Edição online quinzenal
 
Sexta-feira 1 de Março de 2024  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

O REIZINHO VAI NU!

24-04-2020 - José Janeiro

Houve um tempo que sua majestade se esteve “cagando para o segredo de justiça”, agora sua majestade está-se cagando para as regras COVID-19 e para o próprio vírus em si, pelo caminho esta-se cagando para as petições online, como o mesmo disse em entrevista á TSF, porque “nada lhe dizem” (sic).

O Reizinho vai assim nu, pensando que estará vestido com uma voluptuosa vestimenta democrática que tanto apregoa, mas está apenas nu, entenda-se, de mascara caída de pseudo democrata. A arrogância democrata de um individuo que se acha a ultima bolacha de um pacote, da democracia.

Tudo isto vem na senda da polémica das comemorações do 25 de Abril que em tempo de pandemia devia ter sido anulada. Não, meu caro sr. Reizinho, o facto de não se comemorarem os festejos do 25 de Abril, não é nem um acto de fascismo, nem uma desrespeito pela data, é apenas uma situação E-X-C-E-P-C-I-O-N-A-L, como excepcional foi a anulação dos festejos da queda do regime Nazi na Alemanha previstos para 8 de Maio proximo, ora pela lógica do Reizinho se anularmos os festejos este ano é dar aos “mascarados de abrilistas” a opção de deitarem “as garras de fora”, mantendo a lógica, a falta de festejos na Alemanha da queda do Nazismo, será dar aos saudosistas o argumento valido para glorificar Hitler. Não há pachorra!

A polémica estala, não por se comemorar ou não o 25 de Abril na AR, mas sim, na sequencia de uma teimosia do seu Presidente, o Reizinho arrogante, que foi dos 300 convidados a menos de 100, com uma velocidade estonteante, cumprindo assim a regra das reuniões com menos de 100 pessoas, aprovada com o estado de emergência. Depois de achar que devia haver 1/5 dos deputados passou agora para 1/3, para cumprir a regra instituída e aprovada pelos mesmos que agora se acham acima da lei.

Na verdade, desrespeitar, como o fez na entrevista á TSF, as petições online, acima de tudo aquela que tem, até á data que escrevo este artigo, 109 197 assinaturas, dito de outra forma 1% da população total Portuguesa, diz tudo sobre o que o Reizinho pensa da democracia. Assim, abriu-se uma guerra de petições, a anti comemorações com as assinaturas referidas e a petição de Manuel Alegre, figura que nunca gostei, que tem na mesma data 25 195 assinaturas. Ora será, por esta pouca adesão á petição do Abrileiro-mor que o Reizinho diz se estar cagando para as petições?

Na verdade, esta polémica trepou para o espaço publico pela estupidez do Presidente da AR e da sua arrogância. Na verdade, trepa para o espaço publico, pelas medidas excepcionais que nos afectam. Na verdade, trepa para o espaço publico, porque hoje a repetição após e durante 46 anos de um disco rachado por indivíduos caquéticos e pouco confiáveis, que pouco nada têm a ver com espírito algum do passado, provocam asco.

Não, não é pela data, mas pelos intervenientes, confinados numa redoma sem olharem para a populaça que apenas quer gozar um dia de sol, e cada vez mais se desligam da data e do espírito dela, porque não se revêm, nestes donos da democracia. Sim trepou para o espaço da polémica por tudo isto e muito menos pelo confinamento.

O Reizinho e os seus apaniguados não conseguem descer do pedestal e entenderem que o comum dos seus conterrâneos não se revê numa data de esperança que foi afinal uma data de pesadelo. Sim, o 25 de Abril, está a ficar cada vez mais, com a mesma importância do 1º de Dezembro que lá longe nos séculos, foi a restauração da independência e que esteve a um passo de deixar de ser feriado e comemorado, tudo por culpa desta gente mesquinha e nada confiável.

Quando a esperança se transforma em pesadelo, deixamos de dar a devida importância a comemorações, a festejos e a datas diferentes das de um dia de praia e um feriado que tanto desejamos para uma segunda ou sexta feira.

É triste que tipos como o Reizinho, destruíssem um dito espírito de cravos e de Abril e conseguissem que as pessoas se desligassem das datas que nos identificam como povo. É triste que as nossas gentes não consigam dar um valente murro na mesa e dizerem BASTA! Mas não! Somos um povo de cordeiros, que se transformam em cães raivosos no sofá, mas que quando alguém propõe que se mobilizem ficam passivamente impávidos, como aquele que atira a pedra e esconde a mão. Cobardes!

E a China continua a facturar em barda e envia uns produtos defeituosos só porque sim.

Até para a semana

José Janeiro

 

 

 Voltar

Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Coordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome