Edição online semanal
 
Domingo 18 de Agosto de 2019  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Que povo é este, que povo?

15-02-2019 - Francisco Pereira

“Que povo é este, que povo
Que vende os rios que tem,”

Excerto do fado “Que povo é este, que povo”, popularizado por António Mourão, letra de Vasco de Lima Couto.

Bem difícil é a resposta a esta questão, “Que povo é este, que povo?”, quem afinal somos nós enquanto povo, enquanto sociedade quase milenar? Que é isto de ser português?

É com muita perplexidade que olho para isto que aparentamos ser, para lá do eterno Fado, da Sina, que nós faz há 600 anos correr as partidas do Mundo, em busca de sabe-se lá o quê, esquecendo-nos de aqui fazer para melhorar. “Que povo é este, que povo?”, que se insurge contra isto aquilo e aqueloutro que no Mundo se passa mas tolera o quase diário martírio de mulheres às mãos dos bois capados e mansos dos homens nacionais, “Que povo é este, que povo?”, que se resigna com tal obscenidade e que permite a existência de Juízes que fazem alusões a lapidação da mulher adúltera, como em qualquer bom regime ditatorial talibã.

“Que povo é este, que povo?”, que continua a deixar as suas crianças à mercê de tudo e mais alguma coisa, que as maltrata, que as não defende, antes pelo contrário, menoriza o seu sofrimento, as suas dores e desventuras, parecem não colher a atenção dos poderosos e menos ainda dos patetas que os elegem, “Que povo é este, que povo?”, que maltrata velhos frágeis! Que gentalha medíocre é esta, que rebotalho é este que por aqui habita e encolhe os ombros, procrastinando a sua própria existência para as calendas do finamento quando se dirão da praxe os “améns” e se acende a socrassanta velinha à santinha, “Que povo é este, que povo?”, que assim procede sempre à espera que outros se levantem para lhe defender as partes.

“Que povo é este, que povo?”, tão lesto sempre a achincalhar quem pensa de modo diferente da maralha. Sempre tão lesto a opinar sobre a vida dos outros, a impor regras e moral bafienta, que nem é sequer capaz de lidar com as misérias que tem. Que ralé é esta que se acomoda aos fogachos da moda, às partilhas de frases patetas, às fotografias do pezinho na areia e do cãozinho mais do prato de rúcula comida com fastio num qualquer ermo pateta em que se paga um preço obsceno por um fugaz momento prandial que mal apreciam na ânsia da “la minute” tirada com o aparelhómetro que custa os olhos da cara e do qual nunca se separam, parecendo uns tristes patetas cibernáuticos, sempre ligados ao Mundo esquecidos as desgraças ao seu redor que insistem em não ver, preocupados com minudências e futilidades.

“Que povo é este, que povo?” que se insurge, discute, ralha e se maltrata por causa de um jogo onde empurra bolas demasiado bem pagos a par de outros mafiosos e trânsfugas vigaristas se entretêm num faz de conta que enlouquece os patetas, o mesmo povo que lânguida e mansamente assassina as suas mulheres, viola as suas crianças e espanca os seus velhos sem sequer parar um segundo a pensar nessas atrocidades diárias, que interessa chegando a Maio acende-se mais uma velinha e paga-se uma promessa e tudo é lavado.

“Que povo é este, que povo?” que se assassina nas estradas onde andam podres de bêbados, drogados qual bestas perdidas a acelerar como toupeiras cegas doidas “Que povo é este, que povo?”

“Que povo é este, que povo?” que poluiu à água de que precisa para viver, que deixa envenenar o chão onde planta o que come, que mata os animais preciosos da natureza sem sequer nisso pensar, um poveco que se deixar ludibriar por gente medíocre e trafulha, “Que povo é este, que povo?

Francisco Pereira

 

 

 Voltar

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome