Edição online semanal
 
Quarta-feira 12 de Dezembro de 2018  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

O próximo passo para a política económica chinesa

27-04-2018 - Martin Feldstein

CAMBRIDGE - Sou um grande admirador da China e sua capacidade de ajustar suas políticas económicas para manter um crescimento rápido. Mas agora que chegou ao topo da economia global, deve adotar as reformas necessárias para se tornar totalmente compatível com as regras internacionais que aceitou ao ingressar na Organização Mundial do Comércio em 2001.

Agora que subiu ao topo da economia global, a China deve adotar as reformas necessárias para se tornar totalmente compatível com as regras internacionais que aceitou ao ingressar na Organização Mundial do Comércio em 2001. Sua atual política só levará a um sério conflito comercial com os EUA.

Quando fui pela primeira vez à China em 1982, era um país muito pobre governado por um regime completamente comunista.   A agricultura foi completamente coletivizada.   Como os camponeses perderam o direito de cultivar suas próprias terras, a produção agrícola era extremamente baixa.   Além da agricultura, a propriedade individual dos meios de produção era proibida.   Uma família chinesa poderia possuir uma máquina de costura para uso próprio, mas não poderia possuir duas máquinas de costura ou contratar um vizinho para ajudar a produzir roupas. 2

Sob a liderança de Deng Xiaoping, isso começou a mudar.   As parcelas de terra foram devolvidas aos seus antigos donos, que foram autorizados a manter qualquer produção excedendo a cota obrigatória do governo.   Como resultado, a produção agrícola disparou e os agricultores produziram uma série de culturas adicionais, como flores e vegetais, para vender diretamente ao público.   As restrições à propriedade de ativos produtivos e à contratação de funcionários foram gradualmente relaxadas, de modo que o setor privado agora responde pela maior parte da atividade econômica na China.

O resultado foi uma explosão de crescimento econômico e um rápido aumento nos padrões de vida.   Desde 1982, o PIB real (ajustado pela inflação) da China cresceu a uma taxa anual média de mais de 7%.   O   PIB real   per   capita é agora 18 vezes maior, com cerca de 800 milhões de pessoas retiradas da pobreza desde o início das reformas de Deng.   Embora a   produção   global   per capita   na China ainda seja apenas um quarto do nível dos EUA, o padrão de vida nas principais cidades da China é impressionantemente alto.   Ver os arranha-céus reluzentes e a variedade de lojas que atendem aos jovens ricos é apreciar a mudança que ocorreu em apenas algumas décadas.

Deng declarou uma vez: "Para ficar rico é glorioso." O povo da China respondeu.   Entidades privadas florescem, e um mercado de ações muito activo permite uma participação acionista generalizada.   A China aparentemente tem mais bilionários que os Estados Unidos.

A combinação de incentivos privados e educação efectiva é uma das principais razões para o rápido crescimento da China.   A China tem uma tradição antiga de promover os alunos mais brilhantes com base em extensos exames.   Os funcionários que trabalhavam para os imperadores foram selecionados com base em provas escritas do pensamento confuciano.   Agora a alfabetização é universal e os exames nacionais são usados para decidir quem vai para as melhores universidades.   Mais de um milhão de estudantes chineses estudaram nos EUA, e várias das principais autoridades económicas do governo fizeram trabalhos de pós-graduação lá.

De muitas maneiras, a economia chinesa agora funciona como uma grande corporação multinacional americana.   A estratégia geral é definida pela administração no topo: meta de crescimento, a mudança estrutural da indústria pesada para o consumo, a Iniciativa Faixa e Estrada (que orientará as exportações e a ajuda externa), e assim por diante.   Os gerentes individuais são experimentados em cidades regionais e promovidos com base em seu sucesso em atingir as metas estabelecidas pelos líderes nacionais.

As metas estabelecidas pelo presidente Xi Jinping e o atual governo são aumentar a sofisticação da economia e alcançar um padrão de vida de classe média para a população.   Para ter sucesso, a China está investindo grandes somas em pesquisa e educação técnica.

Mas, na ânsia de alcançar o Ocidente, a China também roubou tecnologia de empresas ocidentais.   Sob o presidente Barack Obama, os EUA acusaram a China de se envolver em espionagem cibernética contra empresas americanas e roubar sua propriedade intelectual.   Os presidentes Xi e Obama posteriormente assinaram um comunicado em 2013 renunciando a esse roubo cibernético.

Mas a China continua a tirar tecnologia das empresas dos EUA.   Isso é feito exigindo que as empresas estrangeiras que querem fazer negócios na China formem joint ventures com empresas chinesas, permitindo que os parceiros chineses obtenham a tecnologia das empresas dos EUA.   E enquanto a OMC proíbe os países membros de condicionar o acesso ao mercado em tais transferências obrigatórias de tecnologia, os chineses responderam que nada é obrigatório, porque as empresas não precisam fazer negócios na China.

Isso é claramente falso, e o anúncio de grandes tarifas dos EUA sobre as exportações chinesas pretende encorajar a China a cumprir a regra da OMC sobre transferência de tecnologia.   Os chineses podem estar recebendo a mensagem.   Em um importante discurso recente no Boao Forum deste ano, Xi disse que a China não mais exigirá tais joint ventures na indústria automobilística - uma admissão implícita de que a exigência é uma violação da regra da OMC.

É hora de a China estender essa nova política e eliminar completamente a exigência da joint venture.   Embora os EUA não tenham tal exigência, seria útil que os dois países declarassem abertamente que, no futuro, nenhuma empresa estrangeira será obrigada a entrar em uma joint venture ou transferir tecnologia de outras formas como condição para fazer negócios.

A China pode continuar seu rápido crescimento e desenvolvimento tecnológico por meio de seus próprios esforços.   Sua política atual somente levará a um sério conflito comercial.

Martin Feldstein

Martin Feldstein, professor de economia da Universidade de Harvard e presidente emérito do National Bureau of Economic Research, presidiu o Conselho de Assessores Económicos do presidente Ronald Reagan de 1982 a 1984. Em 2006, foi nomeado para o Conselho Consultivo de Inteligência Estrangeira do presidente Bush e, em 2009, foi nomeado para o Conselho Consultivo de Recuperação Económica do Presidente Obama.   Atualmente, ele faz parte do conselho de diretores do Conselho de Relações Exteriores, da Comissão Trilateral e do Grupo dos 30, um órgão internacional sem fins lucrativos que busca maior compreensão das questões económicas globais.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome