Edição online semanal
 
Sexta-feira 26 de Abril de 2019  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Paradoxo de Stoltenberg da NATO

12-04-2019 - Bogdan Klich

Os Estados Unidos e seus aliados europeus da NATO discordam sobre muitos assuntos importantes, mas sua cooperação dentro da Aliança é melhor do que há anos. A Polónia e o resto do flanco oriental da NATO, em particular, esperam que esse paradoxo persa.

Ao completar 70 anos, a NATO enfrenta seus maiores desafios desde o fim da Guerra Fria, há quase três décadas. A Aliança foi abalada pela anexação ilegal da Crimeia pela Rússia e pela invasão da região de Donbas, no leste da Ucrânia; Críticas picantes do presidente dos EUA, Donald Trump; e a metamorfose do Reino Unido, movida a Brexit, para a Little England. Apesar destes contratempos, a NATO fortaleceu significativamente seu compromisso com a Europa Central e Oriental nos últimos anos. No entanto, precisa fazer mais.

É verdade que os Estados Unidos e seus aliados europeus da NATO discordam em questões importantes como gastos com defesa, comércio, mudanças climáticas e o acordo nuclear com o Irão de 2015 - como reconheceu o actual secretário geral da Aliança, Jens Stoltenberg, durante uma recente visita a Varsóvia. Mas, como Stoltenberg corretamente apontou, a cooperação militar dentro da NATO é melhor do que há anos.   Este “Paradoxo de Stoltenberg” é sem dúvida mais evidente no fortalecimento progressivo da NATO no seu flanco oriental, incluindo na Polónia.

Stoltenberg justificadamente destaca as recentes reformas da NATO.   Por exemplo, a Aliança construiu sua nova Força-Tarefa Conjunta de Alta Prontidão. Além disso, a NATO desenvolveu uma série de exercícios militares em grande escala ao longo do seu flanco oriental para mostrar à Rússia que a Aliança trata seriamente as suas obrigações para com cada estado membro. Isto é especialmente importante para a Polónia e os países bálticos, todos eles com uma fronteira com a Rússia.

A implantação rotativa de batalhões multinacionais da NATO nos países do flanco oriental também demonstrou a determinação da Aliança. Esta Presença Avançada Avançada incluiu a transferência de militares e equipamentos americanos para a região.

Como resultado, existem agora 4.400 soldados dos EUA estacionados na Polónia.   Isso marca um grande salto em relação aos acordos iniciais assinados pelo então ministro das Relações Exteriores da Polônia, Radek Sikorski (sobre uma base de defesa antimísseis na cidade de Redzikowo), e por mim como ministro da Defesa (em relação a um estabelecimento permanente da Força Aérea dos EUA em Łask).

Os aliados deram mais um passo à frente na Cimeira da NATO em Bruxelas em julho de 2018, quando aprovaram a nova Iniciativa da NATO, ou “Quatro anos trinta”. A iniciativa exige que a Aliança tenha mais 30 batalhões mecanizados, 30 esquadrões aéreos e 30 embarcações de combate prontas para desdobrar em 30 dias.   Este é o cerne da atual doutrina da NATO de “dissuasão por reforço rápido”.

E, no entanto, uma questão chave permanece sem resposta: a dissuasão dos aliados impedirá uma possível agressão russa durante esses 30 dias? As forças da NATO existentes já desdobradas não poderiam fornecer proteção, especialmente se a Rússia aproveitasse o Suwałki Gap (na fronteira entre Polónia e Lituânia) ou em um dos estados bálticos antes que os reforços chegassem. A Aliança deve fazer mais para resolver essa “lacuna de 30 dias”.

As intervenções de Trump, enquanto isso, levantaram outras questões políticas mais sutis. Sua declaração de que a NATO era obsoleta abalou muitos na Europa e foi um presente para a Rússia.   E enquanto Trump demonstra uma abordagem orientada para os negócios, a Aliança baseia-se no princípio obrigatório de “todos por um, um por todos”. Sem isso, a NATO não existiria.   A decisão do Reino Unido de deixar a UE aprofundou ainda mais as preocupações europeias.

Mas os temores em relação à aliança transatlântica não são uma desculpa para os formuladores de políticas da Europa apresentarem propostas incrivelmente irreais, como um exército europeu independente da NATO .

A ideia do   presidente francês Emmanuel Macron de “autonomia estratégica” parece igualmente nebulosa. A Macron recentemente propôs um Tratado Europeu de Segurança e Defesa - uma espécie de acordo defensivo de Schengen - e a criação de um Conselho de Segurança Europeu que incluiria o Reino Unido depois de deixar a UE.   Este conceito estabeleceria uma estrutura alternativa à NATO e ultrapassaria a Política Comum de Segurança e Defesa da UE, que está apenas a ser reconstruída.

Confrontada com novas ameaças, a Europa deve utilizar os mecanismos e ferramentas que já possui.   Isso está na mesa há uma década, mas apenas nos últimos três anos os formuladores de políticas estão dispostos a usá-los.

Por exemplo, em 2017, os líderes da UE estabeleceram a Cooperação Estrutural Permanente (CEP) para aumentar a colaboração de defesa entre os estados membros e invocaram a “cláusula de solidariedade” da UE a pedido da França, na sequência de ataques terroristas naquele país.   Além disso, a UE assinou uma declaração de cooperação com a NATO no ano passado e concordou em criar um Fundo Europeu de Defesa. Todas estas iniciativas irão fortalecer a Europa sem prejudicar a Aliança.

Além disso, a UE pode continuar a melhorar as suas capacidades militares sem ter que criar novas estruturas que vão além do seu quadro jurídico existente.   Para começar, os líderes europeus precisam decidir sobre o futuro dos Battlegroups da UE, que estão de plantão há anos, mas que até agora nunca foram utilizados.   Deveriam também considerar seriamente a expansão da Capacidade Militar de Planeamento e Conduta da UE, a   fim de ter um verdadeiro Comando Operacional da UE em vigor após 2020. A UE realizou mais de 30 missões militares, civis e mistas e o bloco pretende ser ainda mais activa internacionalmente ao abrigo da recentemente adoptada Estratégia Global da UE.

Todas estas iniciativas no quadro jurídico da UE reforçariam a Europa sem prejudicar o papel da NATO.   E este deve ser o nosso princípio para a estratégia e política de longo prazo.

A NATO entra em sua oitava década em meio a contínuos desentendimentos entre os EUA e a Europa.   Temos de esperar que o paradoxo de Stoltenberg desapareça e que a Aliança fortaleça ainda mais os seus esforços militares para dissuadir uma possível agressão russa, ao mesmo tempo que reduz a tensão política entre aliados americanos e europeus.   A Polónia e o resto do flanco oriental da NATO estarão observando de perto.

BOGDAN KLICH

Bogdan Klich, líder minoritário do Senado polaco, foi ministro da Defesa da Polónia de 2007 a 2011 e membro do Parlamento Europeu de 2004 a 2007.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome