tudo, recebe uma “carte-blanche” domina o parlamento a seu bel-prazer sem se importar sequer em fingir que se interessa, tendo a maioria podem mandar e desmandar conforme lhes aprouver que a patética e parola oposição fica com a tarefa simbólico de ladrar ao vento e pouco mais.

As maiorias absolutas, são, como quase tudo o que é absoluto, excepto talvez a vodca, uma grande trapalhada, um erro que pagamos caro, sempre muito caro. Recordo-vos a esse propósito as maiorias absolutas de Cavaco, o semental deste Estado de vigarice e trafulhice contemporânea, bem como a maioria absoluta de Sócrates distinto discípulo de Cavaco que aprimorou as excelentes lições do mestre, deixo outros de fora desta análise porque a sua relevância para o actual estado miserável em que vivemos é um nadita menor dado que foram Cavaco e Sócrates os casos emblemáticos da incomensurável roubalheira nacional, um e outro são faces da mesma moeda, um e outro gente menor, que ainda hoje me pergunto como foi possível gentalha deste mísero calibre aceder a lugares de tanto destaque.

As maiorias absolutas dos dois passarões atrás mencionados, estão para a nossa História contemporânea, como a peste negra está para o nosso período medieval, as invasões Francesas estão para início do Século XIX ou a Batalha de La lys no século XX, são todos eventos dramáticos, verdadeiros cataclismos que abalaram o país, arruinando instituições e gentes.

Claro que mesmo os partidos que a não pedem anseiam secretamente por uma maioria absoluta que lhes permita durante os quatro anos de governação que terão pela frente, fazer o que lhes aprouver. Por esta altura porém, os eleitores nacionais, acaso não fossem a caterva de indigentes intelectuais que são, já teriam percebido, que não adianta votar em branco, ou absterem-se, o melhor mesmo é ir votar, e como já disse várias vezes votar nos partidelhos marginais, por mais rebuscados que pareçam, para dessa forma estilhaçar a maioria de um só partido, obrigando dessa forma à flexibilização e ao entendimento entre os partidos.

Coligações entre o PSD e o CDS partidelho de extrema-direita, são como uma maioria absoluta, já que o CDS é desde sempre uma muleta do PSD, já coligações que envolvam Esquerda e Direita, mesmo que envolvam gentalha da extremas esquerda como o BE ou outros da mesma igualha, são sempre mais profícuas para o cidadão, sendo certo que não esperem milagres, reparem que ainda não mencionei o PCP, primeiro porque o PCP não é opção para coisa nenhuma e depois porque acredito que o mesmo é uma espécie de “melhoral” político, nem faz bem nem faz mal existe e pronto temos que levar com aquilo.

Gostava de ver coligações entre vários outros partidos, coligações de equilíbrio, de compromisso e cedência, num excelente exercício de cultura política como existem noutros países, gostava de ver implementados os círculos uninominais, já existiram no antanho, mas desde que existe a tal Democracia foram arredados, porque dá muito jeito, da equação.

Por isso cara leitora e caro leitor, nas próximas legislativas, vá votar, não fique em casa, vote porém no partido mais estapafúrdio que estiver plasmando no boletim, não passe cheques em branco a maiorias absolutas de biltres, vote no partidelho mais estapafúrdio que houver no boletim, fuja dos actuais representados no Parlamento.

Francisco Pereira

 

 

 Voltar

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome