Edição online semanal
 
Segunda-feira 20 de Maio de 2019  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

O valor das notícias falsas

10-05-2019 - Josh Friedman

Numa viagem à Etiópia, na década de 1990, encontrei-me com o primeiro-ministro, Meles Zenawi, para tentar persuadi-lo a deixar de encarcerar jornalistas. Alguns anos antes, os guerrilheiros de Meles derrubaram uma ditadura repressiva apoiada pelos soviéticos e desde então houve uma explosão de pequenos jornais exuberantes e às vezes imprevisíveis, muitos deles a atacar Meles. E por isso ele reprimiu, introduziu leis que criminalizavam aquilo que ele considerava “insultos” ao governo, e multou e aprisionou jornalistas por imprecisões. A Etiópia rapidamente tornou-se um dos principais carcereiros de jornalistas do mundo

Agora, com um novo primeiro-ministro reformista, Abiy Ahmed, no cargo há apenas um ano, a Etiópia fez tantos progressos na libertação de jornalistas presos e no controlo da imprensa que acolhe o   Dia Mundial da Liberdade de Imprensa.

Mas não vamos celebrar ainda. Algumas vozes da imprensa recém-libertada estão a publicar histórias que por vezes são imprecisas - que estimulam inimizades étnicas e tribais e atacam Abiy. Com as primeiras eleições livres, num espaço de 15 anos, a terem lugar no próximo ano, ele está na mesma posição que Meles estava e está a considerar recuperar alguns dos controlos de imprensa que tinha cancelado.

Antes de fazê-lo, ele deve examinar de forma demorada e crítica a repressão de Meles e a lição que se retira dela: os jornalistas são irreprimíveis e controlá-los não leva a nada a longo prazo. Na verdade, apenas atrasa o desenvolvimento de uma comunicação social mais profissional.

Meles deu uma explicação simples para as ações do seu governo. Ele disse-me:   “Os nossos jornalistas não são profissionais como os dos Estados Unidos e da Europa Ocidental” .   “Eles não sabem como comunicar as notícias com precisão. Temos de lhes definir diretrizes até aprenderem como fazer o seu trabalho” . Se ele hoje fosse vivo, Meles provavelmente estaria a protestar contra as   “notícias falsas” .

Ao longo de mais de três décadas de luta por uma imprensa mundial livre e como presidente do Comité para a Proteção dos Jornalistas, ouvi muitas vezes argumentos como o de Meles. Os dirigentes nas democracias emergentes insistem com frequência que os jornalistas devem ser pressionados pelo Estado até serem capazes de realizar o seu trabalho com responsabilidade. Mas em vez de acelerar o desenvolvimento de uma imprensa livre e credível, esta estratégia acaba por impedi-la.

Após o meu encontro com Meles, comecei a procurar evidências históricas para a sua afirmação de que o jornalismo profissional insuficiente justificava a supressão da imprensa; dessa forma, eu poderia contrariar o seu argumento na minha próxima viagem. Encontrei um precedente no início da história dos EUA. De facto, as palavras de Meles eram estranhamente semelhantes aos argumentos feitos no século XVIII pelo presidente americano, John Adams, e os seus federalistas, que denunciaram uma imprensa livre e entusiástica que divulgou críticas - precisas e imprecisas - dos políticos do novo país.

Argumentando que uma imprensa desenfreada ameaçava o futuro dos Estados Unidos, Adams conseguiu temporariamente asfixiar os jornalistas em 1798, quando assinou os Alien and Sedition Acts, que autorizavam a prisão de e multas a jornalistas que   “escrevessem, imprimissem, proferissem ou publicassem qualquer escrita falsa, escandalosa e maliciosa”   contra o governo. Vinte editores de jornais foram presos posteriormente.

Mas Thomas Jefferson e os seus republicanos democratas viraram-se contra os federalistas, tanto no Congresso como nos tribunais. E, felizmente para os jornalistas norte-americanos, Jefferson foi eleito presidente em 1800. No espaço de dois anos, as leis estrangeiras e de sedição expiraram ou foram revogadas. Isso abriu o caminho para a imprensa americana fazer experiências, desenvolvendo deste modo – durante mais de dois séculos –uma cultura de comunicação profunda e precisa, incluindo verificações consistentes de factos.

Não há atalhos para uma imprensa livre e vibrante; demora um longo período de tentativas e erros para que as normas e instituições do jornalismo profissional se desenvolvam. Os políticos devem confiar no processo - e manter a capacidade de ignorar ataques verbais e críticas de terceiros. Embora as leis repressivas sobre os meios de comunicação possam beneficiar os líderes a curto prazo, elas acabam por dificultar o desenvolvimento da imprensa de um país.

Há provas quantitativas desse efeito. Quando a Revolução Francesa começou em 1789, as restrições à imprensa foram levantadas. Quatro anos depois, havia mais de 400 jornais no país, inclusive 150 só em Paris. Em 1799, esse número tinha subido para 1300 jornais em todo o país. Eram 1300 locais para aspirantes a jornalista aprenderem e aperfeiçoarem a sua arte.

Mas a revolução tomou um rumo repressivo. Na altura em que Napoleão Bonaparte assumiu o poder em 1799, o número de jornais em Paris tinha caído para 72. Ele logo reduziu esse número para 13 e depois, em 1811, para quatro.

Da mesma forma, após o colapso da União Soviética, a comunicação social de todos os tipos floresceu. Mas alguns dos estados sucessores independentes abraçaram a ideia de que as   “diretrizes”   da comunicação social eram necessárias. Muitos promulgaram leis que foram anunciadas como garantia de uma imprensa livre, mas que foram usadas para penalizar jornalistas por reportagens críticas e agressivas. A calúnia foi criminalizada. Foram impostas enormes multas a publicações independentes, radiodifusores ebloggers.

A China e Turquia - dois países carcereiros de jornalistas de nível olímpico - aumentaram a sua repressão nos últimos anos. Só no mês passado, o presidente russo, Vladimir Putin,   assinou novas leis   a autorizar a punição de indivíduos e da comunicação social   online   que espalhem as chamadas notícias falsas e informações que   “desrespeitam”   o Estado.

O presidente dos EUA, Donald Trump, está a tentar seguir o mesmo caminho. A sua constante estigmatização dos jornalistas como   “mentirosos”   e   “inimigos do povo”   ecoa o rótulo preferido dos nazistas para a comunicação social:Lügenpresse   (imprensa mentirosa).

Mesmo na União Europeia, os jornalistas ainda são presos por difamação criminal e insultos ao governo, de acordo com um   estudo   do Instituto Internacional de Imprensa (IPI), de 2014.   “A grande maioria dos estados da UE mantém cláusulas de difamação criminal que apresentam a prisão como uma possível punição   ” , descobriu o IPI.   “As acusações continuam a ser realizadas e os jornalistas continuam a ser condenados a punições criminais” .

Permitir que a imprensa faça experiências, cometa erros e aprenda com eles tem sido crucial para o sucesso das democracias em todo o mundo. É por isso que os governos e as sociedades civis precisam de estar vigilantes no apoio a uma imprensa livre, mesmo - ou principalmente - se ela ainda estiver a desenvolver-se.

JOSH FRIEDMAN

Josh Friedman, jornalista vencedor do Prémio Pulitzer, foi presidente do Comité para a Proteção dos Jornalistas e Director de Programas Internacionais da Escola de Pós-Graduação em Jornalismo da Universidade de Columbia. Ele agora preside ao conselho consultivo do Logan Nonfiction Programme, participa do conselho consultivo do Dart Center de Jornalismo e Trauma e actua como vice-presidente do Instituto Carey para o Bem-Estar Global.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome