Edição online semanal
 
Quarta-feira 19 de Junho de 2019  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

A Guerra Comercial de Trump com a China é um Conflito Civilizacional?

17-05-2019 - Minxin Pei

Comentários recentes de um alto funcionário do governo Trump sugerem que a atual abordagem dos Estados Unidos à China é perigosamente mal concebida.   A ascensão da China sob uma ditadura de partido único deve ser enfrentada com uma frente unida em defesa da ordem liberal, não falando de um choque de civilizações caucasianas e não-caucasianas.

No mês passado, em um fórum de segurança em Washington, Kiron Skinner, Diretor de Planeamento de Políticas do Departamento de Estado dos Estados Unidos, descreveu o conflito EUA-China como “uma luta com uma civilização realmente diferente e uma ideologia diferente”. e os Estados Unidos não tiveram isso antes. ”Como um balão de ensaio, essa aparente tentativa de definir o confronto do governo Trump com a China não voou.

Ao enquadrar a guerra fria entre os EUA e a China como um choque de civilizações, Skinner - cuja posição já foi detida por luminares como George Kennan, Paul Nitze, Richard N. Haass e Anne-Marie Slaughter - não era nem original nem preciso.   O cientista político Samuel P. Huntington desenvolveu o conceito há mais de um quarto de século, e o próprio Partido Comunista da China é uma entidade ideologicamente falida.

Pior, as observações completas de Skinner foram carregadas de conotação racial.   Ao contrário da concorrência dos Estados Unidos com a União Soviética, que ela descreveu como "uma luta dentro da família ocidental", a rivalidade com a China supostamente representa "a primeira vez que teremos uma grande potência competitiva que não seja caucasiana". Os EUA lutaram contra o Japão na Segunda Guerra Mundial.

Espera-se que a conversa de Skinner sobre um choque entre civilizações caucasianas e não-caucasianas tenha sido apenas um lapso da língua.   Aqueles que traficassem intencionalmente tais ideias devem saber que poderiam levar não apenas à derrota econômica ou militar de um lado, mas à destruição de toda uma sociedade. Como os formuladores de políticas emolduram o conflito EUA-China terá implicações de longo alcance, e os EUA devem demonstrar que suas políticas são motivadas por um propósito moral mais elevado, se quiserem obter apoio internacional mais amplo.

A maioria dos comentaristas vê o conflito EUA-China como uma luta entre um poder incumbente e seu mais plausível desafiante.   Os dois países parecem estar caindo no proverbial "Thucydides Trap", uma profecia auto realizável em que o medo de ser dominado por uma hegemonia o leva a agir de modo a precipitar uma guerra pelo domínio global.

E, no entanto, mesmo que o conflito de hoje seja impulsionado por uma busca de poder de soma zero, essa não deve ser a única consideração dos EUA.   Dada a ameaça do colapso civilizacional imposto pela mudança climática, o foco do governo Trump apenas nos interesses dos EUA parece egoísta e irresponsável para o resto do mundo.

O fato é que a maior parte do mundo - incluindo uma parcela considerável de americanos - não tem interesse em mergulhar em outra guerra fria apenas para preservar a hegemonia dos EUA.   Se o governo dos EUA quiser angariar apoio internacional para combater o poder e a influência chineses, deve apresentar um argumento mais convincente.

Isso não deve ser tão difícil, dado que a ascensão da China sob uma ditadura de partido único ameaça não apenas a hegemonia americana, mas a ordem internacional baseada em regras.   Em vez de enquadrar o conflito como uma guerra racial, os EUA deveriam se concentrar na ameaça chinesa às instituições globais, o que, por extensão, é uma ameaça ao crescimento e à estabilidade de muitos outros países. 1

Quais queres que sejam suas falhas, o pedido internacional liderado pelos EUA oferece muito mais benefícios para outros países do que qualquer sistema alternativo concebível.   De fato, durante a Guerra Fria com a União Soviética, os EUA desfrutaram de amplo apoio internacional precisamente porque lideravam uma defesa dessa ordem.   E desde o fim desse conflito, a maior parte do mundo acolheu ou aceitou a hegemonia americana, no entendimento tácito de que os EUA continuariam a defender a estrutura liberal.

Infelizmente, essa condição não se sustenta mais.   O governo do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, defendeu descaradamente uma agenda de política externa “americana em primeiro lugar”, alienando aliados tradicionais e alarmando o resto do mundo em prol de objetivos políticos estreitos.   Não é exagero dizer que as políticas equivocadas de Trump representam uma ameaça tão grande à ordem liberal quanto a China.

A administração Trump pode continuar a acreditar que o poder dos EUA por si só é suficiente para derrotar a China.   Mas ir sozinho vai custar caro, e as chances de sucesso seriam muito maiores se os EUA mobilizassem o apoio de seus amigos e aliados.

O último fracasso em chegar a um acordo comercial sugere que a guerra fria EUA-China está subindo para o próximo estágio.   Mais cedo ou mais tarde, a administração Trump perceberá que precisa do apoio de seus aliados para prevalecer contra os chineses.   Quando esse dia chegar, seria melhor abandonar a conversa sobre conflito civilizacional e rivalidade racial e, em vez disso, oferecer um argumento moralmente justificável para confrontar a China.   Os EUA são o defensor tradicional da ordem liberal;   precisa começar a agir assim.

MINXIN PEI

Minxin Pei, professor de governança do Claremont McKenna College e autor do China’s Crony Capitalism, é o presidente da Biblioteca do Congresso nas Relações EUA-China.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome