Edição online semanal
 
Sexta-feira 26 de Abril de 2019  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

A revolta contra a virtude

12-04-2019 - Ian Buruma

A suposição de virtude entre aqueles que se consideram progressistas pode ajudar a explicar a popularidade dos agitadores de direita, bem como a ligação entre o sentimento anti-imigrante e a negação da mudança climática. Qualquer coisa, parece, é melhor do que admitir que os especialistas estão certos.

Uma explicação comum para o surgimento de demagogos de direita em todo o mundo é que muitas pessoas se sentem “deixadas para trás” pelo globalismo, tecnologia, desindustrialização, instituições pan-nacionais e assim por diante. Eles se sentem abandonados pelas “elites liberais” e, assim, votam em extremistas que prometem “retomar” seus países e “torná-los grandes” novamente.

Esse relato é plausível em partes obscuras do leste da Alemanha, nas sombrias cidades antigas de mineração no norte da Grã-Bretanha, ou no Cinturão da Ferrugem no meio-oeste norte-americano.   Mas deixa de fora o grande número de eleitores populistas que são relativamente prósperos.   Essas pessoas geralmente passam da meia-idade e são esmagadoramente brancas.   Eles também podem se sentir deixados para trás por mudanças que os confundem: o surgimento de potências não-ocidentais e a crescente proeminência de minorias não-brancas;daí a aversão do presidente dos EUA, Barack Obama, e a receptividade aos mitos - difundida por Trump, entre outros - de que Obama não nasceu realmente nos EUA. 

Mais difícil de explicar é o extraordinário sucesso de uma nova festa de extrema-direita nos Países Baixos.   O   Fórum para a Democracia   (FvD) não existia há três anos, mas ganhou cerca de 15% dos votos nas recentes eleições provinciais, tornando-se uma das maiores facções da câmara alta.   Pesquisas sugerem que em breve poderá se tornar a maior festa do país.

Em comparação com a maioria dos lugares, mesmo na Europa Ocidental, a Holanda é extremamente rica e, na maior parte, bastante calma e pacífica.   Algumas pessoas que votaram no FvD podem se sentir relativamente deixadas para trás, mas muitas são tão confortáveis quanto o líder educado e educado do partido, Thierry Baudet.   Nem ele, nem muitos de seus seguidores mais vocais, são provincianos descontentes.   Muitos se parecem com o que os americanos chamam de garotos típicos de fraternidade, membros de fraternidades estudantis que celebram os privilégios de riqueza e status.

Mas Baudet é um tipo de político visto com mais frequência na Europa do que nos Estados Unidos: um dândi de direita, vestido de maneira foda de um negociante de carros antigos.   Seu pensamento se apóia fortemente em ideólogos do início do século XX, que se preocupavam com a decadência da civilização ocidental, que, em sua opinião, só poderia ser salva por uma liderança autoritária.   Como Mussolini, Baudet acredita na “democracia direta”, onde a voz do povo é expressa em referendos.

Em sua opinião, os imigrantes, especialmente os muçulmanos, diluem a pureza das populações nativas e enfraquecem as culturas ocidentais com seus modos alienígenas.   Ele acha que a civilização europeia é igualmente ameaçada por “marxistas culturais”, que deveriam ser expurgados das escolas e instituições nacionais.   Baudet deseja salvaguardar a identidade nacional retirando os Países Baixos da União Europeia.   E, como Trump, a quem ele admira, Baudet acha que a mudança climática é uma farsa.

Por que isso deveria atrair tantas pessoas em um país tão estável e próspero?   E por que os políticos que se preocupam com os imigrantes e o declínio nacional quase automaticamente assumem que a mudança climática não é um problema?   Eu encontrei uma resposta possível, não em Amsterdão, mas em Londres, onde marchei algumas semanas atrás com centenas de milhares de cidadãos britânicos em protesto contra o Brexit.

A multidão era totalmente civilizada, quase gentil até, e exalava uma espécie de virtuosidade.   Havia uma suposição de que os brexistas não eram apenas errados, mas fanáticos e xenófobos.Isso pode ser verdade para muitos brexistas e, especialmente, para algumas de suas lideres de torcida oficiais mais fortes.Meus sentimentos eram inteiramente com os manifestantes.   Mas a suposição de virtude entre aqueles que se consideram progressistas pode ajudar a explicar a popularidade dos agitadores de direita, bem como a ligação entre o sentimento anti-imigrante e a negação da mudança climática.

Partidos de centro-esquerda usados para representar os interesses econômicos da classe trabalhadora industrial.   O foco começou a mudar nas últimas décadas do século XX, quando raça, gênero e ecologia se tornaram preocupações mais importantes da esquerda.   O anti-racismo, a igualdade de direitos para as mulheres e as minorias sexuais, bem como a saúde do planeta - todos objetivos valiosos - injetaram um forte sentido de virtuosidade na política progressista.   Sabíamos o que era melhor para as pessoas, e aqueles que se opunham a nós eram estúpidos ou perversos.

Essa atitude pode ser difícil de tolerar, especialmente quando acompanhada de privilégios sociais e educacionais, o que geralmente é.   A Holanda tem uma longa tradição de governo virtuoso.   Você pode vê-lo em retratos de Frans Hals, de donos holandeses do século XVII, vestidos com roupas pretas sóbrias, mas caras.   Essas figuras, que na verdade eram muitas vezes inspiradas por motivos nobres, acreditavam firmemente que sua virtude protestante inata lhes dava o direito de governar.

Algo desta tradição sobreviveu na Holanda por um longo tempo.   Os partidos liberal e social-democrata, em particular, diriam às pessoas que os bons cidadãos deveriam acreditar na integração europeia, acolher “trabalhadores convidados” e refugiados, comer e beber de forma saudável e fazer todo o possível para mitigar os danos das mudanças climáticas.

A reação a esse tipo de paternalismo, sensato e bem-intencionado como costumava ser, veio na forma de populismo petulante.   Como uma criança que se recusa a comer seu espinafre, só porque sua mãe afirma que é bom para ele, os defensores de Trump, Brexiteers ou Baudet querem dar o dedo à política da virtude.   É por isso que Nigel Farage, o principal promotor do Brexit, gosta de ser fotografado com um copo cheio de cerveja e um cigarro fumegante: se a elite virtuosa quer que bebamos menos e paremos de fumar, vamos dar outra e acender.

E essa rebelião pessoal rapidamente se torna política.   Se "eles" nos dizem para ficar na Europa, vamos sair.   Se eles nos dizem para aceitar imigrantes, vamos afastá-los.   Se eles nos dizem que a mudança climática é uma ameaça séria, vamos negar isso.   Qualquer coisa, parece, é melhor do que admitir que os especialistas estão certos.   Isto é verdade no país de Trump, e é igualmente verdade na Holanda, plácida e rica.

IAN BURUMA

Ian Buruma é o autor de inúmeros livros, incluindo Murder in Amsterdam: A morte de Theo Van Gogh e os limites da tolerância Ano Zero: Uma História de 1945 e, mais recentemente, A Tokyo Romance.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome