Edição online semanal
 
Domingo 21 de Outubro de 2018  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

O PITROLINO*

08-06-2018 - Francisco Pereira

O actual Ministro, faz-de-conta, do Ambiente é uma figura que me causa profundo dó. Primeiro pela clara falta de preparação técnica, depois pelas tristíssimas figuras que o pobre homem tem feito. Recorde-se o seu desempenho na questão da poluição do Tejo, que não só não desapareceu, não desaparecerá mas que continua, quando o rio estiver completamente morto, quando toda essa excelente reserva de água doce estiver completa e irremediavelmente poluída, nesse dia talvez, alguém se irá lembrar do pobre Tejo, faço aqui referência a essa questão do Tejo apenas como exemplo do tratamento que Portugal dá aos seus recursos naturais, sendo também um excelente exemplo do estado dos cursos de água doce, que como muito bem deveriam saber é o bem mais raro, essencial e escasso do planeta.

Mas voltando ao senhor quase Ministro. Uma outra polémica, mais uma, esta com uma potencialidade enorme de se tornar num caso letal de envenenamento da ainda protegida costa Vicentina, falo claro está, da autorização para a exploração petrolífera ao largo de Aljezur.

Portugal é um país verdadeiramente fantástico, governado por seres saídos da maior incubadora de génios do universo, somos um país que anda quase sempre em contra ciclo, quando o Mundo faz «Zag», nós fazemos «Zig» e vice-versa. Quando no Mundo, pelo menos no mais civilizado, o paradigma dos combustíveis fosseis é colocado em causa, ainda que timidamente, o que faz Portugal, mercê de dois governos protagonizados por gente inteligentíssima, falo do actual bem como do anterior, duas súcias de indigentes intelectuais infelizes, que permitiram aos velhacos do petróleo licenças absurdas para esburacar o mar à procura de petróleo.

Ao povinho foi dito à boca cheia que “o projecto da Eni e Galp poderia “ajudar a reduzir o défice comercial”, notem que eles não mentem totalmente, ao contrário dos que nos governam, os senhores do petróleo são inteligentes, notem que na frase está uma palavra que traduz tudo e que faz toda a diferença, a palavra “poderia”, pois é bem verdade, o projecto de exploração poderia servir para trazer os tais milhões aventados, mas não trará, como não trouxe em nenhum lugar do terceiro Mundo, como Portugal, onde essas empresas rapaces e oportunistas se dediquem à exploração do petróleo, exemplos não faltam, da miséria que essa actividade trouxe aos povos.

Mas por cá não, por cá eles farão diferente. Esperem sentados. Os governos que deveriam servir as pessoas, servem-se antes das pessoas, pior é que as pessoas, embasbacadas como andam com novelas medíocres dos futebóis, das santinhas e do telelixo nacional, ao invés de se manifestarem, nem por isso, aparentemente estamos todos bem muito obrigado, isso é lá com eles, ou a frase mais estupidamente incrível ouvida amiúde, dita até à exaustão pelo mesmo povaréu bronco, “se traz progresso para a terra”, o problema é que progresso não tem de ser alcatrão e cimento, progresso não tem de ser miséria e porcaria em barda.

Pior é que isto tudo se passa num pardieiro miserável chamado Portugal, onde as energias renováveis são uma obscena negociata para chinês ganhar dinheiro, será que o senhor Ministro mexia nisso, não creio, porque depois de venderem o país ao desbarato os miseráveis governeiros ainda têm o desplante de dizer que tomaram a melhor das opções, sabendo nós que por exemplo só em bancos falidos, enterraram o suficiente para fazer 23 pontes Vasco da Gama ou seja poderíamos fazer uma ponte continua com 283 Km.

Vivêssemos nós no tempo da monarquia falida, fosse o faz de conta que é ministro do Ambiente um rei, o seu cognome seria DOM João “ O Pitrolino”, rei de Lisboa e chega, que o resto é do chinês, do angolano, do árabe, do inglês e das petrolíferas.

*O “Pitrolino” é uma figura da minha infância, exemplo da resiliência e capacidade empreendedora deste nosso povo, o Pitrolino chegava de carroça, mais tarde de carrinha, vendia petróleo, mais tarde vendia um pouco de tudo, de mercearias finas a petróleo, sabão e cotos de vela, era uma espécie de hipermercado em ponto pequeno que chegava às aldeolas perdidas, deixou por vezes de ser o “Pitrolino” para passar a ser o “Azeiteiro” o que vendia azeite e mercearias. Peço desculpa por comparar a figura nobre e digna do velho Pitrolino, a esta infeliz criatura que dizem ser Ministro do Ambiente.

Francisco Pereira

 

 

 Voltar

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome