Edição online semanal
 
Sexta-feira 16 de Novembro de 2018  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

A SÚCIA DOS INDIGNADOS

02-11-2018 - Francisco Pereira

Recentemente uma fotografia, mostrando de três indivíduos algemados sentados no chão, fotografia igual a milhentas outras que se vêem pelo Mundo todo, trouxe a este país de tontos mais um acesso de histeria.

Os indivíduos fotografados são alegadamente os perpetradores de crimes hediondos, nomeadamente o assalto com recurso a violência extrema a pessoas idosas, violência de que, num dos casos terá resultado a morte de uma das vítimas.

Fugidos de um tribunal, foram capturados e tiram-lhe uma fotografia, coisa banal num Mundo digitalizado e escalpelizado até à exaustão. No entanto esse acto banal, levantou uma onda verdadeiramente patética de indignados, gente muito indignada com a fotografia, com os direitos dos tais indivíduos e com a sua dignidade uma verdadeiro coro de “putas ofendidas” cuja capacidade canora foi amplificada pela rafeirice dos meios de comunicação subservientes e lacaios.

Curiosamente nunca vi este grau de indignação com as vítimas. Aliás da parte desse coro de “putas ofendidas” nunca vejo indignação nenhuma com as vitimas, nunca ouvi uma palavra que seja sobre as vítimas de crime em Portugal, o que faz com que nós sejamos um país, de novo, paradigmático e digno de um aturado estudo sobre a nossa capacidade de operar milagres, dado que em Portugal existem crimes e criminosos, mas das vítimas, excepto talvez uma linha ou duas num artigo de 3 páginas num desses pasquins do jornalismo de lixo nacional.

Em Portugal parece existirem crimes sem vítimas, este não é fenómeno não é novo, lembrem-se que por exemplo a propósito da negociata dos submarinos, provou-se a corrupção encontraram-se corruptores mas sobre quem foi corrompido nem sombra, singularidades nacionais, dizia eu então que por cá o mais são crimes sem vítimas dado que tudo e toda a gente no edifício jurídico e judiciário parece andar exclusivamente preocupado com o criminoso, com a defesa do criminoso, com a saúde do criminoso, com a imagem do criminoso, com os direitos do criminoso, com tudo que diga respeito ao criminoso, quanto à vítima, ignora-se por completo, muitas as vezes podemos ler na comunicação social que Fulano de Sicrano cometeu tal crime sobre a “vítima”, o criminoso leva o nome inscrito a pobre vítima é isso mesmo “a vítima”, vítima essa que nem nome tem, penso eu que deve ser uma entidade etérea, portanto algo vai mal neste reino de Portugal!

Nunca vi este grau de indignação da parte desse coro de “putas ofendidas” que agora se mostram tão irritadas, para com as vítimas, onde estão as suas vozes quando os velhos sovados, roubados, abandonados e maltratados se queixam, onde estão as suas vozes quando as crianças vítimas de abandono, de maus tratos, de sevícias variadas aparecem no rol das polícias. Não os vi indignados por os tribunais serem uns pardieiros miseráveis sem segurança nenhuma, não os vi indignados pela falta de condições das polícias que fazem das tripas coração para irem tentando remediar a selvajaria em que este país vai paulatinamente caindo, não lhes conheço indignação sobre isso.

Onde estão as vozes dessa súcia medíocre quando os polícias são agredidos, quando os professores são agredidos, quando os médicos e enfermeiros são agredidos, nunca os ouvi, nunca lhes ouvi os gritinhos pudicos e esganiçados dessa indignação parola clamando contra essas agressões, clamando em defesa das vítimas, porquê? Será que as vítimas não têm direitos?

Cada vez mais fico pasmo com este país de gente anómala, de gentalha medíocre que governa ao sabor da rede social da moda ao invés de tentar construir um país digno e depois existe uma questão que há muito me atormenta, quem abdica da sua humanidade ao praticar crimes hediondos sobre pessoas indefesas não respeitando os direitos humanos dessas vítimas, terá direito a invocar esses mesmos direitos para si? Cada vez mais me inclino para um não! Pode ser uma deriva perigosa, mas tudo tem de ter limites, quando não corremos o risco desta anarquia e valoração invertida de valores que se vai instalando ser a bitola normalizadora e quando isso acontecer a Democracia estará completamente desvirtuada e morta.

Francisco Pereira

 

 

 Voltar

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome