Edição online semanal
 
Quarta-feira 12 de Dezembro de 2018  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Um conto de duas realidades

27-04-2018 - Javier Solana

MADRID- A linha de abertura de Um conto de duas cidades, de Charles Dickens, mantém sua universalidade até hoje. "Foi o melhor dos tempos, foi o pior dos tempos", escreve Dickens, "era a era da sabedoria, era a época da insensatez... era a primavera da esperança, era o inverno do desespero".

O progresso material e moral possibilitado pelo Iluminismo é evidente em uma ampla gama de métricas, desde os direitos humanos até a expectativa de vida. Mas os líderes políticos de hoje parecem inadequados para a tarefa de administrar os legados mais problemáticos do Iluminismo.

O romance clássico de Dickens, ambientado em Londres e Paris durante a Revolução Francesa, denuncia as injustiças sociais do antigo regime   despótico   e os excessos dos revolucionários franceses.   Quando perguntado sobre sua opinião sobre a Revolução Francesa, quase dois séculos depois, o ex-primeiro ministro chinês Zhou Enlai respondeu que era "cedo demais para dizer". Essa brincadeira - embora possivelmente o resultado de um mal-entendido capta perfeitamente a ambivalência de Dickens sobre o período de que ele escreveu.

Os ideais iluministas que inspiraram os franceses a se levantar contra Luís XVI também impulsionaram a Revolução Americana.   E ambos foram colocados contra o pano de fundo de outra mudança radical: o início da industrialização.   A combinação de regimes políticos mais liberais e avanços científicos transformacionais inaugurou o período mais próspero da história da humanidade.

O falecido economista britânico Angus Maddison estimou certa vez   que, enquanto o   PIB   per   capita   global   nem sequer duplicou entre 1 AD e 1820, aumentou mais de dez vezes entre 1820 e 2008. E esse crescimento espetacular foi acompanhado por melhorias igualmente extraordinárias em uma ampla gama de indicadores socioeconómicos.   A expectativa de vida média global, por exemplo, subiu de 31 para quase 73 anos em apenas dois séculos.

Dois séculos atrás, as comunidades científicas e médicas ainda não haviam aceitado a teoria dos germes da doença, e o cheiro de carne bovina era comumente pensado para causar obesidade.   Hoje, essas crenças parecem grotescas, devido ao rápido progresso em nossa compreensão científica.   Não só podemos agora ler o genoma humano;   também estamos aprendendo como editar e escrever.

Para o professor de psicologia de Harvard, Steven Pinker, essas conquistas são sinais de que "o Iluminismo está funcionando". Além disso, Pinker argumenta que mais progresso moral foi alcançado nos últimos séculos do que a maioria das medidas macroeconômicas pode refletir.   Por exemplo, ele aponta para a expansão - tanto geográfica quanto substantiva - das proteções aos direitos individuais e coletivos, bem como uma redução geral da violência.

A magnitude das realizações do Iluminismo tende a ser desvalorizada, porque estamos propensos a lembrar e normalizar catástrofes, em vez de melhorias cotidianas.   Mas, embora esse viés seja prejudicial para a tomada de decisões, o mesmo acontece com a excessiva complacência.   Afinal, há muitas razões - muitas das quais são efeitos secundários do Iluminismo - para que as pessoas se sintam desconfortáveis com o futuro.

Em seu livro de 2013,  The Great Escape, o economista ganhador do Prémio Nobel  Angus Deaton mostra como o progresso na redução da privação agregada, da fome e da morte prematura nos últimos 250 anos deixou muitos grupos sociais para trás.Embora a desigualdade em nível global tenha sido recentemente mitigada pela ascensão econômica de países como a China, numerosos estudos concluíram que a desigualdade   dentro dos países tem aumentado.   Em países como os Estados Unidos, amplos segmentos da população não têm acesso a tratamentos médicos adequados, e até mesmo a democracia parece estar se desgastando.

A sabedoria convencional de hoje liga o surgimento de movimentos populistas ao redor do mundo, incluindo a eleição do presidente Donald Trump nos EUA, para as pessoas que perderam os benefícios da globalização. No entanto, muitas das políticas de Trump - não apenas reduzir os impostos para os ricos - destinam-se a perpetuar os privilégios da elite económica. Trump fez muito pouco para lidar com os medos daqueles que se sentem deixados para trás, mas ele está tentando uma isca clássica para disfarçar esse fato. Assim, ele destaca a China como a fonte dos problemas econômicos dos americanos.

O resultado da abordagem “America First”, de Trump, e o medo de se espalhar sobre todas as coisas estrangeiras tem sido prejudicar a cooperação global.   O nacionalismo, um dos legados potencialmente prejudiciais das revoluções sociais do final do século XVIII, voltou à tona com o aumento dos medos nativistas e xenófobos.

Da mesma forma, o legado científico e tecnológico do Iluminismo não foi totalmente positivo. As teorias de Albert Einstein e a descoberta da fissão em 1938 tornaram possível a energia nuclear, mas também levaram aos bombardeios de Hiroshima e Nagasaki e aos desastres de Chernobyl e Fukushima.   Da mesma forma, o progresso tecnológico deixou a infraestrutura nacional crítica potencialmente vulnerável a ataques cibernéticos.   E, como a crise de 2008 revelou, a engenharia financeira possui muitos riscos próprios.

Todos esses perigos são acompanhados pelo que talvez seja a maior ameaça que a humanidade já enfrentou: a mudança climática.   A peculiaridade dessa ameaça reside no fato de que ela não se manifestou na forma de um único choque súbito.   Pelo contrário, é um fenómeno cumulativo, que ainda podemos atenuar.   Assim como os avanços tecnológicos nos colocaram nessa situação, eles também podem nos resgatar dela.   Afinal, a inovação tecnológica, juntamente com um esforço internacional para adotar o Protocolo de Montreal de 1987, é como o mundo põe fim à erosão da camada de ozono.

Felizmente, a racionalidade científica é capaz de criar ferramentas para remediar seus próprios excessos.   Infelizmente, no entanto, o estado da liderança política hoje pode significar que essas ferramentas não são utilizadas.   O mundo precisa desesperadamente de líderes dispostos a maximizar os benefícios da ciência e da tecnologia por meio da gestão coletiva e da cooperação internacional.   Sem essa liderança, o que é quantificadamente o melhor dos tempos poderia muito bem tornar-se o pior.

Javier Solana

Javier Solana era o Alto Representante da UE para Política Externa e de Segurança, Secretário-Geral da OTAN e Ministro dos Negócios Estrangeiros da Espanha.  Actualmente é Presidente do Centro ESADE de Economia Global e Geopolítica, Membro Distinto da Brookings Institution, e membro do Conselho de Agenda Global da Europa sobre o Fórum Económico Mundial.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome