Edição online semanal
 
Sexta-feira 24 de Novembro de 2017  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

O retorno da Europa à crise?

13-10-2017 - Daniel Gros

BRUXELAS - A União Europeia - que depende do Estado-nação não apenas para a implementação de suas políticas, mas também para sua própria legitimidade - pode funcionar tão bem quanto seus Estados membros. E, hoje, esses Estados membros, incluindo, mas não limitado a, Espanha são severamente enfraquecidos por conflitos internos.

Apenas quatro meses atrás, quando o Europhile Emmanuel Macron foi eleito presidente de França, parecia que a União Europeia poderia finalmente esperar um período de calma. Mas a calma é a última coisa que se pode ver nas ruas de Barcelona, onde manifestações a favor da independência da Catalunha - um referendo sobre o qual foi brutalmente reprimida pelas forças do governo - receberam protestos igualmente potentes contra ela.

À medida que o conflito interno da Espanha aumenta, um retorno à crise na Europa pode parecer quase inevitável. No entanto, o que está acontecendo no terreno na Espanha realmente indica que a recuperação econômica europeia está se fortalecendo, ao mesmo tempo em que destaca os limites do que a UE pode alcançar.

A força da recuperação econômica da UE é revelada pela ausência de qualquer reação significativa ao mercado financeiro às cenas tumultuadas na Catalunha. Uma situação semelhante surgiu alguns anos atrás, haveria uma corrida em títulos do governo espanhol, e o mercado de ações da Espanha teria trancado. Hoje, no entanto, os mercados estão levando a persistente incerteza política do país.

Este voto de confiança é construído em bases sólidas. Toda a economia da zona do euro está crescendo a taxas respeitáveis, embora não espetaculares. E a economia espanhola vem crescendo mais rapidamente do que a média do euro, ao mesmo tempo em que mantém suas contas externas em ligeiro superávit.

Isto significa que a recuperação da Espanha baseia-se no aumento da oferta, em vez do aumento da demanda doméstica, como foi o caso durante o boom da construção pré-crise. Acrescente a isso a existência de instituições da zona do euro que podem resolver as dificuldades de financiamento temporário enfrentadas por bancos ou estados, e torna-se mais claro por que a profunda crise política da Espanha não foi acompanhada por perigosas operações de mercado financeiro.

Mas a crise da Catalunha também ressalta as limitações do modelo de integração da UE, que estão enraizados no facto de que a União é, em última instância, baseada no estado-nação. Este modelo não pode ser descrito como intergovernamental. Em vez disso, baseia-se na implementação indireta: quase tudo o que a UE faz e decide é realizado pelos governos nacionais e suas administrações.

Esta distinção pode ser vista de forma mais marcante na área da política monetária, onde o mecanismo de decisão definitivamente não é intergovernamental: o Conselho de Administração do Banco Central Europeu opera com base em uma maioria simples.

Mas o mecanismo de implementação é certamente indireto: uma vez que uma decisão é tomada, é realizada por bancos centrais nacionais - uma abordagem que pode ter importantes implicações. Por exemplo, as vastas operações de compra de títulos nominalmente realizadas pelo BCE nos últimos anos foram tratadas em grande parte pelos bancos centrais nacionais, que compram os títulos dos próprios governos.

O Tribunal de Justiça Europeu no Luxemburgo - outra instituição comum de importância crucial - também depende de um mecanismo de tomada de decisão que não seja intergovernamental. No entanto, seus juízes são nomeados pelos governos nacionais e os tribunais e as administrações nacionais aplicam suas decisões.

Uma comparação com os Estados Unidos destaca as fraquezas dessa abordagem. Enquanto o Federal Reserve dos EUA também tem uma estrutura regional, os bancos de reserva de distrito individuais cobrem vários estados e não estão vinculados a nenhum governo ou instituição estatal. Da mesma forma, os juízes da Suprema Corte dos EUA são nomeados por instituições federais (o Senado aceita ou rejeita os indicados pelo presidente), e não pelos governos estaduais.

Para a UE, confiar em seus estados membros para construir instituições comuns era, sem dúvida, o único meio de iniciar o processo de integração, tendo em conta a profunda desconfiança entre os países que haviam combatido tantas guerras brutais um contra o outro. E, no entanto, uma união que depende do Estado-nação, não apenas para a implementação, mas também para a legitimidade, pode funcionar tão bem como seus membros individuais. Mas, hoje, com a maioria deles estão envolvidas por conflitos internos, esse modelo está atingindo seus limites.

Na Grécia, os fracos sistemas administrativos e judiciais impediram a recuperação econômica. Na Polônia e na Hungria, os governos "iliberais" estão prejudicando a independência judicial. E na Espanha, o sistema político parece incapaz de resolver o conflito entre o governo regional da Catalunha, com suas aspirações de maior autodeterminação e o governo central em Madrid, que argumenta que mesmo considerando a questão prejudicaria a ordem constitucional.

Mesmo a Alemanha enfrenta desafios políticos internos. Tendo perdido cerca de um quinto dos eleitores nas recentes eleições federais, a chanceler Angela Merkel terá que contar com três parceiros de coalizão indisciplinados durante o quarto, e provavelmente o último. Quanto à Itália, as pesquisas de opinião sugerem que a maioria dos eleitores agora apóia os partidos populistas e/ou eurocépticos.

Embora os partidos Euroskeptic abertos parecem improváveis de ganhar poder em qualquer lugar, essas mudanças políticas não são óbvias para a integração europeia. A UE enfrenta pouca hostilidade absoluta. Hoje, ela enfrenta, em vez disso, uma "indiferença obstrutiva", como muitos dos seus estados membros estão cada vez mais preocupados com seus desafios internos, tornando a integração europeia pouco mais do que um segundo pensamento na maior parte do continente.

Os líderes da UE que ainda querem avançar na integração não podem mais contar com o argumento, usado durante a crise financeira, que não há alternativa. E o consenso permissivo dos primeiros anos de integração já se passou. Se houver mais progressos em direção a "uma união cada vez mais próxima", os líderes da Europa terão de encontrar um novo modelo que possa superar a apatência crescente de seus cidadãos.

Daniel Gros

Daniel Gros é diretor do Centro de Estudos de Política Europeia, com sede em Bruxelas. Ele trabalhou para o Fundo Monetário Internacional e serviu como conselheiro econômico da Comissão Europeia, do Parlamento Europeu e do primeiro ministro francês e ministro das Finanças. É editor da Economie Internationale e das Finanças Internacionais.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome