Edição online quinzenal
 
Terça-feira 28 de Junho de 2022  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

QUAL É O OBJETIVO DO OCIDENTE NA UCRÂNIA?

01-04-2022 - Michael Ignatieff

O fracasso da Rússia em alcançar uma vitória rápida sobre a Ucrânia forçou o Ocidente a considerar quais deveriam ser seus próprios objectivos no conflito. Ao fazê-lo, deve percorrer uma linha ténue entre a desgraça da acção insuficiente e o risco de arrogância estratégica.

Sabemos o que o presidente russo Vladimir Putin quer na Ucrânia: varrer o país do mapa. Também sabemos o que o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky quer: manter a Ucrânia viva como um estado democrático. A questão é o que o Ocidente quer. Qual é o seu objectivo estratégico?

Até agora, os objectivos do Ocidente foram enquadrados no negativo: evitar ser arrastado para uma guerra com a Rússia, enquanto ainda faz o possível para ajudar os ucranianos. Isso significou dizer não a Zelensky quando ele pede uma “zona de exclusão aérea” imposta pela OTAN. Mas a estratégia de guerra do Ocidente não pode ser construída sobre o que não fará. A OTAN e seus aliados devem definir um objectivo positivo.

No início da invasão, quando muitos previam uma rápida vitória russa, o Ocidente pôde se ater à sinalização da virtude, dando os parabéns a Zelenski e ao seu governo pela sua coragem enquanto se preparava discretamente para evacuá-los para o exílio. Zelensky recusou a oferta, e agora que os ucranianos mostraram o que podem fazer, a NATO está despejando mísseis anti-tanque e antiaéreas no país e compartilhando inteligência militar com comandantes ucranianos.

O Ocidente entrou em uma guerra por procuração e, nas guerras por procuração, a procuração define os objectivos. Quando os procuradores se saem bem, é tentador começar a vislumbrar objectivos mais ambiciosos, desde forçar o oponente a um impasse humilhante até efectuar uma mudança de regime. No entanto, isso aumenta o risco de arrogância estratégica. Corremos o risco de esquecer que os russos têm uma longa experiência em suportar dificuldades económicas. Eles podem absorver uma grande quantidade de punições económicas antes de se levantarem contra o regime. Também é arrogante prever que o círculo íntimo de Putin se levantará e o destronará.

É muito cedo para concluir que Putin está perdendo a guerra. Ele já mudou para tácticas mais destrutivas e eficazes, com a hedionda destruição de Mariupol e Kharkiv indicando o que pode estar reservado para Kiev. Nem o Ocidente nem seu representante estão em posição de anunciar a mudança de regime como objectivo estratégico, o que arriscaria provocar Putin a buscar uma escalada ainda mais violenta e perigosa.

O Ocidente tem de estar de parabéns pela severidade do regime de sanções, mas as sanções são armas que atingem ambos os lados. Todo líder ocidental sabe que os preços mais altos da gasolina significam problemas políticos em casa, especialmente em ano eleitoral. Se o Ocidente reduzir ainda mais as importações de energia russa, ou se os próprios russos fecharem a torneira, uma recessão ou mesmo uma depressão surgirão.

Os líderes ocidentais podem estar preocupados com o provável impacto económico de longo prazo das sanções, mas eles também sabem que focar em suas próprias economias – e, portanto, em seus próprios futuros políticos – às custas dos ucranianos seria vergonhoso, e não apenas para os ucranianos. Em um momento em que a guerra despertou fúria nos eleitores ocidentais em uma escala sem precedentes, salvar as economias ocidentais sacrificando os ucranianos é uma política ruim e uma estratégia ruim. Se uma vitória russa ainda puder ser evitada, o Ocidente precisará intensificar sua assistência aos militares ucranianos para forçar Putin a um impasse sangrento, seguido por um acordo negociado que deixe pelo menos parte da Ucrânia intacta e nas mãos do governo Zelensky.

Mesmo aqui, o Ocidente precisa planejar o pior, não esperar o melhor. O pior seria a queda do governo Zelensky, após um longo cerco e bombardeio de Kiev. Fornecer aos ucranianos capacidades antiaéreas, antimísseis e anti-artilharia é essencial para quebrar o cerco. Mas se isso não conseguir conter os russos, o Ocidente terá que decidir se pode ficar parado e assistir ao bombardeio do palácio presidencial e à destruição de um governo democraticamente eleito. A queda do governo Zelensky daria a Putin a vitória de que ele tanto precisa;  permitir-lhe-ia eliminar a Ucrânia como Estado soberano e iniciar a russificação de um povo recém-conquistado.

Este cenário plausível deve dar aos líderes ocidentais clareza estratégica e moral. O objectivo estratégico do Ocidente nesta guerra deveria ser preservar o governo Zelensky. Ao salvar o governo, o Ocidente pode salvar a Ucrânia. Qualquer esforço russo para acabar com o governo Zelensky deve ser a linha vermelha do Ocidente: o momento em que envia uma mensagem a Putin de que, se ele não parar, responderá com força.

Os líderes políticos ocidentais têm a oportunidade de decidir sobre esta mensagem estratégica na cúpula da OTAN desta semana. Se eles conseguirem chegar a um consenso, caberá à liderança militar da aliança traçar planos tácticos para transmitir a mensagem em alto e bom som.

MICHAEL IGNATIEFF

Michael Ignatieff é professor de História na Central European University e autor de On Consolation: Finding Solace in Dark Times (Metropolitan Books, 2021).

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome