Edição online semanal
 
Sexta-feira 18 de Outubro de 2019  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Capitalismo na sala das ultimas hipóteses

13-09-2019 - Adair Turner

Os que acreditam em uma economia de mercado ficam consternados com vozes radicais argumentando que o capitalismo é incompatível com uma acção climática eficaz. Mas, a menos que os defensores do capitalismo comecem a apoiar metas e políticas mais ambiciosas para alcançar emissões líquidas zero de carbono até meados do século, eles não devem se surpreender se um número crescente de pessoas concordar.

Este ano, as evidências de que o aquecimento global está ocorrendo e de que as consequências para a humanidade podem ser graves e potencialmente catastróficas tornaram-se mais atraentes do que nunca. Registe as temperaturas globais em Junho e Julho.  Ondas de calor sem precedentes na Austrália e na Índia, com temperaturas acima de 50 ° C. Enormes incêndios florestais no norte da Rússia.  Tudo isso nos diz que estamos ficando sem tempo para reduzir as emissões de gases de efeito estufa e conter o aquecimento global a níveis pelo menos controláveis.

A resposta tem aumentado a demanda por acções radicais.  Nos Estados Unidos, os defensores do Green New Deal argumentam que os Estados Unidos deveriam ser uma economia de zero carbono até 2030. No Reino Unido, os activistas do movimento “Rebelião da Extinção” exigem o mesmo até 2025 e interromperam severamente o transporte de Londres através de formas muito eficazes de desobediência civil. E o argumento de que evitar mudanças climáticas catastróficas requer rejeitar o capitalismo está ganhando terreno.

Contra essa crescente onda de radicalismo, empresas, grupos de negócios e outras instituições de estabelecimento exigem cautela e medidas mais medidas. Alcançar zero emissões já em 2030, eles argumentam, seria imensamente caro e exigiria mudanças nos padrões de vida que a maioria das pessoas não aceitará. Dizem que as ações ilegais que perturbam a vida de outras pessoas minarão o apoio popular às medidas necessárias. Um caminho mais acessível e gradual de redução de emissões seria melhor e ainda evitaria uma catástrofe, e os instrumentos de mercado que operam dentro do sistema capitalista poderiam ser poderosos alavancas de mudança.

Esses contra-argumentos são robustos.  Os custos de alcançar uma economia de carbono zero aumentarão drasticamente se tentarmos chegar lá em dez anos, e não 30. A maioria das formas de equipamento de capital naturalmente precisa de substituição dentro de 30 anos, portanto, mudar para novas tecnologias nesse período custaria relativamente pouco, considerando que a mudança ao longo de dez anos exigiria que as empresas baixassem grandes quantidades de activos existentes.

O progresso tecnológico - seja em painéis solares foto voltaicos, baterias, biocombustíveis ou projecto de aeronaves - tornará muito mais barato reduzir as emissões em 15 anos do que hoje. E o motivo do lucro está estimulando os capitalistas de risco a fazer grandes investimentos nas novas tecnologias necessárias para proporcionar uma economia de zero carbono.

Enquanto isso, mecanismos de mercado descentralizados, como o preço do carbono, são essenciais para promover mudanças nos principais sectores industriais, dada a multiplicidade de rotas possíveis para a descarbonização.  O planeamento socialista não será tão eficaz: a Venezuela é um desastre tanto ambiental quanto social.  E existe um risco real de que acções excessivamente rápidas possam alienar o apoio popular.  Afinal, o movimento de  gilets jaunes   (colete amarelo) na França foi provocado por aumentos de impostos projectados para tornar os carros a diesel não económicos, mas foram impostos no momento em que os veículos eléctricos ainda não são baratos o suficiente e não têm o alcance de ser uma alternativa viável por menos pessoas abastadas que vivem fora das grandes cidades.

Mas também é verdade que o sistema capitalista falhou em responder ao desafio das mudanças climáticas com rapidez suficiente; e, de certa forma, o capitalismo impediu uma acção efectiva. Os capitalistas de risco que financiam avanços tecnológicos brilhantes foram acompanhados por grupos de lobby da indústria que argumentam com sucesso contra os regulamentos exigidos ou os impostos sobre o carbono.  Se políticas adequadas tivessem sido adoptadas há 30 anos, estaríamos no caminho de alcançar uma economia de zero carbono a um custo muito baixo.  O facto de não o fazermos é, em parte, culpa do capitalismo.

Ação massivamente acelerada é agora necessária.  Todas as economias desenvolvidas devem se comprometer a alcançar emissões líquidas de carbono zero até 2050. E zero deve significar zero, sem pretensão de que possamos continuar queimando grandes quantidades de combustíveis fósseis no final do século XXI, equilibradas por quantidades igualmente grandes de captura de carbono e armazenamento.

As economias em desenvolvimento devem chegar lá até 2060, o mais tardar. Isso ainda nos deixaria vulneráveis ​​a mudanças climáticas significativas e inevitáveis, mas a ciência climática sugere que seria suficiente para evitar uma catástrofe.  E como a Comissão de Transições de Energia descreveu em seu recente relatório Missão Possível, ainda é possível alcançar esse objectivo a um custo económico relativamente baixo, desde que adoptemos sem demora as políticas necessárias para promover mudanças rápidas.

Os impostos sobre o carbono devem ser introduzidos em um nível suficientemente alto e com aumentos futuros declarados com antecedência, para impulsionar os planos de investimentos de várias décadas necessários para descarbonizar a indústria pesada. As tarifas de carbono devem ser usadas para proteger a indústria de ser prejudicada pelas importações de países que não aplicam preços adequados de carbono. As companhias aéreas devem enfrentar um aumento constante dos preços do carbono ou regulamentações que exijam o uso de uma proporção crescente de combustíveis zero-carbono de fontes claramente sustentáveis, com a percentagem atingindo 100% antes de 2050.

Instrumentos contundentes, porém eficazes - como proibir novas vendas de automóveis com motores de combustão interna a partir de uma data futura específica, como 2030, também devem fazer parte do arsenal de políticas. E os regulamentos devem proibir a colocação de plásticos em aterros e incineração de plásticos, forçando o desenvolvimento de um sistema completo de reciclagem de plásticos.

Nenhuma dessas políticas é anti-capitalista.  Em vez disso, são as políticas que precisamos para liberar o poder do capitalismo para resolver o problema.  Uma vez estabelecidos preços e regulamentos claros, a concorrência no mercado e a motivação do lucro impulsionarão a inovação, e as economias de escala e os efeitos da curva de aprendizado reduzirão os custos das tecnologias de zero carbono.  E se não libertarmos esse poder, quase certamente deixaremos de conter as mudanças climáticas.

Os que acreditam em uma economia de mercado ficam consternados com vozes radicais argumentando que o capitalismo é incompatível com uma acção climática eficaz.  Mas, a menos que os defensores do capitalismo apoiem ​​o estabelecimento imediato de metas e políticas muito mais ambiciosas para atingir emissões líquidas zero até meados do século, elas não devem se surpreender se um número crescente de pessoas acreditar que o capitalismo é o problema e não parte da solução.  Eles terão razão em fazê-lo. 

ADAIR TURNER

Adair Turner, é Presidente da Comissão de Transições de Energia, foi Presidente da Autoridade de Serviços Financeiros do Reino Unido de 2008 a 2012. Seu último livro é Entre Dívida e o Diabo.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome