Edição online semanal
 
Quarta-feira 27 de Outubro de 2021  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

E O SAQUE COMEÇA EM 3...2...1...GO!

24-07-2020 - José Janeiro

Foi um Primeiro Ministro orgulhoso que anunciou a vitoria de 45 mil milhões para sete anos. Foi no mesmo dia, um mineiro pro bono, que anunciou um pseudo plano para aplicar a tal pipa de massa. Todos se masturbaram á sua maneira. O primeiro porque venceu o Holandês e os frugais, que afinal queriam ter uma palavra a dizer sobre a forma como os países do sul, os tais de putas e vinho verde, aplicavam o dinheiro, o segundo porque tirou da cartola uma nova(?) forma de energia, o Hidrogénio e os do costume esfregam as mãos de contentes por este fato á medida para sacar guito.

Apesar de achar que o “tipo Holandês” como lhe chamou o Húngaro, tem razão ao exigir responsabilidades na aplicação dos fundos, não me surpreenderia se a moeda de troca fosse a fabrica de hidrogénio sabendo-se que em 30.janeiro.2020 foi esta a noticia no ECO/SAPO: “ João Galamba garante que será assinado em março ou abril um memorando de entendimento com a Holanda para o hidrogénio verde. Quanto às obras no terreno, não começarão antes de 2021. Portugal e Holanda estão a trabalhar, lado a lado, para criar um consórcio industrial de larga escala para produzir hidrogénio verde em Portugal. Apesar de o projeto ainda estar numa fase embrionária há empenho dos dois países para fazer avançar a obra, confirmou em entrevista ao Capital Verde do ECO, o secretário de Estado da Energia.

Falta referir que o custo estimado era de 3,5 mil milhões de euros, sensivelmente metade da contribuição da Holanda para o processo aprovado em Bruxelas esta semana e que já se fala no dobro, ou seja a totalidade da participação Holandesa.

É um crime económico, que se está novamente a desenhar no horizonte. Até aqui os decisores incentivaram a população a optar por veículoselétricos, porque o electrico é que era o futuro, agora vamos mudar para hidrogénio. Sei bem que o hidrogénio também serve para produção de energia elétrica pela sua queima, mas a que custo?

Fui estudar melhor o problema e encontrei este diagrama esclarecedor objecto de um simpósio de engenharia de produção de 2014 (fonte: https://core.ac.uk/), que é bem elucidativo do problema:

Como sabemos o hidrogénio é o elemento quimico com maior predominaria na natureza/universo, mas extrai-lo requer grande potencia energética e custos elevados e a sua armazenagem um terror logístico.

Hoje temos um parque enorme de centrais de produção elétrica, seja por queima de gás natural, seja por renováveis (fotovoltaicas, biomassa ou eólica) que andámos a financiar descaradamente e que injectam na rede quantidades apreciáveis de energia, com preços assegurados mesmo que não seja consumida(!), ao ponto de termos centrais hidro electricas já paradas, uma loucura economica-financeira que todos sentimos no bolso, basta olhar para o detalhe da vossa factura da luz, e vamos ainda por mais lenha na fogueira com esta loucura? Veremos em breve mais uma rubrica na factura da luz assim tipo “comparticipação de produção H2”. É isto que o mineiro Costa II quer vender-nos? É esta a contrapartida do “tipo Holandês” para fazer passar o processo em Bruxelas? Não satisfeitos com isto veremos novas disfunções do sistema, com a triplicação a já estrutura excedentária de produção fotovoltaica para ser capaz de fazer face ás necessidades de energia para produzir Hidrogénio, ou seja gera-se energia para produzir energia num ciclo vicioso. Já repararam que ninguém fala dos veículos electricos? Aonde andas tu Matos Fernandes que até há bem pouco tempo dizias que o Diesel e outras motorizações iriam dar lugar ao veiculo electrico, afinal querias dizer hidrogénio e ainda não sabias?

O desnorte é total, o plano do mineiro é idiota e vamos pagar caro o “aproveitamento de fundos comunitários” entregues ao desbarato para as diatribes dos incompetentes do costume, que não conseguem ver para além da sua estupidez e não têm visão estratégica para o lugar de Portugal na Europa/mundo. Houve economistas que fizeram cálculos do impacto deste plano não valorizado pelo mineiro, mas que se consegue ver com algum grau de certeza, e o crescimento potencial será de 3%, com estas linhas mineiras pro bono e para tal investe-se 6 mil milhões/ano, que vergonha dar razão ao “tipo holandês” e ao outro de nome esquisito das putas e vinho verde, ou andando mais para trás uns 2 milénios, recordar Júlio César dizer que “nem nos sabemos governar nem nos deixamos governar”, parece sina!

E tudo o que gera emprego e riqueza neste país fica assim desprotegido com estes mega-estupidos-projectos que servem para alguns, diz-se que os mesmos que deixaram buracos no Novo Banco e que foram perdoados, sei lá más línguas, por isso o Costa PM não queria a Europa a meter o bedelho nas aplicações de dinheiro, quer ter mão livre para os mesmo do costume.

Mais Estado, mais alcatrão, mais cimento, mais falta de ideias, é o destino da “pipa de massa”, em vez de desviarem o dinheiro para estas parvoíces megalómanas que tal injeta-lo na economia em bens transacionáveis que produzam riqueza e exportações, a “fabrica da Europa” que há muito defendo, criando bem estar para todos e para o equilíbrio social do país? Ah assim pouco sobra para Ferraris e Masions e há que manter os chulos do costume satisfeitos, pois são os mesmos que produzem as noticias influenciadoras da carneirada votante.

Até para a semana.

 

 

 Voltar

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome