Edição online semanal
 
Domingo 25 de Agosto de 2019  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Vitória de Deng Xiaoping

07-06-2019 - Ian Buruma

O que emergiu do massacre de estudantes indefesos e outros cidadãos na Praça Tiananmen, em Pequim, não foi o comunismo, mas uma versão do capitalismo autoritário em grande escala.   É um modelo que atrai autocratas em todo o mundo, inclusive em países que conseguiram se livrar do regime comunista há 30 anos.

O movimento de protesto maciço da China na primavera de 1989, centrado na (mas não confinada a) Praça Tiananmen de Pequim, parece ter sido a revolta anticomunista que fracassou.   Com a brutal repressão e depois de 3 a 4 de junho, a liberdade política estava sendo conquistada na Europa Central - primeiro na Polônia e na Hungria, e depois, na Alemanha Oriental, Tchecoslováquia, Bulgária e, embora violentamente não democraticamente, a Roménia.   Nos dois anos seguintes, a União Soviética, rompida pelas   reformas de Mikhail Gorbachev , finalmente implodiu.

Essas revoluções democráticas seguiram as rebeliões do "Poder do Povo" alguns anos antes no Nordeste e no Sudeste Asiático.Felicidade era estar vivo naqueles dias. Francis Fukuyama não foi o único americano que acreditava que a democracia liberal havia triunfado para sempre.   Não havia alternativa ao que era amplamente visto como uma simbiose natural entre o capitalismo e as sociedades abertas.   Um não poderia existir sem o outro.   Uma vez que as classes médias tivessem sua liberdade econômica, a verdadeira democracia certamente se seguiria.

Tal era o sentido do triunfo liberal pós-Guerra Fria na época em que muitos países ocidentais, especialmente os Estados Unidos, não viam mais razão para conter os espíritos animais de livre iniciativa com muita regulamentação governamental.   Esta foi também a mensagem trazida à Europa pós-comunista por vários evangelistas do neoliberalismo.

China parecia ser o outlier.   Além de remansos como Cuba e Coréia do Norte, apenas o governo comunista prevaleceu.   A China continuou a ser governada pelo Partido Comunista da China.   Mas isso foi realmente uma vitória do comunismo?   De fato, o que emergiu intacto do massacre de estudantes indefesos e outros cidadãos não foi realmente o comunismo, mas a versão do capitalismo autoritário de Deng Xiaoping.

Deng fora elogiado no Ocidente por renunciar a décadas de autarquia maoísta e abrir a China para negócios globais.   Ele desencadeou o empreendimento capitalista com as palavras “Deixe algumas pessoas ficarem ricas primeiro”, uma frase que ganhou força porque “enriquecer é glorioso”. Essa era a ideologia que precisava ser defendida de estudantes protestando contra a corrupção e exigindo reformas políticas.   É por isso que os tanques do Exército Popular de Libertação foram usados para esmagar a revolta.   Foi uma resposta selvagem, mas como disse um dos líderes do Partido   : “Quanto a esse medo de que os estrangeiros parem de investir, não tenho medo.   Os capitalistas estrangeiros estão dispostos a ganhar dinheiro e nunca abandonarão um grande mercado para o mundo como a China. ”

A China nunca olhou para trás (tanto literal quanto figurativamente, porque os eventos de 3 a 4 de junho são inomináveis).   A economia logo se adiantou.   E as classes urbanas educadas, das quais a maioria dos manifestantes estudantis em 1989 saltou, se beneficiaram enormemente.   Foram oferecidos mais ou menos o mesmo negócio que os cidadãos de Singapura, ou mesmo o Japão, em melhor situação, embora nenhum desses países seja ditadura: fique fora da política, não questione a autoridade do estado de partido único e vamos criar as condições para você ficar rico.

Mesmo jovens chineses educados agora têm pouco ou nenhum conhecimento do que aconteceu há 30 anos.   E quando o fazem, costumam reagir a estrangeiros que abordam o assunto com nacionalismo espinhoso, como se falar sobre isso fosse um sinal de animus anti-chinês.   Suspeita-se que essa atitude defensiva pode ser o resultado de uma consciência levemente culpada: muitas pessoas se beneficiaram de um acordo miserável.

Em 2001, um ano depois que Vladimir Putin chegou ao poder na Rússia, viajei de Pequim para Moscou e escrevi um artigo comparando a Rússia favoravelmente à China.   Presumi que a Rússia estava a caminho de se tornar uma democracia aberta.Eu estava errado.   De fato, a Rússia se tornou mais parecida com a China de Deng Xiaoping, embora seja uma versão menos bem-sucedida.   Algumas pessoas tornaram-se imensamente ricas.Partes de Moscou dão a impressão de uma nova era dourada.

Algo semelhante aconteceu nos países da Europa Central.   O primeiro-ministro da Hungria, Viktor Orbán, tem sido o ideólogo mais vociferante da "democracia não-liberal", um sistema opressivo de governo de partido único no qual o capitalismo ainda pode prosperar.   Parece que os demagogos populistas de direita da Europa Ocidental, e até os EUA, gostariam de seguir este exemplo.   Como Donald Trump, todos eles são admiradores mais ou menos sem reservas de Putin.

Claro que não era assim que deveria acontecer.   A suposição era forte demais, especialmente na América, mas também na maioria dos outros países ocidentais, de que a democracia liberal e o capitalismo eram inseparáveis.Agora sabemos que isso não é verdade.   É perfeitamente possível ser um empreendedor rico, ou mesmo apenas um consumidor abastado da classe média, num estado de partido único onde as liberdades políticas básicas são sufocadas.

Nós deveríamos realmente ter sabido disso o tempo todo.   Cingapura ofereceu um exemplo perfeito de capitalismo autoritário.   Foi descartado, porque Cingapura era muito pequena, ou porque os “asiáticos” não estavam interessados em democracia, já que os governantes de Cingapura nunca deixaram de apontar.   O movimento de protesto chinês em 1989 provou que esse não era o caso.   Reformas democráticas que garantiriam a liberdade de expressão e reunião eram de grande interesse para os estudantes da Praça Tiananmen.

O que aconteceu na China depois que os protestos foram esmagados aponta para outra verdade.   China não foi um outlier em 1989 em tudo.   O capitalismo iliberal surgiu desde então como um modelo atraente para os autocratas em todo o mundo, inclusive em países que conseguiram derrubar o regime comunista 30 anos atrás.   Os chineses chegaram primeiro.

IAN BURUMA

Ian Buruma é o autor de inúmeros livros, incluindo Murder in Amsterdam: A morte de Theo Van Gogh e os limites da tolerância Ano Zero: Uma História de 1945 e, mais recentemente, A Tokyo Romance.

 

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome