Edição online semanal
 
Domingo 25 de Fevereiro de 2018  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Crise na Ucrânia, um desafio à segurança

08-08-2014 - José Manuel Neto Simões

“A segurança e a paz não são dados adquiridos. Os exércitos não se improvisam. Preparam-se” Cavaco Silva, Presidente da República.

1.A globalização gerou a nova desordem internacional, caracterizada pelo aumento de conflitualidade, com subversão das hierarquias do sistema mundial e disfunções nos equilíbrios entre poderes e centros de decisão. E a instabilidade na segurança dos Estados pode afectar o interesse nacional.

A crise na Ucrânia é uma questão de segurança decisiva em termos europeus e mundiais. A União Europeia (UE) fez uma péssima gestão política a favor de um tratado de associação, que foi um factor de divisão, explorado pela Rússia por ver nessa opção uma iniciativa para deteriorar a influência de Moscovo. O novo Presidente ucraniano, Poroshenko, oligarca milionário e negociador pragmático — pertenceu ao Partido das Regiões (Leste) —, terá de gerir a politização de relações a leste e a ocidente.

A política externa russa definiu prioridades nas relações com a “vizinhança próxima”. A concepção do arriscado eurasianismo de Dugin na reemergência da Rússia — como potência revisionista e nacionalista — visa a ampliação da sua área de influência no espaço pós-soviético e a reconstrução do “império russo”.

O erro histórico do Ocidente foi ignorar a Rússia com o estatuto de grande potência que se quer afirmar, e a geografia lhe confere, ao agir pela geopolítica mantendo a independência estratégica ao nível nuclear.

A doutrina Putin leva a induzir que a Rússia deverá seguir uma estratégia para manter a Ucrânia num regime não alinhado com o Ocidente — sem hostilizar a população de origem russa — na sua área de influência, para que funcione como “zona tampão,” garantindo a sua fronteira de segurança.

O conflito da Ucrânia exigia a diplomacia de Kissinger — sem mediatização e ignorância —, não apoucando para afastar o imprevisto da irracionalidade. O estadista defendia não aproximar a NATO das fronteiras russas e o Ocidente compreender a relação histórica entre a Rússia e Ucrânia.

Putin, conhecido por “homem espelho”, utiliza as ideias dos interlocutores a seu favor. E as sanções não contribuem para o desanuviamento, mas apenas para a radicalização do conflito.

Putin cometeu graves erros: avaliação sobre a coesão — ainda que relativa — entre a UE e EUA; e as ameaças de intervenção emdefesa da minoria russa, o que alimentou as ambições separatistas no Leste e Sul da Ucrânia. Os confrontos armados eram inevitáveis com previsível escalada em guerra civil (balcanização).

A secessão da península da Crimeia — que acabou por ser absorvida — era uma parte do plano para a Rússia controlar a esquadra do mar Negro, que lhe assegura a única saída para o Mediterrâneo.

Aquele precedente foi também utilizado na desestabilização do Leste da Ucrânia, para reconstrução da “Nova Rússia” que garante 15% do PIB do país, mantendo a fragilidade económica e a fragmentação política, conseguindo assim a integração daquela região conhecida por “Donbass”.

A proximidade geográfica e a porosidade das fronteiras permitem operações irregulares sofisticadas, infiltrando forças especiais para apoiar as milícias pró-russas, numa atitude de Moscovo de aparente cooperação com Kiev, enquanto assegura a gradual subversão (Salami Tactics). Dividir para conquistar!

Para ultrapassar as vulnerabilidades das Forças Armadas (FA) ucranianas, foi contratada a empresa americana de segurança privada Academi, que está a combater as milícias pró-russas. Os polacos — inimigos históricos dos russos — estão perigosamente muito activos.

2. A UE passou a ser ela própria a crise, produtora de crises como a da Ucrânia, com contradições insanáveis e clivagens na geografia dos povos, que conduz à desconfiança e rejeição do projecto de unidade europeia, traduzido no resultado das eleições. Com as elites europeias burocratas sem pensamento político e sem visão de futuro — com os “interesses comuns” deslaçados ou inexistentes —, não é viável um conceito estratégico para um novo paradigma de desenvolvimento e segurança da UE, mobilizador só por estadistas de superior estatuto.

A Europa não aprendeu com os erros. E a mentalidade germânica continua a não saber conviver com outros povos, revelando intolerância que acabará por ser, como no passado, vítima da sua arrogância.

Pior do que a humilhação da submissão à Alemanha é aceitar a mediocridade sem alternativa.

E a falta de dimensão da política externa sem aproveitar os recursos e a posição geográfi ca única de Portugal.

A indiferença da UE para com as complexas questões de segurança é a perturbante remonição da sua própria desintegração. A crise da Ucrânia permitiu A segurança na Europa devia ser prioridade a reorientação estratégica da NATO e requer melhor articulação com a UE, cuja segurança comum está fragmentada pela crise fi nanceira.

Por outro lado, a Política Europeia de Segurança e Defesa não é um mecanismo de defesa colectiva. Seria de avisada prudência a reconfi guração da arquitectura de defesa sem dilemas, constrangimentos e muito menos condicionar a capacidade militar de intervenção autónoma dos Estados pelo interesse nacional.

A aliança transatlântica necessita de restaurar os vínculos políticos e estratégicos e cumprir os compromissos dos orçamentos de defesa (2% do PIB), que a maioria dos Estados enjeitou. Obama lembrou que a segurança tem preço e todos terão de contribuir. Contudo, os líderes autistas das instituições europeias encaram as FA como obstáculos ao Orçamento — como o sinistro senhor Schäuble —, em vez de importantes instrumentos de política externa para garantir a segurança nacional dos países e, consequentemente, da segurança e defesa da UE.

Não é inocente! Porque a política de defesa de Berlim não está alinhada com a NATO no confronto geopolítico na Eurásia.

A Alemanha projecta uma aliança com a Rússia com opções que não sejam a UE, que a protege de eventual colisão com a França e desafi a a hegemonia americana.

3. A crise económica, social e política acaba por se transformar numa crise de segurança que não pode comprometer o exercício das funções de soberania condicionada por critérios meramente contabilísticos.

A solidariedade na UE deixou de estar em exercício também ao nível da segurança e defesa.

Por isso, a imprevisibilidade do ambiente estratégico e os requisitos de defesa deviam levar os decisores políticos a concluir por um sistema de forças mais exigente.

A reforma dos “cortes cegos”, além do imposto pela troika, atinge a degradação e dignidade das nossas FA, ou seja, afecta a condição militar, contrariando o Presidente da República:

“Meios e equipamentos de qualidade e pessoal motivado, evitando a degradação das capacidades.”

Não basta afi rmar a paz esquecendo que a resolução de conflitos pode obrigar à utilização da força militar. As catástrofes, confl itos e crises não avisam. A defesa nacional não pode ser um milagre!

Afi nal Putin chamou à realidade! A segurança na Europa devia ser prioridade, porque o impacto da crise ucraniana vai muito para além das suas próprias fronteiras.

Para não sermos “irrelevantes onde se joga o nosso futuro”, as FA terão de ser credíveis. A nossa participação requer melhores recursos, meios, treino e prestígio da instituição militar.

José Manuel Neto Simões
Capitão-de-fragata SEF (Res)

 

 Voltar

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome