Edição online semanal
 
Domingo 29 de Março de 2020  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

A Agenda Pós-Trump

20-03-2020 - Daron Acemoglu

As apostas nas eleições presidenciais de Novembro nos EUA são altas, dados os danos à América e ao mundo que um segundo mandato de Trump poderia causar. Mas, mesmo que Trump seja derrotado, os americanos devem abordar os problemas mais profundos que tornaram possível sua presidência.

A experiência dos últimos três anos destruiu o mito de que a Constituição dos EUA por si só pode proteger a democracia americana de um presidente narcisista, imprevisível, polarizador e autoritário. Mas os problemas do país não se limitam à ameaça na Casa Branca. Todos os americanos também são responsáveis ​​pela situação actual, porque negligenciamos instituições críticas e ignoramos as intensas fraquezas estruturais que criaram as condições para um demagogo como Trump emergir em primeiro lugar.

Pelo menos três grandes linhas de falha estão na base dos problemas estruturais actuais da América. O primeiro é económico. Nas décadas após a Segunda Guerra Mundial, os Estados Unidos alcançaram não apenas um crescimento rápido, mas também amplamente compartilhado, com salários para a maioria dos trabalhadores acompanhando aumentos de produtividade a uma taxa de cerca de 2% ao ano, em média. Esse crescimento foi impulsionado por instituições do mercado de trabalho, como salários mínimos e sindicatos, e por mudanças tecnológicas que geraram bons empregos (com altos salários e seguros) para a maioria dos trabalhadores dos EUA.

Esses arranjos institucionais começaram a se desfazer nos anos 80. Bons empregos começaram a desaparecer, a desigualdade começou a aumentar, os salários reais medianos (ajustados pela inflação) estagnaram e os salários reais dos trabalhadores de baixa educação começaram a cair. Vários factores levaram a essa reviravolta, incluindo a erosão do salário mínimo federal, novas leis e decisões judiciais que prejudicam as negociações colectivas, mudanças nas normas de fixação de salários, comércio com a China e terceirização e automação.

As importações baratas e as tecnologias de automação reduziram inicialmente o emprego em muitas indústrias leves, como têxteis, vestuário e móveis. Mas com a expansão das tecnologias de robótica, as indústrias pesadas logo se seguiram. Historicamente, o declínio de algumas indústrias foi atingido pela criação de novas que ofereciam bons empregos a pelo menos alguns dos trabalhadores deslocados. Mas esse processo começou a quebrar nos anos 80. Desde então, e especialmente desde cerca de 2000, o ónus da mudança económica caiu cada vez mais nas comunidades de classe média (e geralmente brancas).

A segunda linha de falha é política. O sistema democrático poderia ter dado voz aos americanos economicamente desfavorecidos, fornecendo assim um correctivo às tendências económicas acima mencionadas. Mas o sistema falhou por várias razões, principalmente porque o poder político foi redistribuído para longe dos eleitores da classe média nas últimas décadas.

Muitos atribuem essa mudança ao crescente papel da “política monetária” - contribuições de campanha, lobby tradicional e eliminação de restrições aos gastos políticos corporativos pela notória decisão Citizens United da Suprema Corte em 2010. Mas um factor ainda mais fundamental pode ter sido o ascensão da “política de status”, em que o poder político se acumula desproporcionalmente em elites costeiras bem-educadas e altamente educadas. Empreendedores de tecnologia, magnatas de Wall Street e consultores de administração tornaram-se cada vez mais influentes em Washington, DC, não apenas porque são ricos, mas porque parecem representar competência esclarecida.

Uma terceira linha de falha diz respeito à perda de confiança nas instituições. As instituições americanas e as elites de alto status não apenas falharam em evitar a crise financeira de 2008 e a recessão subsequente; eles eram cúmplices nisso. Quando o acidente ocorreu, milhões de famílias perderam suas casas e meios de subsistência enquanto Wall Street foi socorrida.

Essas são as condições que deram origem a Trump, que ainda pode enfrentar uma onda de desinformação para vencer a reeleição em Novembro, principalmente se a oposição permanecer fracturada. Mas, mesmo que Trump seja derrotado, a tarefa de reformar radicalmente as instituições políticas e económicas dos EUA apenas começará.

Como seria uma agenda eficaz de reforma anti-Trump? Para iniciantes, ele deve incluir um plano para gerar mais bons empregos. Esse objectivo é diferente de simplesmente fortalecer a rede de segurança social (que é necessária, mas insuficiente), e é um mundo à parte dos esquemas diversificados, como uma renda básica universal.

Criar bons empregos requer investimentos crescentes em tecnologias que aumentam a produtividade dos trabalhadores e levam a novas oportunidades de emprego. Também exige instituições mais fortes do mercado de trabalho e protecções para os trabalhadores, incluindo salários mínimos e acordos colectivos que induzem as empresas a construir relacionamentos de longo prazo com seus funcionários, em vez de optar pela automação ou terceirização que substitui a mão-de-obra. Da mesma forma, uma melhor regulamentação e uma aplicação antitruste mais forte reduziriam o poder do mercado de trabalho das grandes corporações e promoveriam mais concorrência e inovação, preparando o cenário para um crescimento mais rápido da demanda de trabalho.

A agenda também deve incluir reformas para dar à maioria dos americanos uma voz política novamente. Na década de 1960, o cientista político Robert A. Dahl concluiu que a maior parte do poder na política local residia não em elites ou partidos políticos de alto status, mas em pessoas comuns que estavam activamente envolvidas em questões locais. Essa descoberta pode nunca ter sido completamente verdadeira (o estudo de Dahl se concentrou em New Haven, Connecticut); mas devemos, no entanto, aspirar à política orientada para os cidadãos.

Aqui, a prioridade deve ser romper as relações acolhedoras entre políticos e seus CEOs, consultores e amigos financeiros. Isso exigirá mudanças sistemáticas na forma como o acesso a políticos e altos funcionários públicos é regulamentado, além de maior transparência em todas as etapas do processo de formulação de políticas. Criar novas agências para representar os interesses do trabalho e de outros grupos eleitorais negligenciados também seria útil.

Finalmente, a agenda deve aumentar a independência da burocracia e do judiciário da América. Por exemplo, as nomeações discricionárias de novas administrações presidenciais podem ser reduzidas para permitir maior continuidade de conhecimentos entre as agências; e comités bipartidários ou não partidários de juízes seniores e juristas poderiam decidir nomeações judiciais. Reforçar a autonomia burocrática e judicial pode parecer uma resposta paradoxal à perda de confiança nas instituições. Mas, para recuperar a confiança do público, as instituições americanas devem funcionar de forma adequada e imparcial, e isso não pode acontecer sem a perícia burocrática e judicial.

Muito está em jogo na próxima eleição. Mas derrotar Trump não é suficiente. Os americanos precisam abordar as causas profundas de sua prosperidade perdida, sinalizando a participação democrática e diminuindo a confiança nas instituições. A maneira de fazer isso não é abraçar a polarização, mas trabalhando em direcção a um pacto social mais amplo e inclusivo.

DARON ACEMOGLU

Daron Acemoglu, Professor de Economia do MIT, é co-autor (com James A. Robinson) de Por que as Nações Falham: As Origens do Poder, da Prosperidade e da Pobreza e do Corredor Estreito: Estados, Sociedades e o Destino da Liberdade.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome