Edição online semanal
 
Quarta-feira 12 de Dezembro de 2018  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

ELES É QUE SABEM!

30-11-2018 - Francisco Pereira

Portugal, gaiola «sui generis» de particularidades que desafiam a lógica rege-se há muito por expressões idiomáticas que encerram em si a chave para entendermos a visão, deturpada, que o indígena nacional tem sobre o país onde vive, a chave para compreendermos, se disso formos capazes, a cosmovisão muito particular desta rapaziada.

Portugal para quem não sabe é o país do “Eles é que sabem”, quando perguntamos a alguém porque é que não luta pelos seus direitos, porque é que não reclama ou porque é que permite e vota em políticos tão medíocres como os que temos, a resposta invariavelmente é um “Eles é que sabem”, coisa que confesso me irrita tremendamente, mas que quadra com a maneira de ser do português que deixa serem os outros a tratarem daquilo que devia ser ele a fazer, há quase mil anos que somos povo, mas ainda não se percebeu que “eles não sabem, nem querem saber” logo deveríamos ser nós a querer saber, infelizmente assim não é e meter-lhes isso na cabeça é feito para heróis!

Portugal para quem não sabe é também o país das “Tradições”. Neste querido Portugal, não há gato-pingado que não tenha ou não invoque as tais”Tradições” como justificação para o que quer que seja, Portugal para quem não sabe é o país em que as tais “Tradições” justificam tudo, desde a pedofilia, ao abandono escolar, à morte de animais até ao parasitismo social, em Portugal as “Tradições” sobrepõem-se à Lei e às regras da civilidade, servem para fazer gato sapato de um alegado Estado de Direito, que é mais um Estado da impunidade onde cada um se tenta safar como pode, havendo uns que insistem num embuste que se chama Justiça.

Portugal para quem não sabe é cumulativamente o país do “Não me dá jeito” e do “É só um minutinho”, mais duas extraordinárias expressões que regem o dia a dia do pacóvio lusitano. Servem ambas as expressões para lesar o próximo, infringir a Lei e como é costume por cá provocar incómodo aos outros que nisso somos peritos.

Portugal para quem não sabe é o país onde se conduz com o carro engrenado em “Marcha-atrás” pelo sentido proibido, porque se vier a polícia basta meter a primeira e arrancar, o país onde se pára em cima do passeio e se ligam os quatro piscas e está tudo bem, esta mentalidade labrega e desprezível não só não desaparece como tem cada vez mais adeptos entre o povaréu pateta.

Portugal para quem não sabe é o país onde a frase “estou a trabalhar” parece justificar tudo, o barulho, o incómodo, o atropelo de todas as mais elementares regras de civismo enfim o que se queira, ora num país que dizem ser tão avesso ao trabalho ter uma frase destas que serve de justificativa para tanta malfeitoria é para ser simpático um pouco esquizofrénico, mas por outro lado Portugal é um país esquizofrénico, um país de tontos, o outro cantava os “loucos de Lisboa” devia cantar era os loucos de Portugal, porque se nos debruçamos verdadeiramente sobre as particularidades desta terra depressa percebemos que isto é um reino de doidos.

Portugal para quem não sabe é o país onde quando a coisa corre mal, nunca ninguém sabe de nada, aqueles senhores muito importantes de fato e gravata, o doutor fulano mais o doutor sicrano juntos com a doutora beltrano, quando a porca torce o rabo apresentam-se às televisões como os mais ignorantes dos seres, que na realidade são, como muito bem se viu recentemente com a queda da estrada em Borba em mais uma das muitas tragédias anunciadas deste país. No entanto quando o caso é oposto e a coisa corre bem até se atropelam a recolher os louros, esses mesmos seres ignorantes, são aqueles que nós elegemos e a quem pagamos para administrar em nosso nome a coisa pública, mas que fazem pouco caso da coisa, mais se aproveitando dela que administrando. Mas como estou no país do “eles é que sabem”, andando e siga o baile até o tocador parar!

Um grande e sapientíssimo senhor, dono de uma vastíssima cultura, infelizmente com a saúde periclitante a quem aqui presto homenagem devida, pelo muito que fez por esta terra de ignorantes, dizia com muita razão que por cá “Quem nunca comeu nada, come merda e pensa que é marmelada”, reparo metafórico que se aplica soberbamente a Portugal no seu conjunto e muito em particular aqui à terrinha em particular.

Francisco Pereira

 

 

 Voltar

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome