Edição online semanal
 
Domingo 19 de Agosto de 2018  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

A Ditadura da Democracia

27-04-2018 - Francisco Pereira

A ditadura de antanho, de vários desconhecida, ainda que muitos outros por ela suspirem, habituou-nos aos tristemente conhecidos três “F”, (Futebol, Fátima e Fado), durante esses anos doirados da nacional carneirice, a maltinha viveu sobre esse signo, que continha intrinsecamente encerrado dentro, aquela coisa muito nacional do destino, da sina, dos pobretes mas alegretes, mais a alegria no trabalho, felizes os que ignoram, ámen.

Nesses tempos a coisa era muito mais simples, havia respeitinho, velavam os da DGS mais a bufaria, mais que muita, que sempre fomos um país de bufos reles, as massas andavam entretidas e oravam, abençoadas.

Primeiro, entretiveram-se com o evitar a guerra, (a Segunda Mundial), cheios de fome, que o de Santa Comba, fazia marchar as viandas para os teutões que pagavam em oiro judeu, passada a desgraça guerreira, hossanas ao filho do “Manholas” o providencial santo salvador, quilos de velinhas e ave-marias, vela Cerejeira pelas ovelhas mansas, é pois tempo de ir à pressa criar um Império, para o qual, nos quatrocentos anos anteriores não houvera nem cabedais nem ensejo para fazer, assim passa década e meia, o Mundo porém como diz a canção «pula e avança», nós por cá entretidos a tirar cotão do umbigo, fazendo de conta que não é nada connosco.

Entretanto os indígenas do Império, perceberam que eram no Mundo os últimos a sacudir a canga, é tempo de ir, “pra Angola e em força”, as massas estão agora entretidas na guerra salvadora do Império, pois porque quando já mais ninguém tinha impérios nós que nunca o tivemos insistíamos, pronto lá se entreteve a malta, dando-se vazão ao oiro com que os germânicos nos tinham pagos os presuntos mais as orelheiras de fumeiro.

Mansa ia a coisa, Cerejeira continuava a velar pelas mansas ovelhas, Oliveira velava pelos assuntos mais profanos, em África matava-se ou morria-se, em Portugal as elites, enchiam-se alarvemente, até dava para balets cor de rosa com meninas menores, para bertliets e unimogs mais a CUF, tudo a bem da Nação claro está, quanto ao Zé, esse andava por aí entretido a ver a bola, a ouvir o faduncho, a excelsa mocidade portuguesa cuidava da alma e do corpo dos futuros guerreiros enquanto que os pais muito de longe em longe iam numa excursão a Fátima para acender velas à santinha, se o Manel escapasse às minas e ao paludismo era certo, um fardo de velas à santinha, agradece Cerejeira.

Pelo meio vinha o aerograma, nós por cá todos bem e adeus até ao meu regresso que muitas vezes se fazia em primeira classe de porão com o corpinho acomodado num lindo sobretudo de pinho acolchoado, paga a famelga que o de Santa Comba prefere gastar o oiro dos teutónicos a comprar balas, e esses eram os sortudos, os que vinham cá parar, porque muitos ficaram para sempre com os ossos a branquear nos sertões austrais roídos por bichos estranhos ou a enfeitar cemitérios regimentais que hoje definham engolidos pela selva, pela incúria do país que os enviou para morrer e de seguida os abandonou.

Aos vivos chegados da guerra, a essas pobres campónios que para lá foram mandados, restava-lhes voltar à servitude do campo, trabalhando para os senhores donos da terra. Ora ao fim de treze longos anos de morticínio sem que se vissem melhorias, os campónios continuavam de canga, substituída por camuflado e G3 em comissões de 24 suaves meses, com direito a assistir na primeira fila às maravilhas que o continente africano tinha para oferecer, pitorescos safaris, aldeias indígenas, comidas tropicais, malária, disenteria, sede e fome, tudo pontuado com magníficos fogos de artificio, com maços de tabaco para alegrar a alma distribuídos pelas matronas gastas do MNF, isto a bem da Nação claro está, ámen.

Dizia eu que ao fim dessa quase década e meia, o oficialato subalterno, farto de ir morrer longe, de apanhar doenças venéreas e de ser encornado (casos pontuais de certo, assunto aqui referido apenas para criar ambiente de anedota de caserna), além de se ver ultrapassado por paisanos milicianos, resolve produzir o excelente evento, aqui sou sincero, continuo a acreditar que a Revolução de Abril de 1974, foi benéfica, o grandioso 25 de Abril, que libertará Portugal da guerra, da ditadura e de mais uma coisita ou outra, foi efectivamente um evento benéfico para esta tropa fandanga que por aqui habita, ainda que a maioria dos asnos assim não entenda.

Quarenta e quatro anos passaram desde essa data mítica para alguns, uma merda para outros, ainda que os que dela menos gostem tenham sido muitas vezes os que com ela mais lucraram, mas isso fica para outro dia, nestas quase quatro décadas e meia o país sem dúvida que melhorou, os três “F” da Ditadura foram quase abandonados, ou antes foram substituídos na importância pelos três “B”.

Aquilo que foram os três “F” da Ditadura, são os três “B”, para a Democracia, para esta democracia em que dizem que vivemos. Pior, não só o povaréu não abandonou os “F”, continuamos pobretes e alegretes, analfabrutos e cada vez mais mal educados, como juntamos os “B”, a saber, somos cada vez mais um país de Bandidos, Biltres e Bandalhos, disso cada vez que abrimos um jornal diário, que escutámos notícias na rádio ou que vemos um noticiário televisivo, temos as provas às centenas.

A nossa grande conquista do 25 de Abril, foi a liberdade para sermos um grande país de Bandidos, Biltres e Bandalhos, actividade que estava no tempo da Ditadura circunscrita a uma elite que enxameava à roda da candeia do poder que alumiava o caminha da amada Pátria, ámen.

Foi a democratização e a multiplicação da possibilidade de qualquer um poder aceder à ilustre e proveitosa carreira de ser um Bandido, Biltre e ou Bandalho, a grande conquista desta Democracia, em que dizem que vivemos, um qualquer farroupilha nascido nas berças, pode perfeitamente cursar engenharia, ou fazer de conta, tornando-se um grande bandido, um qualquer pelintra do barrocal, pode tornar-se num professor e vir a ser um grande Biltre, como pode um indigente das ilhas tornar-se um excelente Bandalho, outra conquista desta Democracia são as hordas de parasitas madraços que vivem na mais absoluta indulgência e subsídio-dependência, uns e outros, impunes, acima da Lei e fazendo tábua rasa de tudo quanto são regras.

Juntemos a tudo isto os três “I” da Impunidade, da Incompetência e da Inércia, que parecem nortear este país, a caldeirada está quase pronta, falta o sal da guerra civil das estradas, onde morrem como tordos os imbecis, a pimenta da violência doméstica que mata sem explicação, mais uma pitada de Justiça miserável, outra pitada de Educação medíocre finalizando com uma dose generosa de Saúde falhada, o prato está pronto, toca o hino, distribuam-se as comendas mais as medalhas, mais os afectos aos montes, cuidado que “estrala a bomba, arrebenta, fica tudo queimado”, polvilha-se tudo com muito “Zeca”, força companheiro e tal, voa gaivota, romarias e cravos, que uns usam outros não como se a liberdade não os tivesse a todos libertados aos parvos, arrumado está o arraial da Democracia e da Liberdade, uma vez por ano, viva isto mais aquilo e aqueloutro, ram…tam…ram…tam… batem as botifarras no asfalto, esboroa-se a pintura e cai a cor, por baixo é só salitre, muito bolor, muita trampa, viva, viva a Democracia e tal, para o ano logo se vê, há eleições? Então é de arromba, que fica bem.

Isto meus caros e excelentes leitores, foi sem margem para dúvida a maior conquista de Abril, esta diversificação social do acesso à bandalheira, à falta de ética, à falta de honra e de decência. Ainda assim viva o 25 de Abril, viva o povinho dos três “P”, que caminhando, felizmente, para a extinção, aqui continuam, Pelintras, Parvos e Patetas!

Francisco Pereira

 

 

 Voltar

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome