Edição online semanal
 
Terça-feira 22 de Maio de 2018  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

FELICIANO, UM RAPAZ DA PROVÍNCIA!

23-03-2018 - Francisco Pereira

O Feliciano está doente, o coitado do homem, que parece que é quase analfabeto, tal é a dificuldade em perceber coisas escritas, trocou-se todo revelando que sofre da habitual e costumeira “síndrome da cabala”, uma doença terrível também conhecida por “Relvite” ou ainda “Efeito Relvas”, condição clínica que costuma afectar aldrabões, vigaristas e medíocres em, geral, mas que pode também afectar pessoas honestíssimas, como é o caso do Feliciano, patologia muito comum em Portugal ainda que circunscrita aos círculos do Poder, afecta essencialmente políticos, quer sejam, ministros, secretários de Estado, deputados e ou autarcas das mais variadas cores, sendo que a cor laranja parece particularmente atreita a este tipo de maleita.

A “síndrome da Cabala” é uma doença degenerativa do foro psico somático, ataca essencialmente a ética, a moral, a decência e a honra. Tem efeitos devastadores no que concerne aos comportamentos, a pessoa afectada esquece por completo o significado das palavras decência, verdade, moral e dignidade.

Esta semana, vimos cair o Feliciano, um rapaz porreiraço ali da zona Oeste, acometido por um caso agudo da tenebrosa “Síndrome da Cabala”, pobre rapaz, um académico dedicado, tirou 18 no mestrado, porque segundo o júri do mestrado revelou um excelente "percurso profissional", curioso que no caso das pessoas comuns o percurso profissional conta “ZERO”, no caso dos doentes atacados por “Relvite” os curricula profissionais são sempre extremamente relevantes mesmo quando são a mais pronta das aldrabices.

Mais ainda, o Feliciano, que é um rapaz porreiro, esqueceu-se de tirar do currículo, a ligação à Universidade de Berkeley que ao que parece era apenas platónica, o Feliciano é um rapaz romântico, apaixonou-se por Berkeley mas não era correspondido por ela, ah o amor que arde sem se ver!

Outro nefasto exemplo do “Efeito Relvas”, é o da confusão, as infelizes pessoas afectadas por esta terrível patologia, tendem a confundir as coisas e a esquecer, esquecem-se muito, podem por exemplo esquecer-se de pagar impostos, como aconteceu a um conhecido habitante de Massamá, há gente maldosa que possa chamar a isso apenas uma aldrabice miserável, mas não, é isso sim uma característica da “Síndrome da Cabala”.

E como uma desgraça nunca vem só o pobre do Feliciano, que é excelente rapaz, confundiu Bombarral com Lisboa, erro normal porque ambas as localidades começam pela mesma letra, esse pequeno erro traduz a diferença entre 23,05 euros de ajudas de custo por cada dia de trabalho parlamentar, isto porque os senhores deputados instituíram para si próprios um regimento de ajudas muito generoso para complementar o mísero salário que auferem, que é o que recebe um deputado que viva em Lisboa ou nos concelhos mais próximos e a quantia de 69,19 euros que é o que recebe um deputado que resida fora de Lisboa, que se juntavam ao pequeno salário de 3994 Euros que aufere um pobre deputado, ou seja, apenas em despesas de deslocação ao fim do mês a coisa já compensa, percebe-se pois esse singelo, a todos os títulos compreensível erro do bom do Feliciano.

Atingido na sua honra o Feliciano, rapaz inteligente e probo fez sair um comunicado onde a propósito da vigarice com a morada declara, “Considero que é essencial uma clarificação total sobre as regras dos benefícios e ajudas de custo aos deputados, bem como uma metodologia de acolhimento aos deputados que não permita situações de dúvida nas informações prestadas, pelo que dirigirei ao Senhor Presidente da Assembleia da República um requerimento nesse sentido.”

No entanto a legislação é clara, diz que o deputado deve obrigatoriamente declarar a morada onde reside de facto. Mas por estar a sofrer das consequências da “Síndrome da Cabala” o honesto Feliciano baralhou tudo, se não se tivesse colado ao Rio, nada disto se saberia, assim ficou à vista de todos que o honesto Feliciano é mais uma vítima da Cabala, olha tal como a senhora Fertuzinhos ou como o senhor Macedo, ela vivia em Lisboa e declarava Guimarães, ele vivia em Miraflores e declarou Braga, duas pessoas honestíssimas em que são bem patentes as nefastas consequências dessa doença terrível que é a “Síndrome da Cabala”.

Francisco Pereira

 

 

 Voltar

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome