Edição online semanal
 
Quarta-feira 29 de Setembro de 2021  
Notícias e Opinião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

OE2022 já tem “buraco” de 2 mil milhões (e quase metade deve-se a salários e pensões)

03-09-2021 - Zap

O ministério das Finanças informou o Parlamento de que já há 2.425 milhões de euros de despesas adicionais a considerar no âmbito do Orçamento de Estado para 2022 (OE2022). E só há 371,2 milhões em receitas previstas, o que deixa um “buraco” para compensar.

Estes valores foram divulgados pelo ministério das Finanças no Quadro de Políticas Invariantes que foi entregue à Assembleia da República e que aponta as despesas e poupanças adicionais previstas para o OE2002, em comparação com os valores do Orçamento deste ano.

Assim, o Governo tem de contar  2.425 milhões de euros de gastos adicionais , como avança  o Jornal de Negócios que teve acesso ao documento do ministério.

Para compensar estas despesas, só estão previstas, para já,  371,2 milhões de euros  de receitas, o que deixa um “buraco” de mais de dois mil milhões de euros.

Quase  mais de 1.200 milhões de euros  destas despesas adicionais devem-se a salários e pensões.

O Negócios aponta que o documento das Finanças indica 579,6 milhões de euros de gastos em salários, sendo que 251 milhões respeitam a  progressões e promoções  previstas e 75 milhões a  contratações  em curso.

Estes valores salariais incluem ainda o efeito do  aumento dos assistentes operacionais  e dos assistentes técnicos nas escolas, bem como o fim do congelamento das carreiras dos professores e de outras carreiras.

Os gastos contabilizados em  pensões  são da ordem dos 605 milhões de euros, sendo que a actualização automática implica despesas adicionais de 148 milhões de euros.

Já a subida dos valores das pensões médias e as entradas e saídas de pensionistas do sistema implicam um custo adicional de 457 milhões de euros.

Assim, estes valores de despesas adicionais são  “a herança das decisões passadas” , como aponta o Negócios, e resultam do impacto de medidas políticas. Mas não incluem ainda as medidas que influenciam a receita fiscal.

Em termos de receitas, prevê-se a “poupança com juros pagos pelas Administrações Públicas” e um “ encaixe adicional de IRS  decorrente do aumento do número de funcionários públicos”, como analisa o Negócios.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome