Edição online semanal
 
Segunda-feira 18 de Fevereiro de 2019  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Caixa Geral de Depósitos. Empréstimo de 350 milhões de euros a Joe Berardo foi decidido em 57 minutos

08-02-2019 - Rita Cipriano

O terceiro empréstimo concedido ao empresário desde o início de 2007 foi decidido num conselho alargado. Durante a reunião, que durou menos de uma hora, discutiram-se operações de dez empresas.

Foram precisos apenas 57 minutos para os membros do Conselho Alargado de Crédito da Caixa Geral de Depósitos aprovarem “um financiamento” de 350 milhões de euros a Joe Berardo em março de 2007. De acordo com a edição em papel desta quinta-feira da revista Sábado, que teve acesso à ata da reunião, o encontro começou às 15h33 e terminou às 16h30. Durante esse período de tempo, foram discutidas operações de dez empresas e instituições, incluindo a de Berardo.

O empréstimo foi o terceiro concedido ao empresário madeirense desde o início do ano, num valor de 447 milhões de euros. A decisão acabou por transformar-se numa das maiores fontes de perda de dinheiro para o banco e foi tomada por um grupo de pessoas com pouca ou nenhuma experiência na banca, como explicou a Sábado — o vice-presidente do conselho de administração da Caixa, Maldonado Gonelha, e os administradores Armando Vara, Celeste Cardona e Francisco Bandeira.

Em troca dos 350 milhões de euros, o Conselho Alargado exigiu a Berardo que o valor das ações dadas como garantia fosse revisto trimestralmente. Caso este caísse, o empresário teria, segundo a mesma ata, de dar mais garantias e um aval pessoal que só podia ser dispensado depois de vistas as contas da Fundação Berardo, a devedora formal da dívida à Caixa.

Menos de um mês depois, contudo, o mesmo conselho que aprovou a necessidade de existir um aval pessoal da parte de Berardo fez questão de o dispensar ao baixar o rácio de cobertura do empréstimo pelas garantias em 5%. Passadas duas semanas, voltou a haver reunião e uma nova revisão favorável — a taxa de juro cobrada foi revista em baixa para 0,7%, em cima da Euribor a 6 meses. As atas destes encontros não incluem pormenores sobre o processo de tomada de decisão, apenas referem o que foi decidido por unanimidade. Uma prática que parecia ser comum nas reuniões do Conselho Alargado.

De acordo com a Sábado, que falou com dois administradores bancários que preferiam manter o anonimato, apenas a decisão final era posta por escrito. Terá sido por isso que a auditora EY - contratada pela Caixa para analisar os piores créditos concedidos entre 2000 e 2015 e cujo relatório final foi divulgado no Parlamento na semana passada — não terá encontrado uma justificação para o facto de os administradores ignorarem os pareceres desfavoráveis da Direção de Risco do banco.

Fonte: Observador

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome