Edição online semanal
 
Domingo 29 de Março de 2020  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Ouvindo a Pandemia

20-03-2020 - Federica Mogherini

A crise do COVID-19 é uma oportunidade de chamar alguns dos erros políticos dos últimos anos pelo nome e ajustar nossa trajectória de acordo com a realidade. A conquista exigirá que as pessoas em todo o mundo - começando com líderes institucionais e políticos, mas, finalmente, todos nós - coloquem a realidade em primeiro lugar.

Há algumas semanas, ninguém teria contestado que a tendência mais relevante e evidente na política global de nossos tempos é "tornar-se nacional". O unilateralismo e a lógica do "jogo da soma zero" pareciam ser o novo normal: "Para eu vencer, preciso que você perca" e "Eu primeiro".

Essas frases pareciam ser a marca registada inequívoca e quase incontestável deste século. Além disso, era uma marca registada que quase não tinha limites em termos de geografia e ideologia: você a encontrava em muitas tonalidades diferentes, mas em todos os continentes, em toda e qualquer orientação política (incluindo muitas variedades de movimentos políticos não rotulados), uma ampla gama de sistemas institucionais e mesmo dentro de algumas organizações internacionais. Essa tendência parecia se consolidar a cada dia, com pouquíssimas vozes tentando defender uma abordagem internacional cooperativa, multilateralismo, soluções ganha-ganha e uma busca por um terreno comum e políticas comunitárias, em vez de uma visão puramente individualista da sociedade.

Hoje, como a pandemia de coronavírus se espalha por todo o mundo, pondo em risco tantas de nossas vidas e abalando as bases do nosso modo de vida quotidiano, precisamos perguntar se esse paradigma provavelmente permanecerá o predominante. A pandemia se fortalecerá ou há lições que aprenderemos?

Um vírus pode desafiar algumas das suposições nas quais o actual cenário político global se baseia? Isso nos fará focar no que realmente importa, no que nos une como humanidade, ou vai alimentar o sentimento de medo e suspeita entre e dentro das comunidades, nos dividindo ainda mais, aumentando o nível de retórica e comportamentos tóxicos que já envenenou nossas sociedades e paralisou parcialmente nossa capacidade colectiva de agir com eficiência? Vamos usar esta crise como uma oportunidade para chamar alguns dos erros dos últimos anos pelo nome e ajustar finalmente nossa trajectória à bússola da realidade? 

Essa pandemia está nos dizendo uma série de coisas altas e claras. Se estamos dispostos a ouvir, esses são alguns muito simples.

Primeiro, a comunidade global existe. O que acontece longe tem um impacto (mesmo vital) aqui e agora. Um espirro em um continente tem repercussões directas em outro. Estamos conectados, somos um. Todas as tentativas de considerar as fronteiras como linhas divisórias e de classificar as pessoas por nacionalidade, etnia, género ou crença religiosa - tudo isso perde sentido ao mesmo tempo, pois nossos corpos são todos igualmente expostos ao vírus, independentemente de quem somos.

Segundo, tenho interesse no bem-estar do meu vizinho. Se meu vizinho tem um problema, também é meu problema. Então, se eu não me importo com o próximo, é melhor me cuidar. Porque em um mundo interconectado como o nosso, a única maneira eficaz de cuidar de si mesmo é cuidar dos outros. Solidariedade é o novo egoísta.

Terceiro, são necessárias soluções coordenadas globais, desesperadamente necessárias, e isso requer um investimento em organizações multilaterais internacionais. Se você acha que pode responder efectivamente a uma crise como essa apenas adoptando medidas nacionais, você faz o que em italiano é chamado de "tentar esvaziar o mar com uma colher": muito trabalho sem resultados.

Para ser eficaz, você precisa de um esforço sistemático e coordenado em nível global, com investimentos colectivos políticos e financeiros adequados no cenário multilateral internacional, necessários para monitorar os desenvolvimentos, responder a eles e impedir que eles piorem ainda mais. Se você desmontar a credibilidade e a capacidade de agir de organizações internacionais, elas serão menos prováveis ​​de serem eficazes quando você precisar delas e será você quem pagará o preço.

Quarto, as decisões políticas baseadas na ciência são o único caminho racional e útil a seguir. A evidência é o único ponto de referência confiável que temos. Felizmente, investimos em ciência há milhares de anos - em todo o mundo, nenhuma civilização excluída e por razões muito sábias. Qualquer distorção das decisões científicas baseadas em evidências, devido a considerações políticas ou económicas de curto prazo, é simplesmente perigosa.

Quinto, a saúde é um bem público.  Não é apenas uma questão privada. É uma questão de segurança nacional - e até internacional - e de prosperidade económica. Como tal, requer investimentos públicos adequados e sustentados, e um senso colectivo de responsabilidade que todo e qualquer cidadão é chamado a exercer. Evitar o contágio não é apenas uma obrigação de salvar vidas para os indivíduos, é também uma contribuição vital para a sobrevivência das comunidades e o funcionamento dos serviços públicos de saúde e, finalmente, do Estado.

Sexto, a economia global precisa que o ser humano se mantenha saudável. O investimento em saúde pública, ciência e pesquisa é um investimento em economias prósperas em todo o mundo. Produção, consumo, comércio e serviços - a base do nosso sistema económico - precisam que as pessoas sejam saudáveis ​​e seguras. É a economia, estúpido!

Sétimo, instituições democráticas que funcionam bem são literalmente vitais para nossas vidas. Tomamos as coisas como garantidas até correr o risco de perdê-las. A maneira pela qual a tomada de decisão funciona (ou não) é o teste final em tempos de crise. Se a democracia for vista como um fardo que diminui ou até impede medidas efectivas e rápidas, o argumento a favor de sistemas de governo mais autoritários se fortalecerá, com todas as implicações negativas que isso teria em nossos direitos e liberdades. Fazer as instituições democráticas funcionarem é um investimento em nossa saúde, nossa segurança e nossas liberdades e direitos.

Por último, mas não menos importante, nada é mais precioso e valioso que a vida. Às vezes esquecemos, especialmente quando é a nossa própria vida em questão. Isso é bom senso - talvez seja hora de voltar ao básico.

Toda crise pode ser usada como uma oportunidade para aprender lições com os erros do passado, ajustar políticas, mudar de rumo e consertar coisas que nem estávamos admitindo que estavam quebradas. Tudo depende do que indivíduos de todo o mundo decidem fazer, começando com aqueles que têm responsabilidades institucionais e políticas. Mas, finalmente, todos nós precisamos decidir. Essa crise será usada para ganhos individuais de curto prazo, com o exercício habitual de bode expiatório, ou será um alerta para a realidade? Não é idealismo, é puro realismo.

FEDERICA MOGHERINI

Federica Mogherini é ex-alta representante da União Europeia para os Negócios Estrangeiros e a Política de Segurança, vice-presidente da Comissão Europeia e ministra italiana das Relações Exteriores e da cooperação internacional.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome