Edição online semanal
 
Domingo 25 de Junho de 2017  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

A GUERRA DOS SEIS DIAS 50 ANOS DEPOIS

02-06-2017 - Richard N. Haass

NOVA IORQUE - O mundo está prestes a assinalar o 50.º aniversário da guerra de Junho de 1967 entre Israel e o Egipto, a Jordânia e a Síria - um conflito que continua a destacar-se numa região com uma história moderna amplamente definida pela violência. A guerra durou menos de uma semana, mas o seu legado permanece pronunciado meio século depois.

A guerra em si foi desencadeada por um ataque preventivo israelita contra a Força Aérea do Egipto, em resposta à decisão tomada por este país de expulsar uma força de paz das Nações Unidas de Gaza e da Península do Sinai e de fechar o Estreito de Tiran à navegação israelita. Israel atacou primeiro, mas a maioria dos observadores considerou esta medida como um acto legítimo de autodefesa contra uma ameaça iminente.

Israel não tinha intenção de lutar em mais do que uma frente, mas a guerra expandiu-se rapidamente quando a Jordânia e a Síria entraram no conflito do lado do Egipto. Foi uma decisão dispendiosa para os países árabes. Depois de apenas seis dias de combates, Israel controlava a Península do Sinai e a Faixa de Gaza, os Montes Golã, a Cisjordânia e a totalidade de Jerusalém. A dimensão do novo Israel era três vezes superior à do antigo. Lembrava curiosamente o Génesis: seis dias de intenso esforço seguidos de um dia de descanso, neste caso a assinatura de um cessar-fogo.

A batalha unilateral e o seu resultado acabaram com a convicção (para alguns, o sonho) de que Israel poderia ser eliminado. A vitória de 1967 assegurou a Israel uma permanência que as guerras de 1948 e 1956 não conseguiram. O novo Estado adquiriu finalmente um grau de profundidade estratégica. A maioria dos líderes árabes transferiram o seu objectivo estratégico de desaparecimento de Israel para o seu retorno às fronteiras de guerra anteriores a 1967.

A Guerra dos Seis Dias, no entanto, não conduziu à paz, nem mesmo a uma paz parcial. Isso teria de esperar até à guerra de Outubro de 1973, que preparou o terreno para os Acordos de Camp David e o tratado de paz entre Israel e o Egipto. O lado árabe saiu deste conflito subsequente com a honra restaurada; os israelitas, por sua vez, saíram castigados. Isto encerra uma importante lição: os resultados militares decisivos não conduzem necessariamente a resultados políticos decisivos, e muito menos à paz.

No entanto, a guerra de 1967 conduziu à diplomacia, neste caso à Resolução 242 do Conselho de Segurança das Nações Unidas. Aprovada em Novembro de 1967, a resolução instava à retirada de Israel dos territórios ocupados no recente conflito - mas também confirmava o direito de Israel de viver dentro de fronteiras seguras e reconhecidas. A resolução era um caso clássico de ambiguidade criativa. Pessoas diferentes atribuem-lhe significados diferentes. Este facto pode tornar mais fácil a adopção de uma resolução, mas dificulta a sua aplicação.

Assim, não é surpresa que ainda não exista paz entre Israel e a Palestina, não obstante os incontáveis compromissos diplomáticos dos EUA, da União Europeia e dos respectivos Estados-Membros, da ONU e dos próprios partidos. Para sermos justos, a Resolução 242 não pode ser responsável por estado de coisas. A paz só surge quando um conflito se torna propício à resolução, o que acontece quando os líderes dos principais protagonistas estão dispostos e têm condições de aceitar o compromisso. Sem isto, nenhum esforço diplomático bem-intencionado por parte de terceiros poderá compensar.

Mas a guerra de 1967 teve um impacto enorme, mesmo assim. Os palestinianos adquiriram uma identidade e uma proeminência internacional que em grande parte os iludiram quando a maioria vivia sob o domínio do Egipto ou da Jordânia. O que os palestinianos não conseguiram alcançar foi um consenso entre si sobre se aceitariam Israel e, em caso afirmativo, a que teriam de renunciar para ter um Estado próprio.

Os israelitas podiam concordar com alguns aspectos. A maioria apoiou o regresso do Sinai ao Egipto. Vários governos estavam preparados para devolver os Montes Golã à Síria sob condições que nunca foram cumpridas. Israel retirou-se unilateralmente de Gaza e assinou um tratado de paz com a Jordânia. Houve, além disso, um amplo consenso de que Jerusalém deveria permanecer unificado e em mãos israelitas.

Contudo, o acordo cessou quando chegou à Cisjordânia. Para alguns israelitas, este território era um meio para alcançar um fim, ser trocado por uma paz segura com um Estado responsável da Palestina. Para outros, constituía um fim em si mesmo, ser resolvido e mantido.

Isto não sugere uma ausência total de progressos diplomáticos desde 1967. Muitos israelitas e palestinianos passaram a reconhecer a realidade da existência uns dos outros e a necessidade de algum tipo de divisão do território em dois estados. No entanto, por enquanto, nenhum dos dois lados está preparado para resolver o que os separa. Ambos os lados pagaram e continuam a pagar um preço por este impasse.

Além do preço físico e económico, os palestinianos ainda não dispõem de um Estado próprio nem do controlo sobre a sua vida. O objectivo de Israel de ser um país permanentemente judeu, democrático, seguro e próspero é ameaçado pela ocupação de duração indeterminada e pela evolução das realidades demográficas.

Entretanto, a região e o mundo avançaram, na sua maioria, mais preocupados com a Rússia, a China ou a Coreia do Norte. E mesmo se houvesse paz entre israelitas e palestinianos, tal não traria paz à Síria, ao Iraque, ao Iémen ou à Líbia. Cinquenta anos depois de seis dias de guerra, a ausência de paz entre israelitas e palestinianos faz parte de um status quo imperfeito que muitos passaram a aceitar e a esperar.

Richard N. Haass

Richard N. Haass, Presidente do Conselho de Relações Exteriores, serviu anteriormente como Director de Planeamento de Políticas para o Departamento de Estado dos Estados Unidos (2001-2003) e foi enviado especial do Presidente George W. Bush para a Irlanda do Norte e Coordenador para o Futuro do Afeganistão. Ele é o autor de   A World in Disarray: American Foreign Policy and the Crisis of the Old Order.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome