Edição online semanal
 
Quarta-feira 29 de Setembro de 2021  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

O QUE A CONTAGEM DE MEDALHAS OLÍMPICAS DIZ SOBRE A CHINA E A AMÉRICA

20-08-2021 - David Daokui Li

Os Jogos Olímpicos de Tóquio em 2020 fornecem uma riqueza de informações para analistas da competição das grandes potências em que a China e os Estados Unidos estão agora envolvidos. Ele também oferece três lições cruciais que, se atendidas, podem ajudar a acalmar as tensões bilaterais.

Entre chineses educados e com experiência internacional, nenhum tópico actual é mais desprezado do que as disputas sobre a contagem de medalhas chinesas e americanas nas Olimpíadas de Tóquio. O nacionalismo de mente estreita tem pouco interesse para eles, assim como para a maioria dos americanos instruídos - e, geralmente, para mim. Mas, como economista, não sou tão indiferente à discussão sobre a contagem de medalhas.

Na verdade, a contagem de medalhas olímpicas de um país pode ser muito reveladora. Primeiro, pode reflectir os recursos de um país - quanto capital físico e social ele acumulou. Quanto maior e mais próspera a economia de um país, maior a probabilidade de seus cidadãos terem tempo de lazer e recursos materiais para investir no apoio à preparação de suas selecções para os Jogos.

Em segundo lugar, as medalhas podem ser um indicador da estabilidade social de um país. Um país devastado por guerras ou doenças - como, neste ano, a COVID-19 - dificilmente terá o luxo de direccionar muita atenção, quanto mais fundos, para seus atletas. Visto por essa óptica, os Jogos Olímpicos de Tóquio em 2020 fornecem uma riqueza de informações para analistas da competição das grandes potências na qual a China e os Estados Unidos estão agora envolvidos e oferece três lições cruciais.

Antes de apresentar essas lições, devemos definir o cenário. Desde o primeiro dia dos Jogos deste ano, a China liderou a contagem de medalhas de ouro. Com o desenrolar dos Jogos, China e Estados Unidos estavam ombro a ombro, na corrida mais próxima pelo ouro que os dois países já tiveram. Então, no último dia dos Jogos, a selecção americana de voleibol feminino venceu o Brasil e conquistou o ouro, e os Estados Unidos avançaram por um.

Na contagem geral de medalhas, o domínio da América foi mais pronunciado. Os EUA lideraram durante os Jogos e terminaram na frente por mais de duas dezenas.  Com isso, surge a primeira lição: os Estados Unidos continuam sendo a superpotência mais forte do mundo por uma grande margem. O mundo - e, mais importante, os Estados Unidos - deveriam considerar isso um facto.

O domínio dos Estados Unidos nos desportos reflecte seu status como a economia mais poderosa do mundo e sua sociedade mais rica, um lugar onde as pessoas têm muito tempo de lazer, acesso a uma educação sólida e os meios para alto consumo. Muitas pessoas nos Estados Unidos se esquecem disso e ficam paranóicas com a ideia de que a China está "recuperando o atraso".

Quando os formuladores de políticas pensam dessa maneira - exagerando a chamada ameaça da China - eles frequentemente apoiam políticas que são irracionais, desnecessariamente agressivas e míopes. Portanto, é imperativo que os EUA tenham em mente a primeira lição das Olimpíadas de Tóquio, permanecendo auto confiantes, em vez de tratar a China como uma grave ameaça.

A segunda lição da competição de medalhas China-EUA é que os dois países devem se concentrar em lidar com suas próprias fraquezas e apresentar o melhor desempenho possível, em vez de tentar tropeçar um no outro. A China teve um desempenho relativamente bom nas Olimpíadas deste ano - especialmente à luz do desempenho decepcionante amplamente percebido do país nos Jogos de 2016 no Rio de Janeiro - como resultado de intenso treino e trabalho árduo.

Em contraste, os EUA geralmente tiveram um desempenho inferior em Tóquio, ganhando significativamente menos medalhas do que o esperado em áreas onde é tradicionalmente dominante, como natação e atletismo. Um momento decisivo foi o revés masculino de 4x100 metros, quando a equipe norte-americana perdeu uma vantagem significativa - e uma vaga na final - depois de não conseguir passar o testemunho sem problemas.

O desempenho decepcionante da equipe dos EUA pode reflectir em parte o tumulto doméstico dos últimos dois anos, particularmente as interrupções na prática causadas pela pandemia COVID-19. E talvez os protestos sociais envolvendo afro-americanos, que geralmente formam a base de grandes equipes olímpicas dos Estados Unidos, também tenham desempenhado algum papel.

A terceira lição é talvez a mais importante: aprender e se abrir são a chave para o sucesso de todos os países. Nem a China nem os EUA são perfeitos. Ambos têm instituições sociais, económicas e políticas deficientes e muito a aprender com as melhores práticas uns dos outros.

O maior herói da China nas Olimpíadas de Tóquio foi Su Bingtian. Embora Su não tenha conquistado nenhuma medalha, ele quebrou o recorde asiático de 100 metros rasos masculinos durante as semifinais, tornando-se o primeiro atleta chinês e o único asiático desde 1932 a chegar à final do evento (onde ficou em sexto lugar) .

Um factor importante para o sucesso de Su é que, ao contrário de muitos de seus colegas chineses, Su foi treinado por um renomado treinador dos Estados Unidos - um líder mundial no atletismo, especialmente em provas de velocidade de curta distância. O treinador de Su introduziu novas ideias e aplicou uma nova estrutura ao seu treino, ajudando-o a se tornar um corredor mais eficaz.

Na competição China-EUA, os dois países devem seguir o exemplo de Su. A China pode continuar aprendendo com as melhores práticas americanas em uma variedade de áreas. Da mesma forma, os EUA não deveriam ignorar os sucessos económicos e sociais da China como pura sorte ou falcatruas.  A abertura ao intercâmbio e o desejo genuíno de aprender ajudariam os dois países a ter um melhor desempenho. E, ao desarmar as tensões bilaterais, tornaria a corrida menos acirrada.

DAVID DAOKUI LI

David Daokui Li, ex-membro do comité de política monetária do Banco Popular da China, é director do Centro Académico para Prática e Pensamento Económico Chinês e professor de Economia na Universidade Tsinghua.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome