Edição online semanal
 
Segunda-feira 16 de Outubro de 2017  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

Caminho da Grã-Bretanha para a Perdição

29-09-2017 - Anatole Kaletsky

O establishment político britânico está agora a convergir para uma forma de Brexit que não satisfará nem o "Leave" nem o campo "Remain". Com essa perspectiva deprimente, alguns começam a se perguntar o que seria necessário para que os britânicos mudassem de ideia para deixar a União Europeia.

Antes de abandonar a União Europeia, o governo britânico agora quer um "período provisório", no qual o Reino Unido reterá os direitos comerciais da adesão à UE, enquanto ainda contribui para o orçamento da UE, observando os regulamentos da UE e os julgamentos legais, e permitindo que o livre circulação de pessoas. Este período duraria pelo menos dois anos após março de 2019 - o prazo oficial para o processo Brexit - o que significa que, até 2021, a Grã-Bretanha seria essencialmente um Estado membro da UE sem qualquer direito de voto.

Enquanto isso, o governo do primeiro-ministro britânico, Theresa May, que prometeu manter um relacionamento "profundo e especial" com a Europa, tentaria negociar um novo "acordo baseado em tratados" com a UE. Mas a Grã-Bretanha terá uma pequena chance de concluir um novo tratado em tão pouco tempo.

Na verdade, venha 2021, o Reino Unido ainda estará avançando para uma "falésia": uma pausa total da Europa, sem nenhum arranjo alternativo no lugar para amortecer o golpe. Politicamente, esse momento colocaria riscos ainda maiores para o governo de maio do que hoje enfrenta, uma vez que as próximas eleições gerais devem ser realizadas em junho de 2022. Portanto, o Reino Unido pode tentar prolongar o período de transição para além de 2022. E, como a experiência passada nos diz, uma vez uma extensão é concedida, talvez nunca termine.

O Reino Unido parece estar abordando o cenário que descrevi três meses atrás. A decisão fatídica de maio de realizar eleições antecipadas em junho permitiu que seus oponentes exigissem que o Reino Unido negocie um acordo de transição similar ao que a Noruega tem como membro da Área Econômica Europeia. O EEE foi originalmente criado em 1994 como um quadro temporário para vários países que se preparam para se juntar à UE. Mas porque os eleitores noruegueses rejeitaram um referendo sobre a adesão à UE 11 meses depois, o EEE já durou 24 anos.

Ninguém pode prever o que acontecerá em 24 anos. Mas a boa notícia para a Grã-Bretanha é que a UE já pode avançar lentamente para uma estrutura de duas vias. Para prosperar, a zona do euro precisará estabelecer uma união política. Isso deixará os países que não são do euro, como a Dinamarca, a Polônia e a Suécia, formando um anel externo de cooperação econômica fora da zona do euro. Esses países seriam membros do mercado único, mas não na união monetária ou política.

Uma Europa de duas pistas seria muito diferente do modelo "de duas velocidades" que se aplica à Europa hoje. No último, cada país está teoricamente em direção a uma "união cada vez mais próxima", apenas a taxas diferentes. Em um cenário de duas pistas, em contraste, a Grã-Bretanha poderia voltar a juntar-se confortavelmente à pista externa junto com a Noruega e, talvez, com a Suíça.

Agora às más notícias. Um acordo de transição para o Reino Unido pode ser inaceitável tanto para os governos da UE como para os eleitores britânicos. Os federalistas comprometidos na UE querem a Grã-Bretanha o mais rápido possível, porque a Grã-Bretanha há muito que ofereceu cobertura para outros - como a Dinamarca, a Polônia e a Suécia - para resistir a uma integração mais profunda.

Os fanáticos federalistas odeiam a ideia de uma Europa de duas pistas. Eles querem forçar todos os Estados membros da UE a adotar o euro na próxima década e a incorporar-se permanentemente a uma união política e fiscal em grande escala. E eles acreditam com razão que alcançar esse objetivo será mais fácil com a Inglaterra fora da foto.

Mas um período de transição não é panaceia para o Reino Unido. Os britânicos já começaram a ter um vislumbre dos custos econômicos da Brexit, já que as empresas internacionais que antes usavam a Grã-Bretanha como um centro para suas operações europeias começaram a mudar suas atividades. Como o governo do Reino Unido tenta manter a ficção de uma transição estritamente limitada no tempo, esse processo acelerará ainda mais. Além disso, a UE usará o período de transição para alterar seus próprios regulamentos, de modo que as empresas que geram emprego e grandes receitas tributárias terão de se deslocar para o território da UE.

Por exemplo, a Autoridade Bancária Europeia e a Agência Europeia de Medicamentos já estão se mudando de Londres, o que significa que muitos trabalhos legais, de gestão e de lobby ligados a atividades altamente regulamentadas, como finanças e pesquisa farmacêutica, terão de se mudar também. Um período de transição atingiria as empresas internacionais com sede na Grã-Bretanha com um duplo controle regulatório: eles estarão sujeitos aos caprichos das burocracias do Reino Unido e da UE ao mesmo tempo.

Piorando a situação, a promessa de uma longa transição pode atrasar a mudança na opinião pública necessária para reverter a Brexit antes que seja tarde demais. Após 28 de março de 2019, o Reino Unido será oficialmente fora da UE, onde o crescimento econômico já começou a ultrapassar o da Grã-Bretanha. Se alguma vez quiser ser readmitido, terá que se contentar com termos muito menos atraentes do que o que gosta hoje. Não só não receberá descontos orçamentais nem tratamento especial nos regulamentos sociais; pode até ser forçado a aderir ao euro.

Mesmo os 48% dos eleitores britânicos que votaram "Permanecer" podem rejeitar termos tão humilhantes. A Grã-Bretanha seria assim presa no limbo - como a Noruega, mas sem a riqueza do petróleo ou a coesão social. Como disse o porta-voz do Partido Trabalhista, um período de transição semi-permanente baseado no "modelo da Noruega" tornaria a Grã-Bretanha um " estado vassalo ". Ainda pagaria grandes somas no orçamento da UE e aderia às leis da UE, mas não teria nenhuma palavra sobre como esse dinheiro é gasto ou como essas leis são feitas.

Nos próximos meses, o público britânico pode começar a prever esse final de jogo humilhante. O modelo da Noruega não satisfará nem os idosos da Grã-Bretanha, os eurofóbicos provinciais, nem os jovens eleitores urbanos que querem preservar os direitos da cidadania da UE que eles tomaram por certo durante toda a vida.

Com essa perspectiva deprimente, os eleitores britânicos poderiam mudar de opinião sobre Brexit antes que seus líderes passassem com isso. Mas, para que tal conversão Damascene aconteça, o país teria que enfrentar uma crise política ou econômica suficientemente grande para abalar a opinião pública de sua complacência fatalista. Por assim dizer, os britânicos estão emulando esse amado slogan nacional: "Mantenha a calma e continue". Antes que as coisas melhorem para a Grã-Bretanha, eles provavelmente terão que piorar ainda mais.

Anatole Kaletsky

Anatole Kaletsky é Economista-Chefe e Co-Presidente do GaveKal Dragonomics e presidente do Institute for New Economic. Um ex-colunista do Times de Londres, do Internacional New York Times e do Financial Times, ele é o autor do Capitalism 4.0, O Nascimento de uma Nova Economia, que antecipou muitas das transformações pós-crise da economia global. Seu livro de 1985, Costs of Default, tornou-se a cartilha influente para os governos latino-americanos e asiáticos na negociação das moratórias e reestruturações com bancos e o FMI.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome