Edição online semanal
 
Sexta-feira 24 de Novembro de 2017  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

BANCA FORMAL versus BANCA INFORMAL - A GUERRA

10-11-2017 - Pedro Pereira

A guerra financeira mundial, ou seja, a que resulta do combate entre a banca formal e a banca informal, espraia-se, neste momento, por todos os continentes.

Qualquer destes sistemas tem uma existência de mais de oito séculos, sendo que o percursor das transferências bancárias transnacionais e transcontinentais foi a Ordem dos Templários.

Os muçulmanos por sua vez ter-lhes-ão seguido as pisadas, se não foram – provavelmente – seus contemporâneos.

Ao longo dos séculos estes dois sistemas de transações de dinheiro coabitaram num mundo em construção global, aparentemente sem atritos (note-se que afirmamos:  aparentemente) até ao presente...

O panorama de conflitos abertos nos dias de hoje é o de países como a Líbia, Síria, Iémen, Iraque, Somália e Afeganistão em guerra aberta e outros como Israel/Palestina e Egipto, enquanto outros, por exemplo, encontram-se em guerra larvar, num conflito cujas faces visíveis são as fações   xiita e sunita.

Verificamos assim, que vários países do Médio Oriente estão em guerra. A este propósito, convém recordar a crise do petróleo desencadeada pelos países árabes da OPEP (Organização do Países Produtores de Petróleo) há poucas décadas atrás. Assim, entre 17 de outubro de 1973 e 18 de março de 1974 os preços do barril de petróleo atingiram valores que chegaram a mais de 400% do preço base no início da crise,  originando uma prolongada recessão nos Estados Unidos e na Europa com a consequente desestabilização da economia mundial.

Desde então os preços médios do crude têm vindo a subir, pese embora a queda de 60% registada em 2008, porém, recuperada a partir do ano seguinte.

Desde então as economias ocidentais como as dos EUA e da Comunidade Europeia entraram numa espiral recessiva sem fim à vista.

Se há marca distintiva desde o primeiro ano do século XXI até aos dias presentes, é a dos conflitos sociais, políticos, económicos e militares permanentes, resultantes de uma reordenação geoestratégica política e económica global em curso, de onde emergem novas potências a partir das nações do MERCOSUL  (Mercado Comum do Sul), ou seja, o  mercado económico regional para a América Latina, de que se destaca o Brasil e o mercado asiático (China, Índia, Japão,   Singapura, Coreia do Sul, Indonésia, Malásia, Filipinas, Tailândia), cujo eixo é regulado pela China e pela Índia  enquanto as velhas potências europeias aglutinadas na UE se afundam como o  Titanic, ao som de choros e gritos, acompanhadas por uma orquestra de violinos trajada de fraque, que ataca impávida e serena uma valsa manhosa composta por uma valquíria alemã.

Enquanto isto, aquela que desde finais da 2ª Grande Guerra Mundial se tem afirmado como a maior potência económica e militar do mundo – os EUA – ameaça implodir, atascada numa crise económica de proporções inimagináveis, pese embora alguns ténues sinais de retoma.

O mundo que conhecíamos, esboroa-se rapidamente em cada dia, em cada hora que passa, perante a – aparente – impotência de todos nós.

A crise económica que avassala e continua a alastrar como fogo à palha no velho continente e nos EUA emite ondas de choque que se vão projetando nas potências emergentes atrás referidas. Logo, a recessão económica e a instabilidade política e social, repercutem-se a nível mundial, porque hoje a economia é global.

Por detrás deste cenário, como fundamental gerador, existe um combate, uma velha guerrilha de séculos, transformada hoje em guerra financeira que se trava na sombra entre a banca formal e a banca informal. Todos os cenários bélicos e económicos atualmente em curso decorrem assim, em primeira instância, dessa guerra entre “bancas”.

Os grandes conflitos atuais: Iraque, Afeganistão, Síria e outros, têm por rastilho o velho combate de sombras pelo controlo pelo domínio exclusivo mundial das transações financeiras.

De um lado, a banca formal com existência física, detida maioritariamente por tradicionais famílias oligarcas judaicas ou por elas controlada, e por outro lado, a banca informal, sem existência física, controlada por muçulmanos.

À pouco mais de uma década, por razões complexas e extensas para serem relatadas neste pequeno artigo, a oligarquia bancária decidiu aniquilar a rede “bancária” internacional muçulmana que nas duas últimas décadas desempenhou um crescente e preponderante papel nas transações financeiras mundiais, com benefícios evidentes para os nacionais (particulares, negócios, empresas…) das potências emergentes, quer asiáticas quer do MERCOSUL.

Chegados a este ponto, é tempo de relatarmos ao leitor como funciona a banca informal muçulmana: - Trata-se do sistema  Hundi  – de transações financeiras – que se baseia no conceito da confiança total, sem papéis, sem documentos, selados com a palavra de honra e um aperto de mão. Funciona na perfeição, porque qualquer um que faça lavagem de dinheiro e traia o seu cliente, será rapidamente “suprimido” do negócio. Por exemplo, no caso de transferências, o depositante entrega a quantia em dinheiro vivo – em qualquer moeda – ao homem  hundi  no ponto A e pede que uma pessoa de sua confiança, familiar ou amigo, que receba o mesmo valor no ponto B, menos a percentagem do homem  hundi, percentagem essa bastante inferior à cobrada na banca formal pelo mesmo tipo de transação, refira-se.

O homem  hundi  tem um parceiro de confiança, geralmente um parente no ponto B, a quem instrui da forma de disponibilizar a quantia depositada ao amigo do pagador, que se irá identificar junto dele de forma pré-combinada, ou seja, uma senha acordada na origem da transferência.

Tendo em conta as dezenas de milhões de muçulmanos, que enviam dinheiro para as suas famílias nos seus países de origem, bem assim como tantos outros milhões de não muçulmanos (hindus, chineses…) entre outros, que trabalham com este sistema; atendendo às importâncias/valores decorrentes de transações comerciais que se contam por milhares ou milhões diários; considerando que neste processo não existem computadores ou extratos bancários; considerando ainda que todas as quantias são transacionadas em dinheiro vivo e que tanto pagantes quanto recetores podem usam pseudónimos, a movimentação é virtualmente impossível de ser intercetada ou rastreada.

Atente-se também, que para quem pretenda ocultar a proveniência do dinheiro, constitui um erro fatal transferir elevadas quantias através do sistema bancário formal, logo, a banca informal revela-se a melhor solução.

Para além disso, desconhecem-se organizações centralizadas para as operações financeiras da banca informal.

Neste sentido, torna-se evidente que a banca formal está condenada a perder esta guerra a médio prazo e com ela, o descapitalizado sistema capitalista nos moldes em que tem existido, mau grado vá esbracejando no mar encapelado dos dias que correm, assumindo posturas de desespero trágico/grotescas.

Como não encontraram – ou quiseram encontrar – solução civilizada – se é que a banca algum dia foi civilizada…- qual organizações multinacional mafiosa (BCE, FMI…), mancomunada através dos seus lacaios na Comissão Europeia, conseguiu engendrar um plano de assalto aos depósitos da banca de Chipre em 2008. E conseguiram, para valores acima dos cem mil euros.

É claro que esta foi uma vitória de faz-de-conta, uma vez que as maiores fortunas que até então se encontravam nos bancos cipriotas eram - sobretudo - de russos e de ingleses e esses, avisados a tempo, numa verdadeira operação relâmpago retiraram o dinheiro – dezenas de milhares de milhões de euros - e transferiram-no para paragens mais saudáveis.

Estamos pois, perante uma nova estratégia da máfia banqueira descapitalizada, que não é mais que o assalto e confisco despudorado ao dinheiro dos depositantes na banca da Europa Comunitária, só equivalente ao sucedido na Argentina em 2001, quando na  manhã do dia 1 de dezembro, o povo acordou em choque com uma desvalorização brutal da sua moeda. A bancarrota afetou de forma dramática de um dia para o outro, os aforradores e depositantes que viram as suas contas emagrecer para ¼ do seu valor. Foram ainda proibidos de reaver o que lhes pertencia com a célebre medida do corralito, que restringia os levantamentos bancários. 

Os seus efeitos ainda hoje se fazem sentir nas profundas assimetrias sociais, numa economia em reconstrução, com dificuldades em acertar o passo, elevada taxa de desemprego e muita miséria. O processo de reestruturação da dívida soberana arrastou-se até 2011.

O caso do Chipre marcou – na prática – o início do estertor do capitalismo financeiro, o pronúncio de roubos idênticos aos depósitos em bancos do espaço comunitário (se não se estender a outros continentes…) e o alerta para o fim da moeda única.

A fuga de capitais para outras bandas do mundo acelerou desde então. A banca europeia vai-se afundando assim na descapitalização, no desnorte e numa pré-bancarrota anunciada.

A banca formal torna-se violenta, assaltando coercivamente o dinheiro dos depositantes com o respaldo armado dos governos das nações em cujos bancos metem o gadanho.

Não nos esqueçamos que Portugal, Grécia, Espanha e Irlanda, foram as vítimas que se seguiram. Não necessariamente por esta ordem…

Pedro Pereira

 

 

 Voltar

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome