Edição online semanal
 
Terça-feira 25 de Setembro de 2018  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

GUERRA FRIA II

02-03-2018 - Richard N. Haass

A Guerra Fria durou quatro décadas, em muitos aspectos, tanto no início como no final em Berlim. A boa notícia é que ficou frio - em grande parte porque as armas nucleares introduziram uma disciplina perdida em anteriores rivalidades de grande poder - e que os Estados Unidos, juntamente com seus aliados europeus e asiáticos, emergiram vitoriosos, devido a políticas políticas, económicas e militares sustentadas esforço que uma União Soviética de grande peso não poderia, em última instância, combinar.

Um quarto de século após o fim da Guerra Fria, o mundo inesperadamente encontra-se em um segundo. Este estado de coisas era qualquer coisa menos inevitável, e não interessa nem aumentar as tensões.

Um quarto de século após o fim da Guerra Fria, nos encontramos inesperadamente em um segundo.   É diferente e familiar.   A Rússia já não é uma superpotência, mas sim um país de cerca de 145 milhões de pessoas com uma economia dependente do preço do petróleo e do gás e nenhuma ideologia política para oferecer ao mundo.   Mesmo assim, continua sendo um dos dois principais estados de armas nucleares, tem um assento permanente no Conselho de Segurança da ONU e está disposto a usar suas capacidades militares, energéticas e cibernéticas para apoiar amigos e enfraquecer vizinhos e adversários.

Este estado de coisas era tudo menos inevitável.   Esperava-se que o fim da Guerra Fria inaugurasse uma nova era de laços russos amigáveis com os Estados Unidos e a Europa.   Pensou amplamente que a Rússia pós-comunista se concentraria no desenvolvimento económico e político.   E as relações começaram um bom começo quando a Rússia, ao invés de ficar de acordo com seu cliente de longo prazo no Iraque, cooperou com os EUA para reverter a invasão do Kuwait por Saddam Hussein.

A boa vontade não durou.   Só por que será uma questão de debate entre os historiadores nas próximas décadas.   Alguns observadores culparão os sucessivos presidentes dos EUA, apontando para a falta de apoio econômico estendido a uma Rússia em dificuldades e ainda mais ao alargamento da OTAN, que, ao tratar a Rússia como um potencial adversário, aumentou as chances de se tornar uma.

É verdade que os EUA poderiam e deveriam ter sido mais generosos, já que a Rússia fez sua dolorosa transição para uma economia de mercado na década de 1990.   Nem é claro que o alargamento da OTAN era preferível a outros arranjos de segurança para a Europa que incluíam a Rússia.   Dito isto, a parte do leão da responsabilidade pelo surgimento de uma segunda guerra fria é a da Rússia e, acima de tudo, a de Vladimir Putin.   Como muitos de seus antecessores, Putin viu a ordem mundial dominada pelos EUA como uma ameaça para o seu governo e para o que ele considerava o lugar legítimo de seu país no mundo.

A Rússia nos últimos anos usou a força armada para apreender, ocupar e anexar a Crimeia, no processo que viola o princípio fundamental do direito internacional, que as fronteiras não podem ser alteradas pela força armada.   Putin continua a usar meios militares ou secretos para desestabilizar o leste da Ucrânia, a Geórgia e partes dos Balcãs.   E a Rússia empregou a força militar de maneira particularmente brutal na Síria para sustentar o terrível regime de Bashar al-Assad.

A Rússia de Putin também fez grandes esforços, nas palavras do Conselheiro Especial dos EUA, Robert Mueller, para realizar "fraude e engano com o objetivo de interferir nos processos políticos e eleitorais dos EUA, incluindo as eleições presidenciais de 2016." Chefes da inteligência dos EUA As agências deixaram claro que esperam esforços adicionais entre agora e as eleições no Congresso de meio período de novembro.

Como a Rússia se tornou um país revisionista, com poucas ou nenhuma tentativa de derrubar o status quo por qualquer meio que julgar necessário, reforçar a defesa da Europa e fornecer armas letais para a Ucrânia é uma resposta sensata. Mas o que mais deveriam os EUA fazer, além de reduzir a vulnerabilidade das máquinas de votação e exigir que as empresas de tecnologia tomem medidas para evitar que os governos estrangeiros tentem influenciar a política norte-americana?

Primeiro, os americanos devem reconhecer que a defesa não é suficiente. O Congresso está certo em pedir sanções adicionais, e Donald Trump está errado em se recusar a implementar sanções que o Congresso já aprovou.

O governo dos EUA também precisa encontrar a sua voz e criticar um regime russo que prende seus oponentes e assassina jornalistas. Se Trump, por qualquer motivo, continua a engolir a Rússia, então o Congresso, a mídia, as fundações e os acadêmicos devem detalhar publicamente a corrupção que caracteriza a regra de Putin. Circular essa informação pode aumentar a oposição interna a Putin, convencê-lo a impedir novas interferências na política dos EUA e da Europa e, ao longo do tempo, fortalecer forças mais responsáveis na Rússia.

Ao mesmo tempo, o objetivo não deve ser acabar com o pouco restante da relação EUA-Rússia, que já está em pior forma do que durante grande parte da primeira Guerra Fria. A cooperação diplomática deve ser buscada sempre que possível e no interesse da América. A Rússia pode muito bem estar disposta a parar de interferir na Ucrânia oriental em troca de um certo grau de alívio de sanções, se puder ser assegurado que os russos étnicos não enfrentarão represálias. Do mesmo modo, o Kremlin não tem interesse em uma escalada militar na Síria que aumentaria o custo relativamente modesto de sua intervenção lá.

Ao mesmo tempo, é necessário apoio russo para reforçar as sanções contra a Coréia do Norte. E manter os acordos de controle de armas e evitar uma nova corrida armamentista seria no interesse de ambos os países.

Há, portanto, um caso para reuniões diplomáticas regulares, intercâmbios culturais e acadêmicos e visitas a Rússia por delegações do Congresso - não como um favor, mas como um meio de deixar claro que muitos americanos estão abertos a um relacionamento mais normal com a Rússia se ele age com maior restrição. Os EUA e seus parceiros têm uma grande participação na maior restrição russa enquanto Putin permanece no poder - e na Rússia caracterizada por outros que não o Putinismo depois que ele se foi.

RICHARD N. HAASS

Richard N. Haass, presidente do Conselho de Relações Exteriores, anteriormente atuou como Diretor de Planeamento de Políticas para o Departamento de Estado dos EUA (2001-2003) e foi enviado especial do presidente George W. Bush para a Irlanda do Norte e Coordenador do Futuro do Afeganistão.  Ele é o autor de  A World in Disarray: American Foreign Policy e The Crisis of the Old Order.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome