Edição online quinzenal
 
Domingo 2 de Outubro de 2022  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

O GRANDE DEBATE SOBRE O PACIFISMO NA ALEMANHA

17-06-2022 - Helmut K. Anheier

A guerra da Rússia na Ucrânia forçou a Alemanha a lidar com as implicações de seu pacifismo de longa data e ênfase no engajamento construtivo com o Kremlin. Como os Estados Unidos, o Reino Unido e a França décadas atrás, a Alemanha agora deve decidir entre uma “má paz” e uma “boa guerra”.

Um comentário  do filósofo Jürgen Habermas desencadeou um dos debates políticos mais ferozes da Alemanha em décadas, sobre a questão de como o país deve se posicionar na guerra russo-ucraniana que se aprofunda. O chanceler Olaf Scholz foi alvo de uma enxurrada de cartas abertas  , cada uma assinada por centenas de figuras públicas importantes. Alguns assumem uma posição agressiva, defendendo um engajamento mais vigoroso e activo em nome da Ucrânia; outros são pacíficos, pressionando por um acordo que permitiria à Rússia reivindicar algum tipo de vitória e poupar a Europa de um conflito cada vez maior e prolongado.

Como um país amplamente pacifista, a Alemanha não está familiarizada nem confortável com as suposições, linhas vermelhas e questões incómodas que tais debates acarretam. Questões há muito ignoradas de segurança nacional e europeia de repente vieram à tona. No comentário que deu início ao debate, Habermas contrasta a reacção imediata da classe política e da mídia alemãs à agressão russa com a de um público mais perplexo e inseguro. Os alemães estão fortemente divididos  sobre a decisão do Bundestag de entregar armas pesadas à Ucrânia, bem como sobre a questão de saber se as sanções actuais vão longe o suficiente.

Essa falta de consenso coloca muitos dilemas para Scholz. Afinal, foi seu próprio partido, os social-democratas, que por muito tempo defendeu  o engajamento construtivo ( Ostpolitik ) com a União Soviética e depois com a Rússia – uma abordagem que infelizmente levou o ex-chanceler Gerhard Schröder do SPD a se tornar um dos contratados do presidente russo Vladimir Putin. Reconhecendo que cinco décadas de  Ostpolitik  deixaram um legado difícil, Habermas defendeu Scholz da acusação de que ele foi muito cauteloso ao confrontar Putin.

O novo chanceler está imitando sua antecessora, Angela Merkel, tentando passar por cima do muro? Não, argumenta Habermas. Scholz está correcto em adoptar uma abordagem medida:

“As demandas da inocentemente oprimida Ucrânia, que rapidamente transformam os erros políticos e as decisões erradas dos governos federais anteriores em chantagem moral, são tão compreensíveis quanto as emoções, a simpatia e a necessidade de ajudar… confiança com que os acusadores moralmente indignados na Alemanha criticam um governo federal reflexivo e cauteloso”.

As referências a “chantagem moral” e “acusadores indignados” provocaram respostas de pombas e gaviões, respectivamente. Na primeira das cartas abertas  que se seguiram, Alice Schwarzer, a principal activista dos direitos das mulheres da Alemanha, e seus co-signatários pedem a suspensão das entregas de armas para a Ucrânia. Embora reconheçam que “há um dever político e moral fundamental de não recuar da violência agressiva sem resistência”, eles querem que a Alemanha pressione por um compromisso aceitável para todas as partes, mesmo que isso signifique dar a Putin uma espécie de vitória. Caso contrário, a Alemanha está “aceitando um risco manifesto de que esta guerra se transforme em um conflito nuclear”.

Outra carta aberta oferecendo a visão oposta  logo se seguiu. Publicado em alemão e inglês, foi elaborado por Ralf Fücks, ex-político do Partido Verde e ex-chefe da Fundação Heinrich Böll, que agora lidera o think tank Liberal Modernity. Fücks e seus co-signatários exortam Scholz rapidamente a “fornecer à Ucrânia todas as armas disponíveis necessárias para repelir a invasão russa; impor um embargo às exportações russas de energia para privar o regime dos meios financeiros para a guerra; e dar à Ucrânia uma perspectiva vinculativa de adesão à União Europeia.” Tudo isso é necessário, eles argumentam, para garantir a própria segurança da Europa e prevenir crimes adicionais contra a humanidade.

Enquanto um lado argumenta que uma “má paz” (recompensar o agressor) é melhor do que uma guerra contínua, o outro lado argumenta que uma “guerra boa” (punir o agressor) é a única maneira de garantir uma “paz estável”. Embora os Estados Unidos, o Reino Unido e a França tenham enfrentado esse dilema no passado (lembre-se do apaziguamento de Hitler pelo primeiro-ministro britânico Neville Chamberlain em 1938), a Alemanha não está acostumada a lidar com esses dilemas morais.

Desde que as cartas abertas apareceram, o debate ficou mais intenso. Os ânimos esquentaram, as posições endureceram e o esforço de Habermas para encorajar uma discussão comedida passou a parecer fútil. Embora a Alemanha tenha uma rica cultura de debate, também evitou debater certas questões por muito tempo. A população se orgulha de sua democracia liberal e cultura política pacifista e geralmente não vê necessidade de questionar essas instituições.

Apesar de sua ferocidade, o debate da Alemanha na Ucrânia também oferece segurança, porque está ocorrendo no mainstream político e não nas margens. Embora existam diferenças claras entre os partidos políticos, também há um apoio substancial para cada campo dentro de cada um. 

Ambos os escritores de cartas, Schwarzer e Fücks, já fizeram parte da contracultura da Alemanha, mas agora se encontram no centro da acção política. Eles prestaram um grande serviço ao país ao forçar os alemães a considerar as implicações dos compromissos políticos que estão finalmente sendo postos à prova.

HELMUT K. ANHEIER

Helmut K. Anheier, Professor Adjunto de Bem-Estar Social na Luskin School of Public Affairs da UCLA, é Professor de Sociologia na Hertie School of Governance em Berlim.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome