Edição online semanal
 
Sexta-feira 20 de Setembro de 2019  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

O drama do Netomoirismo, essa terrível maleita

01-03-2019 - Francisco Pereira

O Netomoirismo é uma patologia terrível que afecta os homens portugueses, dizem os cientistas, estudiosos investigadores que há décadas estudam a maleita, que a vão continuar a estudar até ao fim dos tempos, que esta patologia é um distúrbio de ordem genético-social, a sua origem prende-se com a permanência no território do que hoje é Portugal de umas criaturas oriundas do norte de África que chegaram em 711 d.C. e só de cá partiram em 1247, ora durante esses quinhentos e trinta seis anos de permanência deixaram um tipo de degenerescências genéticas que 800 anos depois continuam a condicionar alguns dos seres do sexo masculino de Portugal.

Os homens que sofrem de Netomoirismo, costumam citar passagens da Bíblia, com gosto particular quase fetichista por passagens bíblicas que falem de adultério, em especial de mulheres adulteras, atingindo um quase clímax acaso essas referências se referirem a apedrejamentos, costumam também ressuscitar códigos penais antigos fazendo alusões aos mesmos, essas alusões podem ser desde referências ao código de Hammurabi de 1772 a.C até um código penal português do século XIX, estas características maníaco depressivas repetitivas agravam-se ao longo dos anos, com tendências para se tornarem piores.

Os homens portugueses afectados por Netomoirismo tem problemas em respeitar as forças de autoridade, são por norma falhos de coragem, preferem esconder-se atrás de pergaminhos profissionais para se eximirem ao cumprimento de ordens das forças policiais, tem portanto tendências para a megalomania, sendo o narcisismo uma das suas características mais exacerbadas, no entanto os homens portugueses afectados por Netomoirismo, são aquilo a que em termos populares se chama um “calhordas”, um fracassado, cobardolas mal resolvido.

Dizem os estudiosos que estes homens são adultos incompletos, com pilas pequenas, impotentes que sofrem de priapismo e gostam de passar muito tempo a beber copos em casas de mau porte para se esquecerem que em casa são uns tristes, alguns sofrem de confusão de género, pois a sociedade obriga-os a casar com mulheres e a serem machos peludos, quando na verdade o que eles queriam verdadeiramente era fazerem depilação completa, vestirem meias de vido e lantejoulas, usar rímel e batom vermelho para depois em noites quentes de volúpia serem sexualmente dominados por senhores setentrionais de pénis volumoso.

Os homens com Netomoirismo, gostam de espancar, perseguir e assassinar mulheres, falhos de coragem, nunca enfrentam outro homem, são bons mesmo é a bater em mulheres indefesas.

Não existe infelizmente cura para o Netomoirismo, existem no entanto métodos de prevenção de vária natureza, que podem surtir efeito, os cientistas investigadores declaram que se deve apostar na prevenção para evitar o Netomoirismo, começando por tentar criar adultos completos, reforçar a saúde mental, não ler Bíblias, Corões e outros tipos de literatura pateta desse género, quando um homem manifestar sintomas de Netomoirismo, tentar primeiro uma abordagem recorrendo à tecnologia digital, passando-lhe com um pau de marmeleiro pelo lombo várias vezes para ver se o “bichismo do netomoirismo” o larga, caso esse tratamento não surta efeito, os investigadores sugerem que se compre ao homem afectado um bilhete de avião só de ida, para Cabul ou para Riade pois esses climas mais quentes ajudam os sofredores de Netomoirismo a libertarem-se, além disso o convívio com afectados pela mesma doença de outros países permite a partilha de experiências, além de que nesses locais seriam mais felizes.

P.S. – O tema que aqui abordo em tom cómico, é uma das mais obscenas realidades deste século XXI, infelizmente continuamos agarrados a conceitos e a realidades primitivas, pessoas sofrem e morrem e nós aqui andamos impávidos e serenos.

Francisco Pereira

 

 

 Voltar

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome