Edição online semanal
 
Terça-feira 25 de Setembro de 2018  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

A UVA MIJONA

06-07-2018 - Francisco Pereira

Diz-nos o excelente «Dicionário de Expressões Correntes», do injustamente esquecido Orlando Neves, que o dito «Ao preço da uva mijona» quer dizer «barato ou sem valor». Sendo que «Mijona» é uma variedade de uva que apresenta bagos de polpa aguada, moles e com sabor desagradável pouco prestável à cultura do vinho.

Estará por esta altura o dilecto leitor a cogitar, agitando as suas sinapses sobre o secreto intuito deste alucinado e medíocre escriba, ao trazer a terreiro tão pouco significante produto. Pois fique sabendo que a pobre, mal amada e rejeitada «Uva Mijona» é dos mais importantes e mais procurados produtos da economia nacional.

Parto de imediato para o esclarecimento de vossas senhorias, porque já detecto cenhos franzidos, sobrancelhas levantadas, os caros leitores estão roídos pela dúvida, cogitando quiçá, em pertinente dúvida, sobre a saúde mental deste vosso amigo escrevinhador, relevem, relevem o pobre discípulo das Musas, porque parco em qualidade, tenta por estes artificiosos meios, criar em vós alguma, creio pouca, curiosidade sobre o que ora aqui se escreve.

Então vamos lá ver, ao início abre-se a coisa, liga-se à parede e é uma torneira a deitar notícias, por vezes como as bobines ainda estão frias porque a onda bate na lâmpada e recua*, a coisa turva, mas depois lá aparecem as carantonhas macilentas de umas criaturas muito importantes que adoram falar sobre aquilo do que não sabem rigorosamente nada, neste caso de ”Trabalho”.

Em Portugal toda a gente ou quase toda, enche a boca com a palavra ”Trabalho”, há uns por aí que no entanto fogem dele, do Trabalho, como o Diabo da cruz, preferem o subsídiozinho mensal, no entanto da Esquerda trauliteira à Direita sacrista, ele é um não mais acabar de discursos, perorações, ditos mais dichotes, constatações, indagações até sugestões, que nos surgem em verdadeiras torrentes, em cascatas que quase nos submergem, versando o tema do ”Trabalho”, existe até uma coisa chamada Concertação Social, onde os interessados, Governo, sindicatos e representantes dos patrões, cozinham a receita para o ”Trabalho” ou antes para o valor a atribuir aquilo de que todos vivem, no caso, ao trabalho dos outros, pois nesta dita concertação, os concertados vivem em exclusivo do trabalho dos outros, sobre essa fonte de rendimento opinam e ditam regras, é de morrer a rir este país.

Ora nesse coito de concertados o produto mais procurado para ser o condimento essencial de um melhor e mais produtivo ”Trabalho” é a singela e aparentemente pouco atractiva Uva Mijona.

Senão vejamos, os Governos desunham-se para terem funcionários ao preço da Uva Mijona, aquela conversa da “geração mais qualificada”, da necessidade de mais doutorados, da necessidade de mais formação e de conhecimento, pois é tudo conversa é apenas um dar ar à boca mediático para encher jornais e telejornais, na verdade os Governos procuram, professores, polícias, enfermeiros entre outros ao preço da Uva Mijona, felizes ficam quando conseguem fazer um licenciado altamente qualificado trabalhar 35 ou 40 horas por mil Euros ou pouco mais.

As Câmaras Municipais e restantes órgãos autárquicos, despeitados pela atitude dos governos centrais, alinham pela mesma bitola, querem é funcionários a trabalhar ao preço da Uva Mijona, alguns, gente com muita formação a ganhar menos que uma senhora das limpezas, gente com qualificações que trabalha quase de borla em municípios e juntas de freguesia mercê daqueles programas muito úteis instituídos pelo serviço de emprego, a realidade é essa, eles andam todos a lutar pela Uva Mijona.

Os patrões, os empresários e restante súcia, também alinha pela mesma musica, na agricultura então o desespero é tanto que até já importam Uva Mijona do Paquistão, do Bangladeseh ou da Índia, choram cada cêntimo de que despendem para pagar salários, para eles tudo se resume a uma indexação do salário à produtividade sabendo nós, que, segundo nos dizem ela é baixíssima, dizem eles, sendo que muitos desses senhores, desses patrões e empresários viveriam no Mundo ideal se fossem os trabalhadores a pagar para trabalhar, “ó tempo volta para trás” suspiram muitos, aos tempos de antanho onde com grilhões e chicotes se apanhava de borla toda a Uva Mijona que se quisesse, ó belos tempos.

Por último os sindicatos, esses vivem num delicado equilíbrio, por um lado necessitam que haja cada vez mais Uva Mijona, é disso que vivem é disso que também se alimentam, no entanto têm de fazer parecer que querem acabar com a dita, por isso as encenações, mistificações, greves, plenários e manifestações, “panem et circenses” como disse há mais de dois mil anos o malandreco do Juvenal. Por outro lado os sindicatos não podem morder aos donos, que são os partidos políticos, nem querem estar de mal com os patrões, pois nunca se sabe o amanhã, é portanto deste delicado equilíbrio que vivem os artistas sindicais.

Em suma meus mui estimados leitores, a Uva Mijona, que a olhos menos esclarecidos passa por coisa reles, baixa e própria da ralé, na verdade é dos mais procurados e importantes produtos desta nossa economiazinha, o desdém com que a tratam é fictício, qual prestimoso e diligente prestidigitador todo aquele que fita a Uva Mijona com erótico desejo, desvia daí a atenção dos demais para que ele e apenas ele possa colher esse fruto.

Fiquem os meus caros leitores com a fundada certeza de que a importância da Uva Mijona, é hoje ainda maior do que noutros tempos, em que se trabalhava por meio tostão, desconfiem dos embelezados discursos que tecem loas ao saber, e sobretudo ao “Trabalho” , porque o que todos querem e procuram com afinco são coisas ao preço da Uva Mijona.

*Roubado de forma vil e sem pudor da fabulosa rábula do saudoso António Silva no filme “Amenina da Rádio” de 1944.

Francisco Pereira

 

 

 Voltar

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome