Edição online semanal
 
Domingo 19 de Agosto de 2018  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Ola amigos.

06-04-2018 - Pedro Barroso

Ola amigos.

Peço desculpa de personalizar demasiado, desta vez, a minha colaboração, mas face aos imprevistos da minha condição de saúde, internamentos últimos não permitiram a assiduidade desejada. E desejo celebrar esse regresso condignamente.

Agradeço a todos os amigos que me leem aqui no N.A., no facebook, ou noutras colaborações avulsas, a estima e o envio de tantos votos, desejos expressos e partilhas que decerto me ajudam a ir melhorando, nem que seja animicamente.

A evolução da minha condição, entretanto, permite-me, assim espero, reassumir os compromissos para Abril. Assumo também o desejo de encontro entre todas as pessoas apostadas na Democracia e na defesa sincera dos valores da Liberdade, neste mês que a celebra entre nós, por efeitos de inesquecível calendário.

Pelo menos, tentarei; e tenho a certeza que todos entenderão, comparecerão e serão solidários, nesses encontros de cúmplices e celebrantes q ocorrerão:

dia 14, em Avintes, em que celebraremos Abril, mas também o cantor e meu companheiro Adriano Cª Oliveira, que de lá era na tural e lá repousa; 
dia 24 em Leiria, no velho Lúcio da Silva, em Concerto para a noite histórica, evocativa e sempre digna de lembrar;
dia 25 de Abril, em Coimbra, no novo espaço Convento de S. Francisco de que me dizem maravilhas, mas ainda não conheço. Outro Concerto que já tardava.

Lá estarei e lá espero por todos. A canção para mim e para a minha geração era um grito adiantado no tempo. Um desejo enorme de mudança. Uma seta apontada ao coração da ditadura e da prepotência. Por isso só sei viver Abril assim, neste significado e neste espirito.
Vamos ser cúmplices e celebrar a vida, a Liberdade e o Futuro. Relembrar poemas que fizeram furar a fantasia e romperam o muro da censura em dias cinzentos.
Vamos tentar inventar o sonho, lembrando canções de sempre e lançando farpas para um futuro de gosto e sensibilidade, num mundo onde, hoje, o gosto anda pelas ruas da amargura. 
Sim eu sei que faço canções esquisitas e diferentes. Que não passam na rádio, nem se vêem na Tv. Mas é precisamente essa a função, esse o objectivo. Subvertermos a "aurea mediocritas" instalada. O mau gosto. Os ídolos com pés de barro.

O país da novena, da novela e do novelo. De um pensar críptico, ainda bolorento, burocrático, suicidário, infeliz.
Ao estarmos juntos, combatemos também o tédio insuportável em q se tornaram algumas celebrações do 25 de Abril; com gente que não o viveu, nunca o entendeu, nunca nele teve referência, nem dele bebeu o significado. Gente sem Abril no coração.
E se habituou a "celebrá-lo" sem memória de toda a coragem que - perdoe-se-me a vaidade - a minha geração de cantautores teve, para o ajudar a alcançar. Sou dos últimos que ainda por ai circulam. A saúde não me tem ajudado ultimamente. Mas a alma de Abril - essa vontade maior de alcance e puridade - essa, vou cultivá-la até ao fim. E transmiti-la.

Porque desejo ardentemente que floresça e circule por todas as gerações futuras. 
É disso que se trata. Por isso nos juntamos. Há que legar a mensagem aos filhos e netos.
Para que, muito maior que nós, circule sempre essa Liberdade.

Pedro Barroso

 

 Voltar

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome