Edição online semanal
 
Quarta-feira 29 de Setembro de 2021  
Notícias e Opnião do Concelho de Almeirim de Portugal e do Mundo
 

UM POUCO DE GEOPOLÍTICA É UMA COISA PERIGOSA

09-07-2021 - Harold James

O termo geopolítica entrou em voga pela primeira vez após a derrota da Alemanha na Primeira Guerra Mundial e, desde então, passou a ser usado como uma racionalização para conflitos de soma zero. Mas, na medida em que representa uma falsa noção de determinismo geográfico, é totalmente inadequado para um mundo globalizado.

Qualquer esperança de que a saída com inúmeros poblemas de Donald Trump da Casa Branca pudesse pelo menos restaurar um pouco de calma para o mundo agora deve ser descartada. Já existe uma perigosa nova ameaça internacional: o retorno da “geopolítica” na configuração da segurança internacional.

Considere os eventos dos últimos seis meses. Poucas semanas após a posse do presidente Joe Biden, seu secretário de Estado, Antony Blinken, entrou em uma briga extraordinária com seu homólogo chinês em uma reunião bilateral no Alasca. Os Estados Unidos também discutiram com a União Europeia sobre o Nord Stream 2, um gasoduto que fornecerá gás natural russo directamente para a Alemanha, contornando (e assim enfraquecendo) a Ucrânia. E, por sua vez, a UE impôs sanções mais duras à China, citando suas políticas em Xinjiang, às quais a China respondeu com sanções próprias.

Então, em Junho, um contratempo  naval entre a Rússia e a Grã-Bretanha no Mar Negro evocou paralelos com a Guerra da Crimeia dos anos 1850. E uma reunião entre Biden e o presidente russo, Vladimir Putin, fez pouco para reduzir as tensões entre os EUA e a Rússia. Quando chegar a hora, o primeiro encontro de Biden com o presidente chinês Xi Jinping provavelmente não será mais caloroso. O G7 está se reformulando como um clube de democracias ricas que estabelecerá “as regras básicas da estrada” para o resto do mundo. Não importa que outros países poderosos não tenham interesse em regras estabelecidas por outra pessoa.

“Geopolítica” é a palavra mais usada para descrever esses desenvolvimentos, muitos dos quais são enquadrados como novas iterações de velhas questões. Diz-se que a Rússia, por exemplo, está dando continuidade à tradição soviética de usar as exportações de energia para induzir a dependência de outros. Consequentemente, o Nord Stream 2 repete a luta do presidente Ronald Reagan sobre a participação alemã na construção de um gasoduto soviético há quatro décadas. Blinken chama  isso de “projecto geopolítico russo para dividir a Europa”.

Um conceito classicamente ambíguo, a geopolítica tem usos inocentes e perigosos. Para alguns, promove um vago senso de contingência geográfica. Para outros, entretanto, equivale a determinismo geográfico, implicando em um conflito sem fim no qual o espaço é mais importante do que as ideias, mais mapas do que os capítulos. O perigo do termo reside em seu niilismo inerente: ele nos leva a supor que ninguém pode estar seriamente interessado em valores, porque não pode haver um bem universal.2

Após a Primeira Guerra Mundial e o fracasso de uma visão alemã perigosamente ambiciosa de “política mundial” ( Weltpolitik) sob o Kaiser Guilherme II, um novo termo foi necessário. Foi fornecido por Karl Haushofer, um oficial e teórico estratégico da Academia Militar de Munique, que foi profundamente influenciado por um período relativamente breve como adido militar em Tóquio. A palavra Geopolitik foi cunhada por um político sueco, Johan Rudolf Kjellén, em 1900, e Haushofer a adoptou com gosto.

Foi Haushofer quem primeiro combinou geografia com conflito necessário, transformando toda a política internacional em uma luta amarga, mas inevitável, de soma zero entre ricos e pobres. Ele acreditava que era sua missão criar uma nova ciência política - “a ciência da forma de vida política em um espaço natural de vida”. Geopolítica era a doutrina da "conexão com a terra dos processos políticos" e deve, em última análise, "tornar-se a consciência do estado".

A partir da década de 1920, Haushofer rapidamente conquistou admiradores dos elementos marginalizados da ordem internacional. Adolf Hitler pode muito bem ter sido influenciado por seu pensamento; ele ditou Mein Kampf através do discípulo de Haushofer Rudolf Hess. Karl Radek, o secretário do Comintern, certamente ficou impressionado (havia até um jornal soviético de geopolítica). E o pensamento geopolítico voltou com uma vingança à política russa, após o colapso humilhante da União Soviética. Haushofer foi entusiasticamente abraçado por Aleksandr Dugin, um analista estratégico quase fascista que se acredita amplamente ter influenciado a visão de mundo de Putin.

Há um padrão comum aqui: geopolítica tende a ser o termo preferido para perdedores históricos que desejam dar uma guinada cínica em seus esforços para desmantelar um projecto intelectual vitorioso.1

Não foi isso que a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, quis dizer em 2019, quando declarou que lideraria uma "Comissão geopolítica". O objectivo era distinguir a nova Comissão de uma “política” que interferiria nos assuntos internos dos Estados membros da UE, e o termo parecia sugerir que a Europa se envolveria abertamente com os outros. Em um mundo globalizado, muitos europeus achavam que a Europa em grande escala precisava de uma voz e eram simpáticos ao argumento de que mesmo grandes Estados-membros como França, Alemanha ou Itália não poderiam ter influência por conta própria.

Mas, nas actuais circunstâncias, a postura geopolítica mais uma vez parece uma compensação para a impotência. Os maus sintomas associados à velha geopolítica estão reaparecendo e dificultando soluções para problemas globais como a pandemia COVID-19, que não terminará até que haja vacinação universal.

Usar a “geopolítica” promiscuamente não leva a nada, porque invocar o termo não substitui discussões substantivas e uma difusão de interpretações conflituosa. Pensar em termos de confrontos de grandes potências e disputar quem é o maior hipócrita não resolverá desacordos internacionais nem resolverá problemas comuns. A única maneira de fazer isso é se concentrar no que realmente exige para alcançar objectivos comuns.

HAROLD JAMES

Harold James é professor de História e Assuntos Internacionais na Universidade de Princeton e pesquisador sénior do Centro de Inovação em Governança Internacional. Um especialista em história económica alemã e em globalização, ele é co-autor de O Euro e A Batalha de Ideias, e o autor de A Criação e Destruição de Valor: O Ciclo da GlobalizaçãoKrupp: A History of the Legendary German Firmfazendo a União Monetária Europeia,  e o próximo a guerra de palavras.

 

Voltar 


Subscreva a nossa News Letter
CONTACTOS
COLABORADORES
 
Eduardo Milheiro
Cordenador
Marta Milheiro
   
© O Notícias de Almeirim : All rights reserved - Site optimizado para 1024x768 e Internet Explorer 5.0 ou superior e Google Chrome