Edição online quinzenal
 
Domingo 2 de Outubro de 2022  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

COMO ABE MUDOU O JAPÃO

15-07-2022 - Bill Emmott

O assassinato do ex-primeiro-ministro Abe Shinzō, compreensivelmente, é um choque, já que o Japão não sofre violência política há meio século. Talvez não por coincidência, o último político de alto escalão a ser vítima de um ataque violento também tomou medidas para fortalecer a postura militar do país.

assassinato  do ex-primeiro-ministro japonês Abe Shinzō  em um evento de campanha eleitoral em Nara, no Japão, é chocante e intrigante. É chocante porque o Japão não conhece quase nenhuma violência política  há pelo menos meio século e porque a posse de armas  no país é rigidamente controlada. É intrigante porque Abe, que deixou o  cargo de primeiro-ministro em 2020, não tinha nenhum papel formal no governo; no entanto, o assassinato foi claramente um ato político.

É improvável que a morte de Abe tenha algum impacto nas eleições  de 10 de julho para a Câmara dos Conselheiros do Japão (a câmara legislativa superior e, portanto, júnior), que o Partido Liberal Democrata no poder já esperava vencer confortavelmente. A trágica perda do ex-líder e primeiro-ministro do LDP pode acrescentar alguns votos de simpatia ao aumentar a participação, mas principalmente surpreendeu e desconcertou um país que está completamente desacostumado a tal violência.

O legado de Abe de seu mandato recorde como primeiro-ministro – que foi dividido entre um ano malsucedido em 2006-07, seguido por um retorno triunfal por sete anos de 2012 a 2020 – é mais notável por seus efeitos na política externa e de segurança japonesa do que sobre assuntos domésticos. Certamente, Abe foi um bom vendedor de sua agenda de política econômica, que ele promoveu com sucesso sob a bandeira de “  Abenomics ”; mas, no final, foi sua política externa, não seu programa econômico, que foi transformador.

Abe trouxe clareza, força de propósito e – por força de sua longevidade no cargo – credibilidade à política externa japonesa. O fato de o termo “Indo-Pacífico” ser agora comumente usado para descrever a segurança e a estratégia diplomática na Ásia se deve em grande parte a Abe, que fez um esforço japonês pré-existente para construir um relacionamento mais forte com a Índia  e o usou para reformular e estender a posição de seu  país  tanto regional quanto globalmente.

Essa postura foi ditada pela ascensão da China e sua retórica e ações cada vez mais assertivas dentro e ao redor dos Mares do Sul e Leste da China. Sob Abe, o Japão se comprometeu  a definir uma arena estratégica e diplomática que seria mais difícil para a China dominar. O aprofundamento dos laços com a Índia fazia parte dessa estratégia, assim como os esforços de Abe para fortalecer as forças armadas do Japão. Ele foi um dos principais proponentes de propostas para alterar a constituição do país para que seus militares pudessem desempenhar um papel maior ao lado de seu principal aliado, os Estados Unidos.

Abe era inegavelmente um nacionalista. Ele originalmente cortejou controvérsia com visões um tanto revisionistas  sobre a história de guerra do Japão, especialmente em relação à questão quente das “ mulheres de conforto ” que o Exército Imperial Japonês forçou à escravidão sexual nos países ocupados. Uma vez no cargo, no entanto, ele minimizou amplamente suas opiniões anteriores. Além disso, ele construiu relações diplomáticas  mais próximas e profundas em todo o Sudeste Asiático, melhorando os laços até mesmo com o vizinho mais espinhoso e ex-colônia do país, a Coréia do Sul. Embora as relações com a China fossem muitas vezes tensas - especialmente quando Abe visitou  o controverso Santuário Yasukuni do Japão por seus mortos de guerra - o diálogo sino-japonês foi mantido.

É sempre difícil adivinhar os motivos de um assassino solitário. O homem preso pelo assassinato de Abe, Tetsuya Yamagami, de 41 anos, parece ter usado uma grande espingarda caseira. Dado que o Japão é um dos  países mais seguros do mundo, a segurança em eventos políticos tende a ser leve, mesmo para um ex-primeiro-ministro, o que presumivelmente explica como o atirador conseguiu fazê-lo.

De acordo com reportagens, Yamagami serviu por três anos na marinha do Japão, a Força Marítima de Autodefesa, até 2005. Esse histórico – combinado com a defesa de Abe de um exército japonês mais forte e os esforços para eliminar  a cláusula pacifista da constituição (Artigo 9) – torna é razoável especular que o assassinato foi cometido em protesto contra a postura militar do país.

Embora Abe não estivesse mais no cargo, ele ainda era, sem dúvida, o defensor mais proeminente e conhecido do país de uma capacidade militar mais forte. Nessa qualidade, ele muitas vezes expressou a determinação de concluir o trabalho iniciado por seu avô, Nobosuke Kishi, que, como primeiro-ministro em 1960, conduziu uma revisão do tratado de segurança  do país com os EUA, com vistas a reforçar a defesa japonesa.

Infelizmente, talvez não seja coincidência que o último primeiro-ministro japonês a ser vítima de um ataque violento tenha sido Kishi, que foi esfaqueado por um agressor seis vezes  logo após a aprovação do tratado de segurança revisado. Ao contrário de Abe, no entanto, seu avô sobreviveu.

BILL EMMOTT

Bill Emmott, ex-editor-chefe do The Economist, é codiretor da Comissão Global para Políticas Pós-Pandemia.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome