Edição online semanal
á
Sexta-feira 15 de Dezembro de 2017  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

DIREITA, ESQUERDA, E MACRON ?

24-11-2017 - Zaki La´di

PARIS - O presidente francês Emmanuel Macron, uma vez visto como o centrista por excelência, recentemente foi rotulado de político de direita. Ele, afinal, eliminou o imposto de riqueza, introduziu maior flexibilidade do mercado de trabalho, reduziu os benefícios da habitação e introduziu reformas no ensino superior - políticas que a maioria dos eleitores de direita acolhe. Mas as coisas não são tão cortadas e secas.

Em um momento de aprofundar a desigualdade, o principal desafio que a França enfrenta é mudar o foco do controle de dano para a prevenção de danos. As políticas do presidente Emmanuel Macron precisarão ser avaliadas com base nesse objetivo, não de acordo com os rótulos ideológicos que perderam importância.

A divisão direita-esquerda permanece profundamente sentida na França. O direito tradicionalmente enfatizou a liberdade - derrubando as barreiras que impedem a capacidade dos indivíduos de criar. A esquerda centrou-se na igualdade, prosseguindo políticas que visam criar condições equitativas através da redistribuição. Esta divisão permanece particularmente aguda na política econômica e social, embora também se estenda a outras áreas, como a política educacional (por exemplo, educação prolongada versus especialização inicial).

No entanto, a verdade é que a natureza fundamentalmente redistributiva do Estado francês reduziu consideravelmente a diferença entre os dois lados nas últimas décadas. Ao mesmo tempo, as divergências dentro dos dois campos principais cresceram, tornando muito mais difícil distinguir claramente duas perspectivas opostas.

Por exemplo, a Frente Nacional de extrema-direita denuncia "folhetos", como é típico do direito, e ainda abraça a redistribuição liderada pelo Estado. Essa demanda de esquerda, no entanto, é mediada pela política de identidade da Frente, em particular pela sua veemente oposição à imigração. A redistribuição, em outras palavras, é apenas para "nós", os "reais" franceses.

Quanto à esquerda, não se fragmentou tanto quanto atomizado. Continua a existir uma clara distinção entre o "governo de esquerda" e a sua contraparte "radical". No entanto, essa divisão corre mesmo através do Partido Socialista, uma vez dominante.

A esquerda está profundamente dividida em praticamente todas as questões - Europa, secularismo, educação, negócios e mais - tornando extremamente difícil identificar o que exatamente constitui políticas "esquerdistas" hoje em dia. Na verdade, os socialistas começaram a se distinguir não pelo que são, mas pelo que não são, promovendo a linha, "nem Macron nem Mélenchon" (uma referência ao Jean-Luc Mélenchon, de extrema esquerda).

No entanto, essa distinção pode não ser tão poderosa como os socialistas podem acreditar. Afinal, foram seus eleitores de centro-esquerda que escolheram Macron. E eles sabiam pelo que eles estavam votando: todas as políticas que ele implementou até agora foram incluídas em sua plataforma de campanha. Isso sugere que o centro-esquerda da França aceita em grande parte a abordagem atual.

Com certeza, as políticas econômicas baseadas em incentivos da Macron estão mais à direita do que qualquer coisa que a França conhece há muito tempo. E o centro-direito, até agora, apoiou cada um deles. (A cooptação de Macron da maior parte do programa económico do centro-direita realmente compôs o desafio que enfrenta, deixando-o com pouca escolha senão usar a política de identidade para se destacar).

Ao mesmo tempo, as políticas sociais de Macron visam produzir aproximadamente o mesmo nível de redistribuição que antes. Então, enquanto sua abordagem desafia o modelo político da esquerda, ele compreende quais são fundamentalmente políticas de centro-esquerda.

Claro, levará algum tempo para que os efeitos dessas políticas sejam sentidos. Mas não serão os pobres que, em última instância, perderão; serão as famílias relativamente afluentes que não estavam anteriormente sujeitas ao imposto sobre a riqueza.

A ideia de que a eliminação de um imposto sobre patrimônio pode beneficiar uma economia inteira é difícil de defender. A expectativa de que os benefícios "diminuam" para as classes média e baixa é altamente duvidosa. No entanto, em um país onde o capitalismo historicamente foi muito fraco, há algo a ser dito pela lógica impulsionada pelo incentivo por trás do movimento. Numa economia orientada para a inovação que agora é financiada pelo capital e não pela dívida, o imposto sobre a riqueza tornou-se uma desvantagem histórica, frustrando a indústria francesa e o empreendedorismo.

O modelo francês, que se concentra em corrigir desigualdades sociais excessivas através de transferências, foi construído em um momento em que o número de perdedores era relativamente pequeno. Mas, à medida que a participação dos perdedores cresceu ao lado do surgimento de uma economia pós-industrial, esse modelo atingiu seus limites, com a crescente quantidade de redistribuição prejudicando a eficiência econômica.

O que a Macron está tentando fazer é atualizar o sistema operacional econômico da França, passando da abordagem reparadora do passado para um modelo preparatório que possa abordar melhor os desafios gerados pela tecnologia digital, a globalização e a inovação rápida. Longe de ignorar as desigualdades, essa abordagem visa evitar que elas se apoderem. A lógica redistributiva tradicional será abandonada a favor de uma abordagem pré-distributiva.

Na prática, isso significa que o desemprego seria abordado não pela expansão da força de trabalho do setor público, mas pelo fortalecimento da capacitação através de programas que refletem as reais necessidades das empresas. Isso significa que as desigualdades educacionais seriam reduzidas não apenas pelo aumento de recursos, mas também com uma abordagem interdisciplinar que equilibra a intervenção precoce para apoiar os mais vulneráveis com maior autonomia institucional. E isso significa que a qualidade do sistema de saúde será melhorada, não por jogar mais dinheiro, mas por uma maior ênfase na medicina preventiva.

A fusão de esquerda e direita de Macron criou algo de dilema existencial para os partidos políticos tradicionais da França, que agora estão lutando pela sobrevivência. As eleições parlamentares europeias de 2019 podem constituir um tipo de avaliação.

Mas esse não é o ponto. Em um momento de aprofundar a desigualdade, o principal desafio que a França enfrenta é mudar o foco do controle de dano para a prevenção de danos. As políticas de Macron precisarão ser avaliadas com base nesse objetivo, não de acordo com rótulos ideológicos que tenham perdido significado.

Zaki Laïdi

Zaki Laïdi, Professor de Relações Internacionais do L'Institut d'études politiques de Paris (Sciences Po), foi conselheiro do ex-primeiro-ministro francês Manuel Valls.  Seu livro mais recente é   Le reflux de l'Europe.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome