Edição online semanal
 
Domingo 25 de Agosto de 2019  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Como os populistas da Europa perderam o jogo dos Thrones da EU

02-08-2019 - Slawomir Sierakowski

Nas negociações de liderança da União Europeia neste mês, os governos populistas falharam não apenas em agir como spoilers, mas também em garantir quaisquer concessões. Agora, têm todos os motivos para se preocuparem com a sua responsabilidade pelas violações de rotina do Estado de direito quando os fundos da UE são desembolsados.

A sabedoria convencional sobre a confirmação do presidente eleito da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, pelo Parlamento Europeu este mês é que os populistas da Europa Central e do Leste Europeu a pressionaram. Isso esta errado. Se tais partidos realmente a apoiassem, a margem de vitória de von der Leyen teria sido muito maior, considerando o apoio que ela tinha do Partido Popular Europeu (EPP) de centro-direita e dos liberais no parlamento da UE.

É verdade que eurodeputados populistas do Partido da Lei e da Justiça (PiS) da Polónia e do Fidesz da Hungria opuseram-se firmemente a Frans Timmermans, um socialista holandês que condenou veementemente ambas as partes pelas violações das normas da UE e pelo Estado de direito. Mas também não queriam fortalecer o presidente francês Emmanuel Macron, que apoiava von der Leyen. O resultado ideal para o governante de fato da Polônia, Jarosław Kaczyński, e o primeiro-ministro húngaro, Viktor Orbán, foi a confirmação de von der Leyen pela menor maioria possível. Os eurodeputados populistas parecem ter sido instruídos a dizer que votariam nela sem o fazerem.

Se von der Leyen tivesse perdido, teria sido um amplo retorno à rejeição do candidato do PiS ao vice-presidente do Parlamento Europeu e das duas propostas fracassadas da ex-primeira-ministra Beata Szydło para presidir o Comitê de Emprego do Parlamento. Além disso, foi na mesma época que Krzysztof Szczerski, também apoiado pelo PiS, perdeu sua candidatura para se tornar vice-secretário geral da OTAN.

Mas, como von der Leyen sobreviveu, os populistas estão se gabando de que ela deve seu trabalho a eles, como se eles tivessem algum tipo de acordo tácito com o ex-ministro da Defesa alemão. Isso parece altamente duvidoso, dado que um acordo entre von der Leyen e PiS teria custado a ela o apoio dos socialistas e liberais. Mas agora que os populistas lançaram uma sombra sobre sua liderança, é importante entender o que eles podem querer dela.

A primeira coisa a reconhecer é que os populistas da Europa Central e Oriental - incluindo agora o governo checo - prefeririam prosseguir as negociações intergovernamentais do que trabalhar através da Comissão Europeia. Embora a Comissão geralmente se esforce para apoiar os membros mais fracos da UE, os populistas, por definição, desconfiam das instituições. Eles preferem instalar “as pessoas certas nas posições certas” e depois fazer um acordo com elas.

Na opinião do Visegrád Four (Polônia, Hungria, República Tcheca e Eslováquia), quanto mais fraca a Comissão, melhor. Os governos do V4 estão convencidos de que sempre chegarão a acordos com a Alemanha - com os quais seus países têm laços econômicos e históricos profundos - mais facilmente do que com a UE. SE INSCREVER

Os países de Visegrád nem tentaram se organizar no novo parlamento. Sua abordagem das relações intra-UE não se baseia na construção de alianças ou no desenvolvimento de estratégias de longo prazo, mas no manejo do veto. E, no entanto, enquanto PiS tem a maior delegação parlamentar, com 26 cadeiras, pertence ao grupo marginal Conservadores e Reformistas Europeus. O Fidesz tem 13 lugares, mas faz parte do EPP; e o partido populista checo ANO tem seis eurodeputados, mas senta-se no grupo Renew Europe.

Então, novamente, o V4 sempre funcionou como uma coalizão ad hoc sem uma visão estratégica comum.Desta vez, nem sequer tentou se unir para bloquear qualquer um dos compromissos de liderança. Mas o próximo teste virá com negociações orçamentárias, que é uma área onde o V4 tem sido tradicionalmente capaz de formar um plano e cooperar. Antes de uma negociação orçamental anterior, por exemplo, a Polónia conseguiu assegurar a posição do deputado polaco Janusz Lewandowski como Comissário de Orçamento e Programação Financeira da UE.

O problema desta vez é que os populistas de Visegrád não terão aliados em posições chave. Isto significa que poderão em breve enfrentar um problema: o desembolso de fundos da UE será condicionado ao respeito de um governo beneficiário pelo Estado de direito. Ainda não está claro onde von der Leyen está sobre esta questão. Mas vale a pena lembrar que a condicionalidade é uma ideia alemã e que a Alemanha é a maior fonte de fundos da UE.

Além disso, o próprio V4 está dividido sobre a questão de saber se os fundos da UE devem vir com mais restrições. A Hungria e a Polônia se opõem firmemente à ideia, é claro; mas os checos e os eslovacos permaneceram calados, por medo de serem expulsos da Aliança dos Liberais e Democratas pela Europa ou da Aliança Progressista dos Socialistas e Democratas. Assim, enquanto os governos do V4 podem negociar conjuntamente em projetos locais, os tchecos e os eslovacos provavelmente ficarão mais próximos de aliados maiores.

Para os europeus ocidentais, o fato de a Europa Oriental não ter nada na reforma da liderança é um tanto estranho. Muito provavelmente, a questão da inclusão regional será resolvida tornando-se Laura Codru ț a Kövesi, da Roménia, a chefe do novo Gabinete do Procurador Europeu. Mas isso também representaria outro golpe contra os populistas. Tendo feito um nome para si mesma como cruzada anticorrupção em casa, Codru ț a Kövesi agora tem o apoio de Macron, após a retirada de um candidato francês para o cargo.

No entanto, enquanto von der Leyen é alemão, sua vitória é amplamente vista como um triunfo para a Macron. Nas negociações de liderança, a chanceler alemã, Angela Merkel, não pôde jogar o “cartão da Europa do Leste” e exigir que a Velha Europa ofereça aos novos membros algumas concessões para evitar ofendê-los. Os países do leste da Alemanha ficaram ofendidos por algum tempo.

SŁAWOMIR SIERAKOWSKI

Sławomir Sierakowski, fundador do movimento Krytyka Polityczna, é diretor do Instituto de Estudos Avançados em Varsóvia e membro sênior do Conselho Alemão de Relações Exteriores.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome