Edição online semanal
 
Terça-feira 24 de Abril de 2018  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

O novo movimento global da juventude

13-04-2018 - Gordon Brown

LONDRES - A recente marcha de Nossa Vida nos Estados Unidos inspirou milhões não apenas nos Estados Unidos, mas também em todo o mundo. Até as manifestações em todo o país, em 24 de março, a maioria das pessoas achava que pequenas novidades poderiam ser acrescentadas à conversa sobre as aparentemente intermináveis rondas de assassinatos de armas.

Quase um século atrás, Eglantyne Jebb, que fundou a Save the Children, disse que a única língua que todos podiam entender era o choro de uma criança. Mas, à medida que os jovens de hoje se conectam, se comunicam e afirmam seus direitos, é menos provável que seus gritos sejam pedidos de caridade chorosos do que marchas desafiadoras exigindo justiça.

Ainda assim, a maneira corajosa e comovente pela qual jovens, angustiados e sofridos, disseram ao mundo que as decisões sobre leis de armas e escolas seguras são importantes demais para serem deixadas para adultos que as derrubaram reformulou o cenário político, talvez permanentemente. e fundamentalmente.

Não é só na América que uma revolução liderada por jovens está se tornando viva. Em todo o mundo, os jovens estão se tornando um poder por si mesmos. Milhões de jovens estão agora engajados no que se tornou a luta pelos direitos civis do nosso tempo - a luta pelo direito de todas as crianças de irem à escola e fazê-lo com segurança.

Na Índia, a Marcha Global contra o Trabalho Infantil mobilizou centenas de milhares de jovens que percorreram milhões de quilômetros exigindo o fim do trabalho infantil e o direito de ir à escola.

Da mesma forma, em Bangladesh, começando no remoto distrito de Nilphamari, milhares de meninas impulsionaram o movimento “busters matrimoniais” para criar “zonas livres de casamento infantil”. Inspiradas pelo movimento Girls Not Brides, e sob o risco de espancamentos e às vezes assassinato, as alunas se uniram para desafiar seus próprios pais a evitar casamentos forçados que interrompessem sua infância e os privassem de uma educação. E, na Nigéria, o grupo Youth Advocates for Change marchou pela capital Abuja em 2015 exigindo escolas seguras e proteção adequada da polícia e do exército contra os extremistas terroristas do Boko Haram (cujo nome significa “a educação ocidental é um pecado”).

O quadro é claro: estamos no meio de uma luta pela liberdade que se tornou global. Inclui garotas na Índia que protestam contra a inação da polícia por causa de agressões sexuais; Crianças em idade escolar paquistanesas marchando por Lahore após o último ataque do Taleban às escolas; jovens nas ruas da capital dos Camarões, Yaoundé, apoiando refugiados; e estudantes iemenitas protestando contra uma guerra que destruiu centenas de escolas e deixou dois milhões de crianças sem educação.

A revolta mundial da juventude intensificou-se este ano. Em janeiro, 40 milhões de crianças e adultos na Índia protestaram contra o casamento infantil, formando uma corrente humana que se estendia por mais de 8.000 milhas, entrando em uma aldeia após outra no estado de Bihar. Em fevereiro, estudantes peruanos foram demitidos em Lima, quando se manifestaram contra o que eles chamavam de “Lei dos Escravos da Juventude”, que empregaria estudantes como estagiários não remunerados. E milhares de estudantes saíram às ruas de Honduras e da Índia para se opor ao aumento do custo do ensino superior.

Esses novos movimentos refletem nossa era digital atual, na qual os jovens podem se conectar cada vez mais em seus próprios países e através das fronteiras. Ao fazê-lo, eles estão expondo a lacuna entre a promessa de oportunidade e a dura realidade das oportunidades desiguais - especialmente para meninas, que compõem a maioria dos 260 milhões de crianças em todo o mundo que não estão na escola, e a maioria dos 400 milhões de crianças que terminam sua educação aos 11 ou 12 anos. De fato, metade das crianças do mundo - cerca de 800 milhões - terminam a escola sem nenhuma das qualificações necessárias para a força de trabalho de amanhã. Muitos são condenados anos antes de atingirem a idade oficial de deixar a escola para o trabalho infantil, o casamento infantil ou mesmo para o tráfico de crianças.

A nova mensagem de desafio dos jovens e a esperança de uma verdadeira mudança ecoa o apelo irresistível pela ação ambiental de uma menina de 12 anos, Severn Cullis-Suzuki, na Cimeira da Terra do Rio de Janeiro em 1992. Foi Cullis-Suzuki que trouxe uma conferência discreta a seus pés - e começou a trazer um mundo cético para os seus sentidos - quando ela disse que o ambiente era um assunto importante demais para ser confiado aos adultos. A geração mais velha, tendo falhado em fornecer um ambiente sustentável, não poderia ter permissão para arruinar as oportunidades e oportunidades da próxima geração.

E uma mensagem ainda mais poderosa vem dos jovens de hoje: que o direito à educação é importante demais para ser confiado aos adultos que não conseguiram.

Quase um século atrás, Eglantyne Jebb, que fundou a Save the Children, disse que a única língua que todos podiam entender era o choro de uma criança. Mas os gritos das crianças foram muitas vezes deixados de lado, e mesmo os mais progressistas entre nós têm agido como se as crianças fossem observadores silenciosos, para serem vistos, mas não ouvidos, objetos passivos de nossas ações. Se a imagem duradoura de um século atrás é uma das crianças indefesas esperando para serem protegidas e lamentadas, então a imagem lembrada pela próxima geração será radicalmente diferente. À medida que os jovens se conectam, se comunicam e afirmam seus direitos, é menos provável que seus gritos sejam pedidos de caridade chorosos do que marchas desafiadoras exigindo justiça.

Nos próximos dias, os jovens no Paquistão, onde sete milhões de crianças em idade escolar são impedidas de frequentar a escola, lançarão uma petição exigindo o direito à educação. Seu apelo será apoiado na Cúpula do G20 da Argentina em novembro, quando 700 Embaixadores da Juventude Global de 90 países, mobilizados através da caridade do Mundo, convidam líderes mundiais para apoiar uma nova Facilidade de Financiamento Internacional para Educação - um fundo multi-bilionário dedicado a capacitar todas as crianças para irem para a escola.

É um momento importante - tanto inspirador quanto castigador para aqueles de nós que foram filhos de uma revolução cultural dos anos 1960 que não cumpriu sua promessa, e agora nos vemos surpreendidos por novos movimentos com muito mais potencial global para o bem. A tocha não está sendo passada para uma nova geração; esta nova geração teve que aproveitá-lo. Eles merecem o nosso apoio.

Gordon Brown

Gordon Brown, ex-primeiro-ministro e ministro das Finanças do Reino Unido, é enviado especial das Nações Unidas para a Educação Global e presidente da Comissão Internacional sobre o Financiamento da Oportunidade Global de Educação.  Ele preside o Conselho Consultivo da Fundação Catalyst.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome