Edição online semanal
 
Quarta-feira 29 de Setembro de 2021  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

APOCALIPSE QUANDO?

13-08-2021 - Diane Coyle

A mudança do sistema é necessária para evitar catástrofes em potencial, como eventos climáticos induzidos por mudanças climáticas, declínio da produtividade agrícola e futuras pandemias. Mas é difícil fazer com que as pessoas enfrentem essas ameaças em conjunto quando a maioria percebe apenas uma lenta deterioração.

Em sua autobiografia elegíaca The World of Yesterday, que escreveu durante o exílio dos nazistas, o escritor austríaco Stefan Zweig observou que a maioria das pessoas não consegue compreender a perspectiva de mudanças catastróficas em sua situação. As coisas podem ficar cada vez piores por um longo tempo sem provocar uma reacção. Quando a catástrofe acontece, é tarde demais para agir.

Mudanças dramáticas também estão ocorrendo em nossos tempos, e devemos esperar que ainda não seja tarde demais para abordá-las. Infelizmente, uma acção suficientemente urgente, coordenada e decisiva provavelmente será difícil de mobilizar quando a maioria de nós - como o proverbial sapo que ferve lentamente - percebe que a mudança é incremental. Portanto, vale a pena perguntar o que podemos enfrentar se o pior acontecer.

Os eventos climáticos induzidos pelas mudanças climáticas são um tipo óbvio de catástrofe. Isso poderia tornar inabitáveis ​​partes grandes e densamente povoadas do planeta, e talvez já seja impossível evitar movimentos populacionais em grande escala decorrentes deles. Muitas vítimas do clima podem parecer distantes - a minúscula Tuvalu,  no Pacífico, é frequentemente retratada como uma das primeiras vítimas prováveis. Mas os eventos climáticos recentes apontam para áreas mais próximas dos centros globais de poder - como Flórida, as cidades do vale do Rio Amarelo  na China, Seattle e Nova Délhi - inundando ou tornando-se muito quente para os humanos.

Os governos e as organizações internacionais devem, portanto, começar a se preparar para a perspectiva de milhões de futuros refugiados do clima. De acordo com as Nações Unidas, havia 79,5 milhões de  pessoas deslocadas em todo o mundo no final de 2019, o maior número já registado, e mais do que em qualquer momento desde as enormes migrações forçadas após a Segunda Guerra Mundial. O aquecimento global contínuo significa que esse número provavelmente aumentará.

Pior ainda, as mudanças climáticas, combinadas com a perda de biodiversidade  e a degradação do solo, ameaçam causar uma queda na produtividade agrícola. Isso anularia muitos dos ganhos da Revolução Verde,  que permitiu à Terra sustentar seus 7,9 bilhões de habitantes.

Como tal, precisamos de uma nova Revolução Verde que vá além da modificação genética das safras para abranger mudanças sociais e económicas, como reforma agrária, alterações nas dietas e diferentes modelos de negócios. A falha em mudar as práticas agrícolas intensivas e industrializadas actuais rapidamente e em grande escala resultará em quebras de safra e aumento da fome. Para importadores líquidos de alimentos como o Reino Unido, a abundância do pós-guerra a que nos acostumamos pode se tornar uma coisa do passado. Mas como vamos realizar a necessária mudança de sistema quando, apesar da pandemia, as prateleiras dos supermercados ainda estão cheias?

Outro tipo de desastre relacionado a cada vez maiores incursões humanas na natureza é o aumento da frequência de doenças zoonóticas  que saltam de hospedeiros animais para humanos. A extraordinária pandemia COVID-19 trouxe esta mensagem para o mundo todo - Ebola, SARS e MERS foram avisos anteriores - e há mais crises de saúde por vir. O período da história em que as doenças infecciosas pareciam ter sido domadas provavelmente terminou. Da mesma forma, a disseminação da resistência anti-microbiana  significa que algumas antigas batalhas contra infecções foram reiniciadas. E se um novo coronavírus ainda mais virulento surgir nos próximos anos, estaremos preparados para outra reviravolta como a que experimentamos nos últimos 18 meses?

Esses tipos de eventos colocarão uma pressão imensa sobre os sistemas políticos existentes, sejam eles democracias ou regimes autoritários. Hoje, apenas um observador panglossiano poderia prever um retorno iminente à tendência para a democracia liberal que caracterizou a última parte do século XX. Ao contrário, a necessidade de lidar com mais emergências pode tornar o Ocidente mais autoritário. E o recuo do multilateralismo para os confrontos geopolíticos pode se acelerar, alimentando um ciclo vicioso que torna cada vez mais difícil enfrentar os problemas globais.

Talvez esses pensamentos sombrios sejam apenas um sinal de que seu autor precisa de férias de verão. Mas, com o aviso de Zweig em mente, não faria mal nenhum pensar no e se .  E se este for o momento para grandes acções, não pequenas? Quais seriam eles?

A Cúpula dos Sistemas Alimentares da ONU em Setembro e a Conferência do Clima da ONU (COP26) em Glasgow em Novembro são oportunidades óbvias para passar de uma reforma incremental a um progresso significativo. Mas evitar todas essas catástrofes potenciais requer uma mudança no sistema; eles são conhecidos como “problemas perversos”, por razões óbvias. E é difícil fazer com que as pessoas os enfrentem em conjunto, especialmente quando a maioria das pessoas actualmente percebe apenas uma lenta deterioração.

O desafio é realmente de liderança: um pequeno número de líderes políticos globais poderia concordar em abordar alguns desses problemas perversos no interesse comum de todos. Mas, ao mesmo tempo, universidades e institutos de pesquisa precisam desmantelar os silos disciplinares e as estruturas de carreira que recompensam apenas a estreiteza e a descoberta incremental. Os cientistas do clima precisam integrar seu trabalho ao dos cientistas políticos, e os epidemiologistas devem fazer o mesmo com os economistas. Analisar os riscos de catástrofe cria a obrigação de agir agora.

DIANE COYLE

Diane Coyle, Professora de Políticas Públicas na Universidade de Cambridge, é a autora, mais recentemente, de  Markets, State, and People: Economics for Public Policy.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome