Edição online semanal
 
Terça-feira 18 de Dezembro de 2018  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

A destruição do Partido Republicano

11-05-2018 - J. Bradford Delong

Passou-se um ano e meio desde que Donald Trump foi eleito para a presidência dos EUA, então agora é uma boa hora para os americanos respirarem fundo e contemplarem seu sistema político rompido.

Não há mais dúvida de que os Estados Unidos têm um cleptocrata desequilibrado e desqualificado, presidindo a Casa Branca. Também não pode haver qualquer dúvida de que os republicanos que o colocaram lá podem estar selando o destino de seu partido como a manifestação do trumpismo, ao invés do tradicional conservadorismo.

Com certeza, os Estados Unidos não sofreram grandes catástrofes, embora os grandes erros políticos sempre pareçam estar no horizonte.   Mas o país vem sofrendo uma morte de mil cortes, deixando-o cada vez mais fraco quanto mais tempo Trump estiver no cargo.

Grande parte da culpa por isso pertence aos republicanos, que entraram na linha atrás de Trump por razões que ainda são difíceis de entender.   Trump foi eleito com mais de 60 milhões de votos - cerca de três milhões a menos que seu oponente, Hillary Clinton.   Mas ele ganhou apoio público de uma ampla gama de mandarins republicanos, conselheiros políticos e ativistas, todos os quais sabiam que um presidente Clinton representaria um risco menor para o país.

Por que eles fizeram isso?   A hipótese mais persuasiva é que - como o ex-diretor do FBI James Comey e Dean Baquet, o editor executivo do   The New York Times   - eles ignoraram as pesquisas que não subestimaram o risco de uma vitória do Trump.   Os republicanos assumiram que tinham pouco a perder, e talvez algo a ganhar, ao se oporem a Clinton, porque essa é a lição que tiraram das experiências de Richard Nixon e Ronald Reagan.

Vale lembrar que, em 1964, Nixon apoiou o candidato presidencial republicano Barry Goldwater, enquanto outros republicanos, como o então governador de Michigan George Romney, não apoiaram.   Nixon então se tornou o candidato presidencial do partido em 1968, vencendo os republicanos que haviam alienado a base ativista do partido ao se oporem a Goldwater.

Da mesma forma, Ronald Reagan apoiou Nixon até o fim, mesmo quando o impeachment de Nixon era iminente, enquanto republicanos como o senador Howard Baker, do Tennessee, concluíram que Nixon teria que ir.   Reagan tornou-se o candidato presidencial do partido em 1980, vencendo os republicanos que saíram da linha da base ativista do partido.

Em 2016, os republicanos que apoiaram Trump provavelmente viram isso como uma forma barata de promover seu futuro no partido. O que eles não contavam era que ele realmente se tornaria presidente, e que eles ainda teriam que se olhar no espelho todas as manhãs. Agora que os eleitores republicanos vêm a se considerar mais como partidários de Trump do que como republicanos, as principais luzes do partido precisam decidir o que fazer em seguida.

Alguns já fizeram sua escolha. O presidente da Câmara Paul Ryan está se aposentando no final deste período. Exceto a possibilidade improvável de que ele irá montar uma corrida presidencial em algum momento no futuro, ele está efetivamente abdicando de uma das posições mais poderosas do governo dos EUA, e abandonando seu país à liderança de um cleptocrata desequilibrado e desqualificado. E Ryan não está sozinho: na última contagem, 43 membros da Casa Republicana decidiram não pedir a reeleição em novembro.

O que quer que seja do Partido Republicano, é dentro do poder do povo americano mitigar alguns dos danos das políticas internas de Trump no nível local. É exatamente isso que a Califórnia e outros estados democráticos (“azuis”) vêm fazendo - e com muito sucesso até agora.

Mas no Kentucky, no Alabama, no Mississipi, no Nebraska e em outros estados vermelhos, a base republicana de eleitores continua a ser facilmente aproveitada. Fazendeiros em Iowa e outros estados do interior acabaram pesadamente por Trump em 2016, apenas para descobrir que ele os considera vítimas aceitáveis na guerra comercial que ele quer lançar contra a China, e talvez o México também. Deve-se sentir pena desses eleitores, mas não dos políticos republicanos que continuaram a enganá-los apoiando Trump.

O que pode ser feito? Para começar, temos que educar os eleitores e manter o foco nas políticas que são contra os seus interesses. Normalização não é uma opção. Apontar a estupidez e a destrutividade das políticas de Trump, e defender a reversão imediata, deve ser uma ocorrência cotidiana.

Além disso, os americanos deveriam tentar persuadir o vice-presidente Mike Pence de que é hora de invocar a Seção 4 da 25ª Emenda, que prevê a remoção de um presidente que tenha sido considerado incapaz de servir pela maioria de seu gabinete.

A pressão pública também deve ser exercida sobre Rupert e Lachlan Murdoch, co-presidentes da  21st  Century Fox, dona da Fox News. Muitas das decisões políticas e tweets de Trump acompanham o que quer que seus comentaristas favoritos da Fox News digam em qualquer dia. No longo prazo, porém, os cleptocratas tendem a tornar-se presas de plutocratas. Se os Murdochs se preocupam com suas fortunas de longo prazo, sua melhor jogada pode ser que sua rede diga ao presidente: “Você deu uma boa chance, mas está cansado e claramente infeliz no trabalho, então por que não desistir e vai jogar golfe, por causa da sua saúde? ”

Finalmente, os republicanos devem entender que esse é o momento “Pete Wilson” de seu partido. Pete Wilson é um ex-governador republicano da Califórnia que, na década de 1990, consignou seu partido ao status de minoria permanente no estado, manchando os latinos como uma ameaça. Hoje, a grande população latina da Califórnia - que inclui muitos dedicados frequentadores da igreja socialmente conservadores - não tem nenhum caminhão com os republicanos. (Nem muitos homens brancos idosos na Califórnia, porque até eles são capazes de constrangimento.)

Trump poderia fazer ao Partido Republicano nacionalmente o que Wilson fez na Califórnia. Líderes partidários - já enfrentando a provável perda da Câmara, e possivelmente do Senado, em novembro - precisam agir antes que seja tarde demais.

J. Bradford DeLong

J. Bradford DeLong é professor de economia na Universidade da Califórnia em Berkeley e pesquisador associado do National Bureau of Economic Research.  Ele foi vice-secretário adjunto do Tesouro dos EUA durante o governo Clinton, onde esteve fortemente envolvido em negociações orçamentárias e comerciais.  Seu papel na concepção do resgate do México durante a crise do peso de 1994 colocou-o na vanguarda da transformação da América Latina em uma região de economias abertas, e cimentou sua posição como uma das principais vozes nos debates de política económica.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome