Edição online semanal
 
Segunda-feira 20 de Maio de 2019  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Pode a crise vinda do Sahel ser evitada?

03-05-2019 - Tony Blair

O Sahel é um barril de pólvora e um pavio iluminado pelo extremismo está queimando a um ritmo acelerado. Os líderes mundiais devem se concentrar o tempo suficiente para conceber o plano certo e criar o mecanismo correto para implementá-lo.

Algumas crises nos pegam de surpresa. Eles parecem surgir do nada, de repente criando convulsão e uma luta desesperada para responder. Outras crises são manifestas, mas não há um único ponto de erupção. Os fatores que os alimentam se intensificam até o momento em que percebemos - tarde demais - a gravidade e a urgência da situação.

O Sahel e a região mais ampla do norte da África Subsaariana é uma crise deste último tipo.   Nós sabemos o que está por vir.   Os sinais de aviso estão todos lá.   A evidência é coletada.   A comunidade internacional reconheceu a necessidade de enfrentar o problema.   Mas, apesar de nossos esforços, é óbvio que precisamos fazer mais.

Se e quando a erupção vier - como certamente deve acontecer sem uma mudança de política - as conseqüências incluirão novas ondas de extremismo e migração, afetando a Europa e se espalhando para os Estados Unidos e a Arábia.   Essas ondas poderiam ser ainda maiores do que as do Oriente Médio, na esteira da guerra civil da Síria e do colapso da Primavera Árabe.

Os cinco países geralmente incluídos no Sahel - Mauritânia, Mali, Burkina Faso, Níger e Chade - fazem parte de uma área geográfica mais ampla que se estende por toda a África, da costa atlântica no oeste ao norte da Nigéria até o Sudão no leste.   A população do Sahel 5, atualmente em cerca de 80 milhões, é o que mais cresce em qualquer grupo de países do mundo.   Estima-se que até 2030 a população do Níger suba de mais de 21 milhões hoje para 35 milhões;   O Burkina Faso terá 27 milhões, acima dos 19 milhões de hoje.

A pobreza na região é crônica, e a mudança climática está aumentando isso.A capacidade de governança é fraca.   Os desafios do desenvolvimento são enormes.   Como resultado, a radicalização e o extremismo estão em marcha.Apenas nos últimos seis meses, os ataques terroristas em Mali, Burkina Faso e Níger mataram cerca de 5.000 pessoas em 1.200 incidentes, um aumento significativo no ano anterior.

Seria injusto dizer que a comunidade internacional ignorou a questão ou não entendeu sua importância.   Como os problemas da região cresceram nos últimos anos, houve intervenções militares, não menos pela França.   Os países do Sahel criaram o seu próprio órgão de coordenação, o G5 Sahel.   E a comunidade internacional criou a Aliança do Sahel, que reúne os principais atores e doadores, com a participação dos principais países europeus e dos Estados Unidos.

O Sahel é uma faixa com largura de 500 a 700 km que se estende por oito países, dividindo o deserto do Saara, ao Norte, das savanas, ao Sul. Com clima semiárido, a região é muito seca. Mesmo em anos normais, as precipitações não passam de 150 e 200 mm anuais. O Sahel tem sido palco de longos períodos de seca. Uma das piores ocorreu entre 1968- 1974 agravaram a fome nos países da região.

 

Mas a verdade contundente é que a situação está se deteriorando, apesar do amplo reconhecimento do perigo crescente.   É verdade que países individuais estão intensificando seus esforços de assistência.   Mas lidar com essa crise requer um esforço abrangente e totalmente coordenado.   Atualmente, as discussões são coordenadas em vários fóruns, mas as iniciativas permanecem muito  ad hoc  - dignas em si mesmas, mas abaixo do ideal no impacto, a menos que sejam reunidas como parte de uma estratégia coerente.

O que eu aprendi com o tempo sobre tais situações é que o determinante crucial de se elas podem ser dominadas é a largura de banda de foco entre os jogadores críticos.   Essa largura de banda é encontrada quando a crise é esmagadora.Mas raramente existe quando a crise ainda pode ser evitada.

Naturalmente, partes da comunidade internacional estão respondendo como deveriam.   O presidente francês, Emmanuel Macron, e a chanceler alemã, Angela Merkel, comprometeram-se a agir, e o secretário-geral das Nações Unidas, António Guterres, está altamente concentrado.   Mas muitos dos principais jogadores estão perdidos em distração.   A Grã-Bretanha é cercada pelo Brexit, Europa por uma miríade de debates internos, e os EUA por sua política.

E os países do Sahel, apesar dos enormes esforços, não podem evitar a crise futura por conta própria.   Quando visitei Ouagadougou, a capital de Burkina Faso, a natureza valente do combate do governo à ameaça de segurança era clara, mas não havia como ocultar a natureza monumental do desafio que ela enfrenta.

Minha organização, o Instituto para a Mudança Global, trabalha na entrega de programas em muitos dos países próximos ao Sahel.   Em praticamente todas as minhas conversas com os líderes desses países, a ansiedade sobre o que está acontecendo agora é mais importante.

Dois passos imediatos são urgentemente necessários.

Primeiro, uma reunião internacional de alto nível dos países da Aliança do Sahel, juntamente com outras partes interessadas, como os estados do Golfo e instituições multilaterais, deve gerar compromissos e compromissos de apoio que sejam devidamente integrados em um plano abrangente para a região.Cada aspecto - desenvolvimento, governança, infraestrutura, investimento, contra-extremismo e segurança - deve ser direcionado, com os países trabalhando juntos e não replicando os esforços uns dos outros.   Nenhum doador desistirá do controle de suas contribuições, mas as contribuições de todos devem ser estrategicamente alinhadas.

Em segundo lugar, em troca de tal apoio, os próprios países do Sahel devem comprometer-se com as reformas e medidas necessárias para que o apoio seja eficaz.   Em outras palavras, evitar uma crise requer uma parceria genuína na qual ambos os lados tenham responsabilidades centrais, bem como um mecanismo apropriado para acompanhamento e implementação.

Não deveríamos ter dúvidas sobre o que provavelmente acontecerá se falharmos em agir.   O Sahel é um barril de pólvora e um pavio iluminado pelo extremismo está queimando a um ritmo acelerado.   Os líderes mundiais devem se concentrar o tempo suficiente para conceber o plano certo e criar o mecanismo correto para implementá-lo.   Seria um uso de precaução muito sensata da largura de banda.

TONY BLAIR

Tony Blair, primeiro-ministro do Reino Unido de 1997 a 2007, é presidente do Institute for Global Change.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome