Edição online semanal
 
Sexta-feira 24 de Novembro de 2017  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

A REVOLUÇÃO DE OUTUBRO NA RÚSSIA PÓS-VERDADE

10-11-2017 - Andrei Kolesnikov

MOSCOVO -A Rússia está travando uma batalha entre a história oficial (a história do estado) e a contra-história (a história da sociedade civil e as memórias das pessoas). Com o centenário da Revolução de Outubro deste ano, o choque se mudará para o centro da vida pública.

O presidente Vladimir Putin é a encarnação da nostalgia tanto para os tempos soviéticos quanto para a sacralização do estado desse período, o que permitiu ao governo usar, na linguagem moderna, "falsas novidades" para promover seus próprios fins.   Na verdade, a Revolução de Outubro é lembrada sem uma pequena quantidade de ambivalência e trepidação.   Apenas a palavra "revolução" é abominável para as elites russas modernas, tendendo como precede pelos epítetos "laranja" ou "cor" - a   bête noire   para o regime de Putin.   Ao mesmo tempo, a revolução foi um momento importante na história da Rússia e, portanto, uma fonte de identidade nacional.

Para o Partido Comunista, o aniversário é uma oportunidade clara de se apresentar como o sucessor de uma grande e duradoura tradição anticapitalista, embora uma que agora reúna os ensinamentos marxistas-leninistas e os ensinamentos da Igreja Ortodoxa Russa.   Mas o Partido Comunista já não está no poder, e para aqueles que são, é muito mais difícil articular uma abordagem coerente ao centenário.

Dada a importância histórica da revolução, o Kremlin não pode evitar comemorá-lo.   Mas ao invés de perseguir a necessária reconciliação dos adversários - os vermelhos e os brancos - o regime provavelmente tomará um lado, a fim de girar a história em seu próprio benefício. Esse giro provavelmente será imperial.

De acordo com a narrativa do império, Vladimir Lenine era um gênio maligno que perturbou o império russo num momento em que estava florescendo e repleto de espiritualidade.   Joseph Stalin então reconstruiu o império ostensivamente sobre a base do marxismo-leninismo, mas realmente com base nos valores tradicionais conservadores russos.

O "degelo" pós-Stalin de Nikita Khrushchev, quando a repressão e a censura foram relaxadas, prejudicaram os valores fundamentais do império, dando mão descuidadamente da Crimeia à Ucrânia.   Mas, desde o final de 1964, quando Khrouchchev foi deposto, as coisas melhoraram, com os russos vivendo silenciosamente e felizmente.   A queda da União Soviética, que representou outra ruptura do império, foi uma grande catástrofe geopolítica na história russa.

Nesta interpretação, os tempos de gelo na história da Rússia - períodos em que os líderes de sangue frio governavam com um punho de ferro - eram bons para o país. Desregulações - períodos de democratização e modernização - eram ruins, caracterizados por rupturas e violência.Todas as alusões do regime de Putin à era stalinista devem reforçar a própria imagem de Putin como um ditador benevolente moderno, capaz de restaurar a influência global da Rússia e trazê-la de prosperidade.

Este discurso levou algumas autoridades locais a construir monumentos para Stalin e Ivan the Terrible, enquanto as autoridades federais erigiram cerimoniosamente um monumento a Vladimir the Great, que trouxe a ortodoxia para a Rússia Kievan. Quão fortuito ele compartilha um nome com o presidente de hoje.

Em certo sentido, a história é mais poderosa do que a política.Propaganda centra-se nas vitórias militares da "história de 1.000 anos" da Rússia (direitos autorais: Vladimir Putin), a fim de reforçar a imagem da Rússia como uma fortaleza sitiada pelo Oeste hostil.Segunda Guerra Mundial, da qual 70 anos de democracia liberal surgiram na Europa Ocidental, é usado na Rússia para legitimar o atual regime autocrático.

Glorificar o passado pode até compensar as ramificações políticas do baixo desempenho econômico. Considere como a posição de Putin beneficiou da anexação de Crimeia - um movimento que ele defendeu em termos históricos - apesar do impacto devastador desse movimento na economia russa. Como esse impacto foi entregue em grande parte através de sanções ocidentais, ele se encaixava na mão orientadora da narrativa imperial de Putin como uma luva.

Mas, além da biografia de um estado - as histórias de guerras, canhões, comandantes militares, estadistas, hierarquia administrativa e construção do império que compõem a história oficial da Rússia - há outra história. É a história da liberdade, englobando histórias e memórias de pessoas comuns, dissidentes e pensadores independentes.

Na sua luta com essa contra-história, o regime está tentando nacionalizar histórias pessoais e biografias. Quando Putin se juntou às fileiras da marcha informal "Bessmertnyi Polk" (Regimento imortal), em que os cidadãos comemoram seres queridos que morreram na Segunda Guerra Mundial, ele transformou-a em uma iniciativa do Kremlin.

Mas esses esforços não podem obscurecer o choque entre essas duas histórias, refletido talvez mais claramente na divisão entre conservadores e liberais em condenar a repressão stalinista. Também é evidente nas discussões sobre a Segunda Guerra Mundial - ou a "Grande Guerra Patriótica", como os russos chamam - e a turbulenta década de 1990. Nesse sentido, o aniversário da Revolução de Outubro pode ser visto como um evento de segundo nível, apesar do seu simbolismo.

No entanto, o centenário oferecerá a Putin a oportunidade de fortalecer sua narrativa preferida: que a Rússia, que sempre foi grande sob poderosos líderes nacionais, está agora voltando à grandeza, graças ao poder que Putin consolidou. Esta é a história, de estilo russo: um passado tornado útil para os propósitos presentes.

Andrei Kolesnikov

Andrei Kolesnikov é um associado sénior e o Presidente do Programa de Políticas Domésticas e do Programa de Politicas Institucionais Russas no Centro Carnegie de Moscovo.

 

 

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome