Edição online semanal
 
Segunda-feira 21 de Maio de 2018  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

LEGIONELLA ll

24-11-2017 - Henrique Pratas

Independentemente de já ter escrito sobre esta matéria ela mantém-se atual até ao momento que quem de direito tome medidas para que tal não volte a acontecer em qualquer lugar a fonte do surto foi pelo menos uma das torres de arrefecimento do hospital São Francisco Xavier e isto devido a quê porque não se fez a manutenção devida e consagrada nos protocolos criados para o efeito, mais uma vez facilitou-se.

O esclarecimento prestado foi realizado pela Diretora-Geral de Saúde.

Até ao momento há 54 casos confirmados de doença dos legionários, sendo que cinco dos doentes morreram.

A fonte do surto da bactéria 'legionella' no hospital São Francisco Xavier, em Lisboa, foi pelo menos uma das torres de arrefecimento da unidade hospitalar.

A Diretora-Geral de Saúde, explicou que o Instituto Nacional de Saúde (INSA) conseguiu apurar que as bactérias nas secreções dos doentes são da mesma estirpe que as encontradas na água de pelo menos uma das torres de arrefecimento.

"Há uma concordância entre estirpes das 'legionellas' presentes na água que estão numa das torres e as estirpes das secreções dos doentes", indicou, acrescentando contudo que o INSA continua ainda a fazer mais análises.

"Podemos com um elevadíssimo grau de probabilidade dizer que foi a água de pelo menos uma das torres que terá provocado o surto, uma vez que a bactéria que estava na água é geneticamente indistinguível à que estava presente nas secreções dos doentes", indicou.

Na passada quarta-feira, dia 15 de novembro, a directoria-geral da Saúde tinha afirmado em conferência de imprensa que a fonte da infeção que provocou o surto de doença dos legionários no São Francisco Xavier estava no perímetro do hospital, mas sem especificar se se encontrava numa torre de arrefecimento.

A Diretora-Geral de Saúde, veio depois informar que ainda não tinha havido novos casos diagnosticados, embora a responsável não descarte o surgimento de mais casos isolados decorrentes do surto.

"Por vezes existe algum atraso entre o início de sintomas e a data de diagnóstico. O caso que foi diagnosticado ontem, dia 15, já tinha sintomas no dia 13".

Até ao momento há 54 casos confirmados de doença dos legionários, sendo que cinco dos doentes morreram.

Há quatro pessoas cuja história clínica não é completamente clara não se tendo ainda a certeza se são casos de infeção por legionella quer pertencem ou não a este surto.

A Diretora Geral da Saúde, explicou que são doentes que estiveram as imediações do hospital e como tal ainda não se podem descartar por completo deste surto, apesar de as autoridades indicarem que nos dias iniciais não havia condições favoráveis à propagação atmosférica da bactéria.

"É muito pouco provável que à volta do hospital tenham ocorrido casos. Mas deixamos estes doentes como possíveis até termos dados laboratoriais”.

Questionada sobre se as autoridades ponderaram nalgum momento o encerramento do São Francisco Xavier, a Diretora Geral de Saúde, disse que tal não foi equacionado porque se enviaram de imediato equipas e se "encerraram as torres", tendo sido feitos os tratamentos considerados adequados, "Interrompendo a transmissão possível, encerrando a fonte, o risco deixa de estar presente e não havia motivo, depois da intervenção, para encerrar o hospital".

A 'legionella' é responsável pela doença dos legionários, uma forma de pneumonia grave que se inicia habitualmente com tosse seca, febre, arrepios, dor de cabeça, dores musculares e dificuldade respiratória, podendo também surgir dor abdominal e diarreia. A incubação da doença tem um período de cinco a seis dias depois da infeção, podendo ir até 10 dias.

A infeção pode ser contraída por via aérea (respiratória), através da inalação de gotículas de água ou por aspiração de água contaminada.

Apesar de grave, a infeção tem tratamento efetivo.

A questão que subjaz a este meu artigo é se esta situação não poderia ter sido evitada se se tivesse realizada a manutenção de acordo com o que se encontra estipulado e consagrado nos manuais de protocolo das torres de arrefecimento, tudo isto era evitável, mas como vivemos num País onde as leis não são para cumprir e a maioria do Povo português é que tem que se sujeitar as estes desmandos, não vai acontecer rigorosamente nada, ninguém vai emendar a mão e todos nós estamos sujeitos a estes episódios ou a outros com origem semelhantes.

Henrique Pratas

 

 

 Voltar

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome