Edição online semanal
 
Quarta-feira 29 de Setembro de 2021  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

A OPORTUNIDADE PANDÉMICA

06-08-2021 - Muhammad Yunus

Com tanto da vida social e económica “normal” em espera pela pandemia do coronavírus, não há melhor momento para considerar novas abordagens para o desenvolvimento. Até que tenhamos alcançado a sustentabilidade ambiental, social e económica, nós, como espécie, estaremos correndo contra o relógio.

A pandemia atingiu a máquina económica global, restringindo o crescimento em muitas partes do mundo. Governos e empresas agora estão direccionando todas as suas energias para restaurar a velha taxa de crescimento normal e pré-pandémica. E, no entanto, nossa filosofia política realmente deveria ser o oposto: "Não há volta".

Afinal, no mundo pré-pandémico, estávamos nos precipitando para o fim da existência humana neste planeta, devido às mudanças climáticas, à concentração de riqueza em cada vez menos mãos e ao desenvolvimento de aplicações de inteligência artificial (IA) que irá tornar mais e mais das mãos restantes redundantes.

Os cientistas há muito nos alertam que o aquecimento global descontrolado limitará drasticamente nosso tempo neste planeta. A contagem regressiva já começou. A humanidade se tornou uma espécie em extinção. Seria suicídio retornar ao mundo pré-pandémico. Por que devemos voltar a uma trilha que nos levará de um penhasco?

Agora que grande parte da economia parou, não há melhor momento para reorientá-la em uma direcção diferente. A pandemia criou uma oportunidade de traçar um novo curso para um mundo definido por três zeros: emissões líquidas de dióxido de carbono zero, pobreza zero e desemprego zero.

Redesenhar o sistema é nossa única opção. Estamos prolongando uma festa em uma casa em chamas, celebrando o crescimento económico e nossos milagres tecnológicos e dançando canções de prosperidade. As músicas nos mantêm complacentes com o fato de que foi nossa festa que começou o incêndio.

Jovens de todo o mundo percebem isso e têm tentado desligá-lo e extinguir as chamas. Os adolescentes estão marchando e exigindo mudanças. Alguns acusam abertamente seus pais de roubarem seu futuro. Os governos, pelo menos, mostraram consciência ao anunciar metas líquidas de zero, assim como as empresas assinaram os Objectivos de Desenvolvimento Sustentável.

Mas quanto disso é real e quanto é relações públicas? Um verdadeiro compromisso implicaria uma mudança fundamental em nosso pensamento económico e o fim de buscar o crescimento do PIB por si só. Esse novo pensamento nos forçaria a reconhecer o mundo perigoso que criamos e nos obrigaria a lidar com o acúmulo constante de riqueza no topo, que ocorre às custas de tantos na base.

Da maneira como as coisas estão, os governos continuam a seguir seu caminho usual de segurança política. Estão anunciando metas ambientais, mas não agindo com aparente urgência. Nenhum país está demonstrando preocupação real com a concentração de riqueza ou IA. Assim, recaiu sobre as pessoas comuns, especialmente os jovens, a mobilização contra um status quo quebrado.

VOLTAR PARA A PRANCHETA

O capitalismo se baseia no pressuposto de que os seres humanos são movidos por interesses próprios. Essa panaceia precisará ser reformulada para reflectir como os seres humanos realmente são. Eu diria que as pessoas são movidas em parte pelo interesse próprio, mas principalmente pelo interesse colectivo.

A suposição de que apenas o interesse próprio importa é o que levou os economistas a estabelecerem a base intelectual para a maximização do lucro corporativo. Mas, uma vez que se reconheça o papel do interesse colectivo, esse modelo não é mais válido. Precisaremos de uma nova estrutura de negócios.

Uma empresa movida pelo interesse colectivo não precisa do lucro individual; em vez disso, seu sucesso depende de se ela fornece soluções financeiramente sustentáveis ​​para problemas colectivos, e seus lucros são, portanto, reinvestidos em seus negócios. Isso não é meramente teórico: eu criei precisamente esse tipo de “negócio social” em meu próprio trabalho.

Essa abordagem significaria o fim do capitalismo? Não, porque os negócios que maximizam os lucros ainda seriam capazes de funcionar lado a lado com os negócios sociais. Caberia às empresas individuais decidir qual modelo adoptar. Alguém pode optar por se envolver em negócios que maximizam os lucros, negócios sociais ou ambos - separadamente ou ao mesmo tempo. Ambos os tipos de negócios participariam do mesmo mercado sob as mesmas autoridades reguladoras.

Obviamente, as pessoas não são movidas apenas pelo lucro pessoal. Se fossem, não haveria caridade. Da mesma forma, “investimento” não se limita a usos de dinheiro que maximizam o lucro pessoal. Independentemente de se comprar acções de uma empresa com fins lucrativos ou de um negócio social, fez-se um investimento.

As pessoas que investem em negócios sociais não têm dúvidas de que ganhar dinheiro pode trazer alguma felicidade; mas reconhecem que investir para ajudar os outros (um interesse colectivo) os traria ainda mais. Aqueles que compartilham dessa visão preferirão, na verdade, investir em negócios sociais.

Em última análise, esses julgamentos de valor estão enraizados em nossas mentes - é aí que encontramos a felicidade e reconhecemos sua verdadeira fonte. Eu, por exemplo, posso encontrar muitos usos para meu dinheiro. Posso doá-lo, mantê-lo debaixo da cama, comprar bilhetes de lotaria, investir em negócios sociais ou investir em negócios que maximizem os lucros. Mas não é óbvio como devo decidir entre essas opções, porque maximizar a felicidade não é a mesma coisa que maximizar o lucro.

O ESTADO EMPREENDEDOR SOCIAL

A velha suposição por trás do capitalismo nos enganou em muitos níveis. Pior de tudo, nos fez acreditar que a felicidade pode ser medida pela quantidade de dinheiro que temos. No sistema antigo, todos os cidadãos deveriam permanecer ocupados maximizando os lucros e pagando impostos, com as receitas do governo sendo destinadas à solução de quaisquer problemas comuns que o país enfrente.

Mas o envolvimento do governo na solução dos problemas sociais por si só levou à polarização política. Alguns argumentam que os governos devem minimizar os impostos e evitar a solução de problemas que deveriam ser deixados para os mercados resolverem. Outros argumentam que o governo deveria assumir mais responsabilidade pela solução dos problemas sociais, com os impostos subindo até o nível necessário.

Mas de qualquer maneira, não há circunstâncias em que os indivíduos devam permanecer meros espectadores. Todos nós devemos usar nossa própria criatividade para lidar com os problemas sociais. Uma vez que os cidadãos se tornam activos na abordagem de desafios compartilhados, os resultados logo aparecem.

O governo inteligente é aquele que cria espaço e incentivos para que os cidadãos se envolvam. Irá inspirar as pessoas e aplaudir as suas realizações, ao mesmo tempo que estabelece as estruturas jurídicas e administrativas necessárias para apoiar as suas iniciativas. Por exemplo, os governos podem criar as condições para fundos de negócios sociais, capital de risco em negócios sociais e bancos de micro empresários de negócios sociais.

A questão, aqui, não é diminuir a importância do governo. Em vez disso, é para activar a função de organização do estado. A capacidade de um governo não deve ser julgada por sua receita tributária, mas pelo poder que ele confere ao povo. Orientar e inspirar acções de base pode gerar muito mais receita do que qualquer quantia de receita.

As transformações económica e sociais são mais fáceis quando os governos demonstram a liderança adequada. Se os governos se tornassem participantes entusiasmados em traçar um caminho para um novo futuro, o processo seria muito mais suave e rápido. No centro desse processo está a criação de novas instituições.

Por exemplo, precisamos de instituições financeiras para garantir que todo jovem possa se tornar um empresário se não quiser esperar na fila por um emprego. O estado pode estabelecer essas opções codificando uma estrutura legal para fundos de capital de risco para negócios sociais e criando incentivos para que as empresas criem negócios sociais paralelamente aos seus negócios convencionais.

Em muitos países, entretanto, não existe um acordo de financiamento para um jovem que deseja abrir seu próprio negócio. As finanças são o combustível do empreendedorismo, mas enquanto os agiotas forem os únicos que as oferecem, os negócios sociais nunca irão descolar. Os micro empresários precisam de bancos especializados que possam atender às suas necessidades específicas, inclusive em locais remotos e isolados.

Considere alguém que começa a vender camisas na rua. Ele pode vender cinco por dia, embora tenha capacidade para vender 50. Sem dinheiro para expandir seus negócios, ele desiste e consegue um emprego (possivelmente na economia informal, onde não tem benefícios ou protecções legais). Se houvesse dinheiro disponível, ele teria muitas outras opções. Ele poderia desistir de um emprego assalariado e se concentrar em construir seu negócio; ou, ele poderia conseguir um emprego enquanto continuava a vender camisas na lateral.

TECNOLOGIA PARA QUÊ?

A tecnologia tem um papel importante a desempenhar em tudo isso. Pode ser uma bênção ou uma maldição, dependendo da direcção que queremos tomar. É fácil imaginar como a IA poderia trazer benefícios infinitos para as pessoas, mas não quando está sendo projectada e implantada para substituir trabalhadores humanos em uma escala maciça.

Quando criamos uma nova tecnologia, temos a obrigação de considerar onde e como ela deve e não deve ser usada. A tecnologia não é uma força autónoma, mas sim uma criação humana que reflecte nossos próprios valores e intenções. A medicina foi inventada para curar pessoas, mas o conhecimento e as tecnologias médicas obviamente também podem ser usados ​​para matar pessoas. Uma tecnologia de uso geral como a IA não é diferente.

Acredito que o desenvolvimento da IA ​​actualmente está indo na direcção errada, porque está sendo usado para maximizar os lucros, reduzindo os custos trabalhistas das empresas com fins lucrativos. Devemos interromper essa tendência antes que seja tarde demais. Ao contrário de outras tecnologias, a IA poderia teoricamente se reproduzir, e nesse ponto não teria limite.

A pandemia nos deu a oportunidade de começar a trabalhar em direcção a um novo mundo de emissões líquidas zero, pobreza zero e desemprego zero. Para tanto, precisaremos dispensar os combustíveis fósseis e implantar energias renováveis ​​em escala global. Precisaremos parar de comer carne bovina e de bombear produtos plásticos descartáveis. E teremos que fazer muito mais para preservar e reabastecer as florestas e outros ecossistemas importantes.

Também devemos redesenhar o sistema bancário para que os serviços financeiros sejam acessíveis até mesmo aos sem teto. Devemos parar de permitir que a riqueza se torne cada vez mais concentrada. Devemos pensar seriamente sobre as ameaças representadas pela IA. E devemos levar os negócios sociais para o mainstream.

Os humanos são uma espécie em extinção. Se continuarmos no mesmo caminho, nos tornaremos extintos - e possivelmente muito em breve, dependendo das escolhas que fizermos agora.

MUHAMMAD YUNUS

Muhammad Yunus, vencedor do Prémio Nobel da Paz, é o fundador do Grameen Bank.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome