Edição online semanal
 
Quinta-feira 13 de Dezembro de 2018  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

O POEMA DE SÓLON

27-05-2016 - Matos Serra

O poema de Sólon, que vou postar, tem mais de dois mil e quinhentos anos e chegou até nós com alguns versículos perdidos pelo caminho, mas, mesmo assim, dá para ver o espírito político-social do seu autor…

TÍTULO: A JUSTIÇA E A CIDADE – ATUALIZANDO: A JUSTIÇA E A SOCIEDADE

A nossa cidade jamais perecerá, por vontade de Zeus
e querer dos deuses imortais, bem-aventurados.
Sobre ela estende os braços, magnânima e vigilante,
Palas Atena, filha de um pai ilustre.
Mas querem destruir a grande urbe, com os seus desvarios,
Cedendo às riquezas, os próprios cidadãos,
e dos chefes do povo o espírito injusto, a quem está destinado
sofrer muitas dores pela sua grande insolência.
Pois não sabem refrear os seus excessos, nem pôr ordem
nos bens presentes na paz do banquete.
……………………………………………………………………………………….
Enriquecem arrastados por ações injustas.
………………………………………………………………………………………

Sem poupar as posses dos santuários ou do povo,
roubaram a saque, cada um para seu lado;
não guardam os alicerces veneráveis da justiça,
que, em silêncio, conhece o presente e o passado,
e, com o tempo, vem exercer vingança.
É esta ferida inevitável que já surge em toda a cidade,
que se precipita, veloz, na desgraça da escravatura,
que desperta a revolta civil e a guerra adormecida,
que perdeu a amável vida de tantos.
Em breve uma cidade muito estimada é arruinada pelos inimigos
nas conspirações caras aos malvados.
São estes os males que se agitam no povo.
E muitos dos indigentes demandam a terra alheia,
vendidos e atados com cadeias ignominiosas.

………………………………………………………………………..

E assim, a desgraça pública entra em casa a cada um.
E as portas do pátio não podem detê-la.
Mas salta a elevada fortaleza, e acha quanto quer,
ainda que se fuja para o recesso do tálamo.
Manda-me o meu coração que ensine aos atenienses estas coisas:
como a desordem causa muitas desgraças ao Estado,
e a Boa Ordem apresenta tudo bem arranjado e disposto,
e muitas vezes põe grilhetas aos injustos.
Aplaca as asperezas, faz cessar a saciedade, enfraquece a insolência,
Faz murchar as flores nascidas da desgraça,
Endireita a justiça tortuosa e abranda os actos
insolentes, termina com os dissídios,
cessa a cólera da terrível discórdia, e, sob o seu influxo,
todos os actos humanos são sensatos e prudentes.

Matos Serra

 

 

 Voltar

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome