Edição online semanal
 
Segunda-feira 21 de Maio de 2018  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Macron precisa mais do que charme

04-05-2018 - Dominique Moisi

Durante séculos, a França e os Estados Unidos foram amigos, aliados e concorrentes. Ambos foram poderes mundiais; ambos foram modelos de democracia liberal; e ambos alcançaram a democratização através da revolução. De facto, a França foi a primeira aliada dos novos EUA, tendo fornecido apoio militar durante a Guerra Revolucionária Americana - a primeira das muitas vezes em que os países colaboraram em empreendimentos militares.

Se os apelos do presidente francês Emmanuel Macron à vaidade de Trump estivessem produzindo resultados positivos ao longo do caminho, os esforços de Macron poderiam valer a pena. Mas lisonjear Trump é uma coisa; obter concessões diplomáticas e comerciais significativas dele é outra completamente diferente.

Na sua recente viagem a Washington, DC, o presidente francês Emmanuel Macron tentou usar essa história para reforçar a relação bilateral hoje, potencialmente dando à França mais influência sobre a administração imprevisível do presidente dos EUA, Donald Trump.   Mas a afabilidade e   bonomia de   Macron   não podem obscurecer o facto de que os dois países estão operando sob circunstâncias muito diferentes do que no passado, muito menos garantir qualquer aparência de confiabilidade da administração Trump.

Durante a Guerra Fria, o general Charles de Gaulle queria que a França servisse de ponte entre o Ocidente e o Oriente.   Isso implicava ser um fiel aliado dos EUA, nos bons e maus momentos, enquanto atuava como um amigo de bom tempo na União Soviética e na China.

Hoje, Macron quer que a França sirva como uma ponte dentro do Ocidente: entre os EUA e a Europa.   Esta pode parecer uma tarefa mais fácil, dada a história e os valores compartilhados dos dois lados.   E, de facto, é essa história e aqueles valores que Macron tentou invocar, ao se estabelecer como um defensor da democracia liberal e do internacionalismo, com linguagem e visão marcadas pelo otimismo ao estilo americano.

Nem é a primeira vez que um presidente francês agiu como um líder americano.   Mas Nicolas Sarkozy - que literalmente cunhou para si o apelido de "Sarko, o americano" - estava mais ansioso para se alinhar com George W. Bush, especialmente quando se tratava de política externa.   Macron, em contraste, defende os valores e adopta a retórica de Barack Obama.

Nenhum deles tem muito em comum com Trump, que, nas palavras do ex-director do FBI James Comey, age mais como um chefe da máfia do que como presidente dos EUA, e parece totalmente desinteressado em sustentar a liderança global dos EUA.   O desafio pela frente para a Macron pode, assim, tornar-se ainda mais formidável do que aquele enfrentado por De Gaulle.

Se a visita de Macron fosse um jogo de futebol, teria incluído algumas peças lindamente executadas - como o discurso de Macron   ao Congresso dos EUA - antes de terminar em empate. Sob o verniz de afecto mútuo em Washington, a visita de Macron foi marcada por profundas divergências, inclusive sobre as mudanças climáticas e o acordo nuclear com o Irão.

A declaração de Macron de que "não há Planeta B" não provocou nenhum movimento substancial de Trump para voltar ao acordo climático de Paris.   E, apesar da menção de um novo e ampliado acordo com o Irão, Trump continua a abraçar as visões radicais de seu novo secretário de Estado, Mike Pompeo, e do conselheiro de segurança nacional, John Bolton.

Ao estabelecer um relacionamento público amigável com Trump, Macron pode até ter-se colocado em risco.   Afinal, não ficará bem se Macron estiver intimamente alinhado com um Trump que toma decisões estratégicas catastróficas ou acaba nas garras do sistema de justiça dos EUA.   Trump é simplesmente imprevisível demais para que um relacionamento próximo com ele seja outra coisa senão uma responsabilidade política.

Se essa proximidade - aqueles apelos à vaidade de Trump - estivesse produzindo resultados positivos ao longo do caminho, os esforços de Macron poderiam valer a pena.   Mas lisonjear Trump é uma coisa;   obter concessões diplomáticas e comerciais significativas dele é outra completamente diferente.   E Macron parece ter encontrado sucesso em apenas uma daquelas frentes.

Estabelecendo-se como uma voz de razão, moderação e responsabilidade, Macron tentou estabelecer as bases para o seu surgimento como um agente real de mudança.   Ele não quer que seu legado inclua discursos simplesmente poderosos;   ele quer resolver questões reais que afetam a França, a Europa e o mundo.   Mas ainda não está claro se suas táticas funcionarão, particularmente no que diz respeito a Trump.

A questão é se a abordagem alternativa à Trump - a abordagem muito menos amigável e mais profissional da chanceler alemã Angela Merkel - produzirá melhores resultados.   Parece improvável, mas quando se trata de garantir concessões reais, pelo menos Merkel não pode fazer muito pior.

Dominique Moisi

Dominique Moisi é Conselheiro Sénior no Institut Montaigne em Paris.  Ele é o autor de La Géopolitique des Séries ou o triomphe de la peur.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome