Edição online semanal
 
Segunda-feira 20 de Maio de 2019  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

A memória seletiva da China

10-05-2019 - Denise Y. Ho

Este é um grande ano para aniversários na China. No dia 4 de maio, a República Popular irá comemorar o centenário do Movimento Quatro de Maio, os protestos liderados por estudantes em frente ao Portão de Tiananmen, em Pequim, em 1919, que marcaram o nascimento do nacionalismo chinês. E logo a seguir, um mês depois, no dia 4 de junho, chegará o 30.º aniversário da violenta repressão dos protestos estudantis pró-democracia no mesmo local. Este marco, em contrapartida, não será oficialmente reconhecido, muito menos comemorado na China.

As manifestações de 1919 estão imortalizadas em pedra no Monumento aos Heróis do Povo na Praça Tiananmen. Referindo-se aos mesmos ideais da ciência e da democracia, os manifestantes em 1989 também se apresentaram como leais à nação. Mas o movimento de 1989 terminou em algo que é conhecido fora da China como o massacre da Praça Tiananmen e dentro da China como o   “incidente Tiananmen” . Os eventos ocorridos há três décadas são um assunto tabu na China, eliminados da Internet pelas autoridades e amplamente desconhecidos da geração mais jovem do país.

O facto de o estado chinês reivindicar o manto de 4 de maio ao mesmo tempo que reprime a memória de 4 de junho é uma contradição persistente. Os estudantes de 1919 são celebrados como patriotas sinceros, em conformidade com uma longa tradição chinesa que coloca o intelectual num papel de responsabilidade social. O académico ideal dos tempos imperiais corria grandes riscos para dizer a verdade ao poder, a fim de expor a corrupção oficial e estimular a reforma.

Os estudantes universitários herdaram esse legado no início do século XX. Na verdade, o Partido Comunista da China (PCC) tem as suas raízes no Movimento Quatro de Maio: periódicos estudantis propagam ideias marxistas, foi fundado um grupo de estudo marxista na Universidade de Pequim e o próprio Mao Zedong abraçou o marxismo-leninismo quando era estudante universitário e simultaneamente trabalhava na biblioteca.

Como o Quatro de Maio tem uma ressonância ampla e popular na China, os manifestantes estudantis de 1989 - com cabelos compridos e calças de ganga em vez de vestidos compridos e saias plissadas - referiram-se conscientemente a esse evento. E, à semelhança dos seus antecessores, eles enfatizaram o seu patriotismo, destacando a corrupção oficial e as desigualdades económicas que resultaram das reformas económicas pós-Mao.

No entanto, o estado chinês classificou o protesto de 1989 em Tiananmen como um   “motim contrarrevolucionário”   e culpou meia dúzia de conspiradores por enganarem as pessoas. Apesar da atenção do mundo, o movimento terminou numa repressão, seguida pelo silêncio oficial e uma amnésia pública que se aprofunda ano após ano.

O aniversário de 4 de junho, contudo, permanece politicamente sensível e o estado chinês fica sempre em alerta máximo no período que antecede o dia. Num evento que se tornou um ritual anual, os jornalistas estrangeiros na China estão impedidos de fazer a cobertura do aniversário - tal como Louisa Lim, ex-correspondente da BBC e da Rádio Pública Nacional em Pequimsalientou.

Desde 1989, o PCC fez todos os esforços para vincular os jovens ao estado chinês e às suas prioridades. As crianças têm aulas de “educação patriótica” , a fidelidade é cultivada através dos Jovens Pioneiros e da Liga da Juventude Comunista, e as universidades desenvolveram sistemas elaborados para se protegerem contra o desvio político e recompensarem a lealdade política com empregos. Em grande medida, esses esforços tornaram a juventude chinesa apolítica. O legado do Quatro de Maio foi efetivamente dividido, com o patriotismo separado dos protestos.

Mas o estado não conseguiu cooptar totalmente os estudantes da China. Em 2018, os estudantes que apoiam a própria ideologia marxista do PCC tornaram-se a última geração de manifestantes a entrar em conflito com as autoridades. No verão passado, grupos começaram a organizar operários fabris no sul da China, chamando a atenção para os abusos e ajudando os trabalhadores a formar um sindicato independente. Apresentando-se como leais ao presidente chinês, Xi Jinping, os estudantes lançaram campanhas no terreno e nos seus   campi   universitários.

O estado deteve dezenas deles. Há vídeos que   mostram   funcionários da Universidade de Pequim a tentar barrar organizações estudantis e testemunhas   confirmaram   o desaparecimento de líderes estudantis marxistas nas mãos de polícias à paisana.

A ironia é que a China está a reprimir estudantes esquerdistas cujas palavras e ações incorporam os ideais originais do PCC. À semelhança dos primeiros líderes do partido, incluindo Mao, eles defendem os trabalhadores explorados e tentam organizá-los, às vezes até envolvendo-se no trabalho fabril. Tal como as aulas sobre o marxismo e os escritos de Mao lhes ensinaram, eles investigam as condições sociais e questionam as profundas desigualdades na China. E, tal como os seus antepassados do Quatro de Maio, os jovens marxistas de hoje veem-se a si mesmos como estudantes leais que dizem a verdade ao poder.

Os aniversários deste ano dos movimentos de 1919 e 1989 terão, portanto, um peso especial.

O legado do Quatro de Maio é de patriotismo e de esclarecimento. Nascido dessas alegações, o Tiananmen em 1989 terminou em violência e silêncio. Os observadores estrangeiros sem dúvida irão apontar as atitudes contraditórias das autoridades chinesas em relação a 4 de maio e 4 de junho, e concluirão que a China agora tem o poder de moldar a sua própria narrativa histórica.

Mas o caso dos estudantes marxistas, no ano passado, destacou o permanente potencial de uma oposição leal. Uma vez que a República Popular olha em frente para o 70.º aniversário da sua fundação, no próximo mês de outubro, tem de continuar a contar com a sua própria história.

DENISE Y. HO

Denise Y. Ho, professora de história na Universidade de Yale, é autora de Curating Revolution: Politics on Display na China de Mao.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome