Edição online semanal
 
Sexta-feira 16 de Novembro de 2018  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Trump perdeu a Câmara dos Representantes. E foi a noite das mulheres

09-11-2018 - Lusa

As eleições intercalares dos EUA ficam marcadas por um empate entre Republicanos e Democratas, com os primeiros a manter o controlo do Senado e a perder a maioria na Casa dos Representantes.

Tal como apontavam as previsões, o Partido Democrata voltou a ter a maioria na Casa dos Representantes, o que não acontecia desde 2010.

A derrota na Câmara dos Representantes, que deixa Donald Trump em estado de alerta, perante as eventuais consequências, foi celebrado com muita expectativa pela líder dos Democratas, Nancy Pelosi, que deverá assumir a liderança da Casa dos Representantes.

“Amanhã, será um novo dia na América“, frisou Pelosi no discurso de celebração do resultado eleitoral. E se não haverá grandes implicações para Donald Trump no imediato, é certo que o Presidente dos EUA pode ter motivos para estar preocupado.

Assumindo o controlo da Casa dos Representantes, os Democratas podem vir a lançar investigações à administração de Trump, nomeadamente para analisar eventuais conflitos de interesses ou abordar a questão dos impostos do Chefe de Estado. Além disso, podem bloquear alguns dos planos do Presidente norte-americano, para implementar legislação ou executar acções como o projecto do muro na fronteira com o México.

Todavia, os Republicanos garantiram a continuidade no comando do Senado, o que ajuda a equilibrar as forças na vida política norte-americana.

A votação para o Senado fica marcada pela geografia, com “o mapa fortemente inclinado para Estados amigos dos Republicanos” e onde Trump continua a ser muito popular, como destaca a CNN.

Os Republicanos ganharam também a corrida nos dois mais importantes Estados do país, Florida e Ohio.

Já os Democratas conseguiram afirmar-se nos subúrbios, tirando partido da “enorme diferença de género entre as mulheres” para recuperarem a maioria que tinham perdido em 2010, na Casa dos Representantes.

O Partido Democrata apostou claramente em candidatas femininas e a estratégia surtiu efeito, com vários resultados históricos envolvendo mulheres. No todo dos candidatos eleitos, as mulheres representam 52%, segundo a CNN, o que constitui um resultado revelador.

Estas eleições intercalares colocam mais de 100 mulheres na Casa dos Representantes, um número histórico e que deixa antever uma possível tendência para as próximas eleições presidenciais nos EUA, marcadas para 2020. O investimento numa candidata mulher pode valer aos Democratas uma boa vantagem na corrida contra Trump.

Mulheres que fazem história

Na votação de terça-feira, onde foram escolhidos congressistas, senadores e governadores em 36 estados, para ocupar lugares na Câmara dos Representantes e no Senado no Congresso norte-americano, houve várias primeiras vezes, sobretudo envolvendo mulheres e democratas.

Ilhan Omar e Rashida Tlaib, ambas do Partido Democrata, são as duas primeiras mulheres muçulmanas eleitas para o Congresso dos EUA, tendo vencido as respectivas eleições no Minnesota e no Michigan, e conquistando lugares na Câmara dos Representantes. Omar é uma refugiada somali, e Tlaib, que nasceu em Detroit, é filha de imigrantes palestinianos.

As também democratas Deb Haaland, do Novo México, e Sharice Davids, do Kansas, fizeram igualmente história como as primeiras mulheres indígenas eleitas para o Congresso, na Câmara dos Representantes. Davids, que é advogada e ex-lutadora de artes marciais, é também a primeira lésbica a ser eleita para o Congresso.

Haaland, ex-líder do Partido Democrata do Novo México que impulsionou o voto dos indígenas em Barack Obama em 2012, substitui a também democrata Michelle Lujan Grisham, que conquistou a eleição para o cargo de Governador do Novo México.

Davids e Haaland juntam-se aos outros dois indígenas da Casa dos Representantes, os republicanos Markwayne Mullin e Tom Cole, ambos de Oklahoma, que foram reconduzidos.

No Tennessee, a republicana Marsha Blackburn é a primeira mulher Senadora, após derrotar o democrata Phil Bredesen.

Já no Massachusetts, foi eleita a primeira congressista negra, Ayana Pressley, e Lori Trahan tornou-se na primeira mulher luso-descendente a conquistar um lugar no Congresso norte-americano. Os avós desta profissional de marketing e consultoria, de 44 anos, são um imigrante português e uma imigrante brasileira.

No Texas, foram eleitas as duas primeiras congressistas latinas, designadamente Veronica Escobar e Sylvia Garcia. Escobar vai substituir o lugar do democrata Beto O’Rourke, derrotado por curta margem pelo republicano Ted Cruz que conseguiu a reeleição para o Senado.

Há ainda uma outra mulher a fazer história, como a mais nova de sempre eleita para o Congresso, respectivamente a democrata Alexandria Ocasio-Cortez, que tem 29 anos.

No Colorado, Jared Polis é o primeiro governador assumidamente homossexual a ser eleito nos EUA. No seu discurso, não deixou de fazer referência a este facto, frisando que o Colorado é “um estado inclusivo”.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome