Edição online semanal
 
Sábado 21 de Julho de 2018  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

UM ESTADO BESTIAL

02-02-2018 - Pedro Pereira

Passados que são mais de oitocentos anos de Estado/Nação, Portugal vive nos dias que correm, na primeira quadra do terceiro milénio, enquadrado num cenário verdadeiramente calamitoso e para rimar, pré-comatoso.

A Nação está gravemente enferma e o aparelho do Estado que a subjuga, capitaneado pelo governo em funções mais os seus apoiantes satélites, encontra-se dominado pela partidarite feroz, corroído por bandos de salteadores, carcomido pela corrupção endémica, pela venalidade, canalhice, psicopatia, quadrilhice, boçalidade e, afirmemo-lo sem rebuços, pela bestialidade apoiada na rede de bufos ao serviço do poder.

Ele é vê-los nas redes sociais… Quem criticar o governo, os geringonços, nas redes sociais, saltam-lhe em cima uma dúzia de criaturas camufladas atrás de avatares, que como lobos esfaimados atacam o crítico sem dó nem piedade com instintos assassinos.

Possivelmente existe uma enorme alcateia deles assalariados pelo poder.

Como disse um dia o empresário e ex-ministro “coelhone”: - “quem se mete com o PS leva”.

O aparelho do Estado português não é “bestial” por associação ao termo, “excepcional”. Não, o Estado é bestial no sentido literal do termo, ou seja, uma besta, neste caso, rectangular, de acordo com a sua configuração geográfica e assim actua perante todos e cada um: forte com os fracos e fraco com os fortes.

Estamos perante uma alimária vesga controlada politicamente, que não toma os cidadãos por igual perante a lei, antes os descrimina em função das suas opções políticas e/ou situação económica detida por cada um.

Por estar gravemente enfermo, o Estado estrebucha, esbraceja quotidianamente como que para fazer prova de vida, usando sobretudo o seu membro viril(?) chamado de “finanças”, com o qual esgravata, devassa e atemoriza a privacidade e a vida dos cidadãos, com isso fazendo roerem-se de inveja os pides reformados que ainda sobrevivem.

Maneta, perneta, vergo de um olho, zarolho do outro, o Estado por mal de estar maltrata a maior parte dos cidadãos que ao longo de mais de quatro décadas displicentemente permitiu que fosse amamentado à barba longa por grupos do rotativismo político.

Bem (mal) criado, passadas que são mais de quatro décadas do 25 de Abril de 1974, o Estado entrou na fase de decrepitude em que se encontra e faz sofrer os mais fracos.

Chagas de variados tipos atanazam o seu corpo, que possuem nomes de várias autarquias, clubes de futebol, bancos manhosos, patos bravos, lóbis políticos, associações de (falsamente) “bem fazer” e outras chagas sociais purulentas e humanamente poluentes, tendo em comum viverem agarradas às suas franjas.

A corrupção mina as suas bases onde se encontram indiciados entre outras criaturas de mau viver, magistrados, secretários de Estado, autarcas, ministros, altos quadros da administração pública e até um ex-primeiro ministro.

O governo que o sustenta, nele se ceva e o esmifra para seu sustento e da camarilha sua clientela. Paga mal e porcamente aos seus funcionários e dele se serve a seu belo prazer de acordo com insondáveis desígnios que escapam ao comum dos cidadãos, criando e manipulando falsa propaganda como se de informação credível se tratasse, através de órgãos de informação domesticados ao seu serviço que botam para a rua chorrilhos de notícias manipuladas como se fossem verdadeiras, veiculando de noite e de dia das mais diversas formas as virtualidades do seu “bem fazer” ao povo português.

Eles são aumentos miseráveis nas pensões e nos ordenados, propalados aos quatro ventos até à exaustão. Em contrapartida, pela surrelfa, aumentam brutalmente os impostos indirectos como no caso dos combustíveis, duplicam e triplicam as taxas dos actos administrativos (certidões e outros…) pela calada da noite numa proporção incomparavelmente superior aos aumentos/esmola que concederam aos pensionistas, sem contar com os funcionários públicos que não têm aumentos nos seus vencimentos desde 2009 e dos trabalhadores em geral que, entretanto, não viram aumentos decentes (os que viram), tal como os que auferem o salário mínimo.

Em suma: os miseráveis aumentos das reformas e das pensões para os dos escalões mais baixos assim como o aumento mixuruca do salário mínimo, sem contar com a manutenção do congelamento dos vencimentos na função pública, não acompanham os aumentos dos impostos indirectos que se refletem nos produtos e bens de consumo e outros, redundando numa diminuição do rendimento disponível dos cidadãos singulares e das famílias.

Os sindicatos por sua vez, que se encontram em fase de amor platónico/estratégico, coordenados pelos partidos que os controlam, não tugem nem mugem e quando tugem é de forma pouco clara e entendível por quem veja e oiça bem. Trabalham afanosamente para manterem uma falsa paz social, evitando greves e outras manifestações que possam desagradar ao poder.

O investimento nos sectores produtivos é praticamente nulo. O mesmo se passa quanto ao investimento no sector público.

As multinacionais plantadas um pouco por todo o território nacional, em particular nas cinturas industriais dos meios urbanos, estão a mudar-se com armas e bagagens para outras paragens além-fronteiras mandando para o desemprego milhares de trabalhadores.

Umas, pela sua dimensão e acções públicas dos seus trabalhadores são notícia, outras, mais pequenas, não “merecem” ser noticiadas.

A emigração dos jovens qualificados e de outras faixas etárias em busca de emprego, de pão para comer com o esforço do seu trabalho que escasseia em Portugal, continua em bom ritmo.

O país continua a perder o melhor das suas gentes, sendo certo que a maior parte daqueles que abalam à procura de um presente e de um futuro com futuro (passe a redundância), não regressarão mais à pátria definitivamente.

Entretanto o governo trabalha de noite e dia para uma chamada “descentralização” a favor dos municípios, a fim de facilitar a criação de mais umas largas dezenas de milhar de postos de trabalho para comissários políticos e outros parasitas da sociedade.

É evidente que este cenário cor de rosa acabará por ruir um dia e mais cedo do que muitos dos seus apaniguados pensam e, quando esse dia chegar, cairá com muito estrondo.

A mentira assente na propaganda tem sempre o futuro a prazo.

Se não há criação de riqueza suficiente para sustentar a Nação, de onde vem o dinheiro que a mantém?

O despudor é total, a desbunda é natural, minam o Estado e a sociedade e atentam contra a democracia e a cidadania.

Pedro Pereira

NOTA

. Conceito restrito de Estado: A palavra Estado, grafada com a inicial em maiúscula, refere-se a um território com fronteiras definidas, com organização política e administrativa.

. Conceito restrito de Nação: Indivíduos pertencentes ao mesmo grupo étnico, falando o mesmo idioma, partilhando uma história, tradições, língua, usos e costumes comuns, dotados de uma consciência identitária que os distingue como povo dos outros povos afins.

 

 

 Voltar

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome